» Colunas » Saúde

18/03/2015
Aspirina diminui risco de câncer colorretal — mas não para todos

Estudo revela que o uso do remédio reduz em 30% a incidência desse tumor. Benefício não vale, porém, para pessoas com uma variação genética nos cromossomos 12 e 15

Tomar aspirina ou ibuprofeno tende a reduzir o risco de desenvolver câncer de cólon para a maioria das pessoas, mas não funciona em uma minoria que possui algumas variações genéticas. A revelação é de um estudo publicado nesta terça-feira no periódico Jama.


Pesquisadores revisaram dez estudos da Austrália, Canadá, Alemanha e Estados Unidos que reuniram, no total, mais de 16.000 pessoas. Os dados confirmaram que o uso regular de aspirina e outros anti-inflamatórios não-esteroides, como o ibuprofeno, diminui em 30% a probabilidade de desenvolver câncer colorretal para a maior parte das pessoas. O benefício preventivo, no entanto, não foi observado em indivíduos com variantes incomuns em genes nos cromossomos 12 e 15.


Uma vez que o uso de aspirina e outros anti-inflamatórios têm efeitos adversos como sangramento intestinal, os médicos devem avaliar junto aos pacientes os potenciais perigos e benefícios do seu consumo. "O estudo sugere que o perfil genético de uma pessoa pode ajudar na tomada desta decisão", afirmou Andrew Chan, coautor da pesquisa e professor da Escola de Medicina de Harvard.


site da revista Veja

Leia outras matérias desta seção
 » Câncer de sangue - nova terapia
 » Câncer retal curado
 » Sequelas de quem teve Covid-19
 » Zeaxantina protege os olhos
 » Emagrecedores proibidos pela Anvisa
 » Doença Falciforme a cura
 » Losartana:remédios são recolhidos
 » AVC ou derrame o que é ?
 » Câncer no testículo
 » Fungos podem transmitir doenças graves
 » Covid19 vírus desafia nossa imunidade
 » Covid19 e o Dímero-D
 » Assombroso não é ter câncer, mas sim não ter
 » Os chás que são venenos ou não ?
 » Vacinas com vírus desativados protegem mais
 » Aterosclerose e seus fatores de risco
 » Vacina em crianças
 » Câncer de tireoide em mulheres, superdiagnosticadas?
 » Leuclopasia oral
 » Melatonina


Voltar