» Colunas » Saúde

01/05/2018
Sepse aprenda a reconhecer

epse requer diagnóstico e tratamento precoce.

​​​​​​​Pouco conhecida pela maior parte da população, a sepse (antigamente conhecida como septicemia ou infecção generalizada) é um conjunto de manifestações produzidas por nosso organismo quando se depara com uma infecção. Na tentativa de responder a esse agente infeccioso estranho, nosso sistema imunológico acaba afetando diferentes órgãos, o que pode levá-los à falência. A melhor maneira de enfrentar a sepse então é reconhecê-la e tratá-la rapidamente.

Podemos desenvolver sepse após qualquer tipo de infecção, mas geralmente ela se manifesta a partir de infecções em nossos pulmões, abdômen ou em partes do sistema urinário — formado por nossos rins, bexiga, uretra e ureteres.

Sinais de sepse

Como a sepse pode ser provocada por diferentes tipos de infecção, existem vários sinais que podem estar associados a essa síndrome. São eles:

Aceleração da frequência respiratória.

Falta de ar.

Aceleração dos batimentos cardíacos.

Temperatura acima de 38 °C (febre).

Temperatura abaixo de 36 °C (hipotermia).

Fraqueza extrema.

Vômitos.

Diminuição da quantidade de urina.

Queda da pressão arterial.

Alterações da consciência com sonolência, agitação ou confusão mental (especialmente em idosos).

Segundo o gestor do Protocolo de Sepse do Hospital Sírio-Libanês, o dr. Luciano Azevedo, muitas pessoas apresentam esses sinais, mas acham que é gripe ou outra doença menos grave e não procuram ajuda médica, o que diminui as chances de controle. “A sepse é uma síndrome potencialmente grave, sendo considerada uma emergência médica”, ressalta o médico.

Se você tiver dois ou mais desses sintomas relacionados à sepse, procure assistência médica imediatamente.

A sepse pode afetar qualquer pessoa, mas é mais comum naquelas que têm alguma deficiência no sistema imunológico, como os bebês prematuros; crianças, em especial, com até 1 ano de idade; idosos com mais de 65 anos de idade; pacientes em uso de fármacos que afetem o sistema de defesa ou que tenham aids e câncer.

Previna-se da sepse

Como as infecções que podem causar sepse são adquiridas em qualquer ambiente — em casa, no trabalho ou no hospital —, pequenos cuidados podem fazer a diferença na prevenção contra essa síndrome.

Para reduzir os riscos de sepse, é importante adotar alguns bons hábitos de saúde:

Higienizar as mãos com sabão ou álcool durante visitas a hospitais ou pessoas doentes.

Evitar a automedicação e o uso desnecessário de antibióticos.

Seguir corretamente os calendários de vacinação.

Reconheça a sepse e salve vidas. Quanto mais rápido for o diagnóstico e o tratamento da sepse, maiores são as chances de cura.

Fonte: Dr. Luciano César Azevedo, gestor do Protocolo de Sepse do Hospital Sírio-Libanês.



Leia outras matérias desta seção
 » Cardíacos e Idosos muita cautela em tomar Aspirina
 » Doenças transmitidas por animais
 » Canabidiol (maconha) ajuda na dor crônica
 » Idosos alguns cuidados para se manter vivo
 » Alisar cabelo - os perigos
 » O idoso e a demência
 » Coronavac 3ª dose porque tomar
 » Covid19 - Atualização
 » Coronavac x doenças autoimunes
 » Imunização contra covid está comprometida
 » O vírus de Marburg - mais um perigoso
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é


Voltar