» Colunas » Saúde

27/11/2019
Doença grave x Espiritualidade

A fé remove montanhas

Ser diagnosticado com uma doença grave, que muitas vezes ameaça a vida, é uma situação bastante difícil para os pacientes, seus familiares e entes queridos. 

A espiritualidade e os cuidados paliativos nesses momentos têm grande influência para que haja diminuição do sofrimento, entendimento e ressignificação dos fatos. 

A professora Marysia Prado de Carlo, tutora da Liga de Espiritualidade em Saúde e Cuidados Paliativos, formada por estudantes do curso de Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, destaca que espiritualidade e religiosidade são diferentes. 

Apesar de igualmente importantes, a espiritualidade, sobretudo nesses casos, é mais abrangente e está diretamente relacionada com a busca pelo sentido da vida, mesmo que o paciente não apresente uma religião definida. 

“A área da saúde e a ciência, cada dia mais, reconhecem e valorizam os benefícios da espiritualidade e dos cuidados paliativos no tratamento de doenças graves, tanto para os enfermos como para  seus familiares”, afirma a professora. 


Jornal da USP

Leia outras matérias desta seção
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante
 » Coronavírus: não existe mais grupos de risco
 » Vitaminas em excesso são prejudiciais
 » Coronavírus x Gripe espanhola a história se repete
 » Coronavírus: Aspirina pode ser benéfica
 » Coronavírus: Macrófago é um dos vilões
 » Coronavírus:Pode permanecer mais de 14 dias no organismo
 » Coronavírus:Pacientes resistentes podem ajudar
 » Leucemia linfoide aguda (LLA),
 » Coronavírus:Antiviral é aprovado
 » Coronavírus:catástrofe iminente
 » Coronavírus:vem aí o spray nasal


Voltar