» Colunas » Saúde

17/05/2020
Espinheira santa

A espinheira santa (Maytenus ilicifolia) pertence à família Celastraceae. É uma planta medicinal nativa da região sul do Brasil. A espinheira santa tem sido eficaz no combate às dores de estômago, gastrite, úlcera, azia e queimação, devido às propriedades medicinais que possui.

Nutrientes da espinheira santa

A espinheira santa possui boas quantidade de taninos, especialmente epigalocatequina, que têm poder cicatrizante de lesões ulcerosas no estômago por controlar a produção de ácido clorídrico no órgão. Os taninos ainda tem poder antisséptico por paralisar as fermentações gastrintestinais e analgésicos.

Os óleos essenciais, especialmente o fridenelol, também estão presentes na espinheira santa. Este óleo se destaca pelo efeito gastro protetor. A espinheira santa também possui na composição os ácidos tônico e silícico, que possuem a ação antisséptica e cicatrizante.

Benefícios da espinheira santa

Boa contra as úlceras: A espinheira santa conta com taninos que têm poder cicatrizante de lesões ulcerosas no estômago por controlar a produção de ácido clorídrico no órgãos.

Combate a gastrite: A espinheira santa é boa em casos de gastrite. Este benefício ocorre devido aos taninos presentes na planta que estão relacionados à diminuição da secreção do ácido clorídrico pelas células do estômago e assim atenuam a gastrite.

Alivia os gases: A espinheira santa tem ação antisséptica, devido à expressiva quantidade de taninos, atuando rapidamente na paralisação das fermentações gastrintestinais e é carminativa, por isso ela é indicada em casos de gases.

Ação diurética: A espinheira santa tem ação levemente diurética devido à presença de triterpenos, composto bioativo, em sua composição.

Melhora o trânsito intestinal: A espinheira santa melhora o trânsito intestinal devido à mucilagem presente nesta planta.

Alivia dores no estômago: Por evitar a secreção de ácido gástrico, a espinheira santa ajuda a aliviar as dores no estômago.

Previne câncer de pele: Os triterpenos encontrados na espinheira santa possuem propriedades contra o câncer de pele. Vale ressaltar que, caso tenha um tumor, é importante conversar com seu médico antes de consumir a planta.

Ação cicatrizante: A espinheira santa possui na composição os ácidos tônico e silícico, que possuem a ação antisséptica e cicatrizante.

Quantidade recomendada

A quantidade recomendada de espinheira santa é: de duas a três xícaras de chá ao dia ou duas cápsulas três vezes ao dia, ou 20 gotas do seu extrato em 1/3 de copo d´agua duas vezes ao dia.

Como consumir

Ao consumir a espinheira santa as partes utilizadas são as folhas, as cascas e as raízes. Estas partes podem ser ingeridas como chás, tinturas ou cápsulas ou usadas externamente como cicatrizantes da pele.

O chá de espinheira santa pode ser consumido após as refeições para ajudar na digestão. Para prepará-lo, ferva três colheres de sopa da erva com 500 ml de água, abafe, coe e tome. As cápsulas de espinheira santa são opções quando o paciente tem intolerância ao cheiro e/ ou gosto da planta. Tome uma ou duas cápsulas de espinheira santa antes das principais refeições.

Riscos do consumo em excesso

O consumo em excesso de espinheira santa pode provocar náuseas e boca seca, gosto estranho na boca, cefaleia, sonolência, tremor e dor nas articulações das mãos, cistite e poliúria.

Contraindicações da espinheira santa

A espinheira santa é contraindicada em casos de gravidez ou tratamento da infertilidade feminina por ter um efeito abortivo descrito em pesquisas científicas. Também é contraindicado durante o período de amamentação, pois pode levar à redução do leite materno.

A espinheira santa também não é recomendada para crianças

Não confundir a espinheira santa com a Mata-olho (Sorocea bonplandi) e a falsa espinheira santa (Zollernia ilicifolia) que causam danos à saúde.

Fonte 

Nutricionista Adriane dos Santos, do Hospital Adventista Silvestre.

Estudo das propriedades farmacológicas da espinheirasanta (Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek) e de duas espécies adulterantes Study of the pharmacological properties of espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek) and of two adulterating species Wilker Marlon de Moraes Jesus¹; Tarcísio Neves da Cunha². Revista Saúde e Desenvolvimento / vol. ? nº 1 / Jan ? Jun 2012.



Leia outras matérias desta seção
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante
 » Coronavírus: não existe mais grupos de risco
 » Vitaminas em excesso são prejudiciais
 » Coronavírus x Gripe espanhola a história se repete
 » Coronavírus: Aspirina pode ser benéfica
 » Coronavírus: Macrófago é um dos vilões
 » Coronavírus:Pode permanecer mais de 14 dias no organismo
 » Coronavírus:Pacientes resistentes podem ajudar
 » Leucemia linfoide aguda (LLA),
 » Coronavírus:Antiviral é aprovado
 » Coronavírus:catástrofe iminente


Voltar