» Colunas » Saúde

07/12/2021
Alzheimer x Viagra (sildenafil)

Estudo aponta Viagra como medicamento candidato para prevenção e tratamento contra o Alzheimer.

Feixiong Cheng, do Instituto de Medicina Genômica da Clínica Cleveland, determinou que o sildenafil está associado a uma redução de 69% na incidência da doença de Alzheimer — Foto: Cleveland Clinic

Um estudo publicado nesta segunda-feira (6) pela "Nature Aging" analisou milhões de dados sobre o uso do sildenafil, substância do Viagra, e sugere que o medicamento tem potencial para ser tratado como uma "droga candidata" a atuar na prevenção e o tratamento do Alzheimer.

A pesquisa foi conduzida pela Clínica Cleveland, de Ohio, nos Estados Unidos. Além do tratamento para a disfunção erétil, o sildenafil também é aprovado como uma terapia contra a hipertensão pulmonar.

Segundo os resultados do estudo americano, liderado pelo pesquisador Feixiong Cheng, do Instituto de Medicina Genômica da Clínica Cleveland Clinic, o medicamento está associado a uma redução de 69% na incidência do Alzheimer após um acompanhamento de 6 anos, em comparação com pessoas que não utilizavam o remédio.

Já em comparação com pacientes que eram tratados com o losartan, com prescrição médica para hipertensão arterial, as pessoas que recebiam a substância do Viagra apresentaram um risco 55% menor de desenvolver o Alzheimer.

O mesmo foi constatado com outros remédios: na comparação entre a metformina e o sildenafil, o risco de desenvolver a doença foi 63% menor para quem utilizava a substância do Viagra; já com o diltiazem, utilizado contra pressão alta, o índice foi 65% menor.

Os cientistas utilizaram um modelo computacional para cruzar dados de drogas aprovadas pela FDA, agência reguladora dos Estados Unidos, e potenciais tratamentos para o Alzheimer. Eles utilizaram um banco de dados com mais de 7 milhões de pacientes, mas reiteram que são necessários estudos clínicos para comprovar se de fato o sildenafil é eficaz contra a doença neurodegenerativa.

"Este artigo é um exemplo de uma crescente área de pesquisa da medicina de precisão, em que o big data é a chave para conectar pontos entre medicamentos existentes e doenças complexas como o Alzheimer", disse Jean Yuan, um dos diretores do Instituto Nacional do Envelhecimento, parte do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês), que financiou a pesquisa. 


G1

Leia outras matérias desta seção
 » Vacinas com vírus desativados protegem mais
 » Aterosclerose e seus fatores de risco
 » Vacina em crianças
 » Câncer de tireoide em mulheres, superdiagnosticadas?
 » Leuclopasia oral
 » Melatonina
 » Covid19 - O pesadelo vai continuar em 2022 ?
 » Vacina: A importância da 3ª dose
 » USP isola variante do ômicron
 » Alzheimer x Viagra (sildenafil)
 » Um copo de água a cada refeição?
 » Ômicron o novo pesadelo
 » Semaglutida para emagrecer compensa ?
 » Inflamação sistêmica
 » Corticoide x escorpião amarelo
 » Antibióticos x bactérias resistentes
 » Aditivos químicos nos alimentos
 » Dedos de covid
 » Carambola uma fruta neurotóxica
 » Cardíacos e Idosos muita cautela em tomar Aspirina


Voltar