» Colunas » Saúde

Estudo mostra meio de reduzir recidiva de Câncer

Um abrangente estudo internacional apurou que um novo tratamento pode reduzir o risco de recidiva de câncer no seio na pós-menopausa. O resultado da pesquisa foi positivo a ponto de os responsáveis por ela terem abreviado a fase de observações e ministrado às pacientes que estavam tomando placebo a droga letrozole, vendida no laboratório Novartis com a marca Femara. Participaram do estudo 5.187 mulheres atendidas em centenas de centro médicos dos Estados Unidos, Canadá e Europa. Todas já tinham feito tratamento a base de tamoxifeno, que bloqueia os efeitos do estrogênio. O tamoxifeno impede recidivas do câncer em pacientes na pós-menopausa. Mas o tratamento só se revela eficaz durante cinco anos. Das mulheres que tomaram placebo, 132 tiveram recorrência do câncer 2,4 anos em média, depois da conclusão do tratamento com tamoxifeno. Entre as pacientes às quais foi ministrado letrozole, 75 apontaram recidiva do câncer, uma redução de 43%. A droga bloqueia uma enzima, uma aromatase, que converte outros hormônios em estrogênio. A redução dos níveis de estrogênio – o hormônio que alimenta o tumor – no sangue das pacientes chega a 95%. Os efeitos colaterais são aumento do risco de osteoporose, fogacho e suores noturnos. “O tamoxifeno tem sido a droga mais eficaz no tratamento desse tipo de câncer no seio, mas faltava uma droga que pudesse ser empregada depois dele”, disse Jeffrey Abrams, do Instituto Nacional do Câncer Americano. “O padrão era suspender o tamoxifeno após cinco anos de tratamento e não fazer mais nada. Agora temos uma opção”, diz C. Kent Osborne, do Baylor College of Medicine, de Houston.

O Estado de São Paulo

Leia outras matérias desta seção
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante
 » Coronavírus: não existe mais grupos de risco
 » Vitaminas em excesso são prejudiciais
 » Coronavírus x Gripe espanhola a história se repete
 » Coronavírus: Aspirina pode ser benéfica
 » Coronavírus: Macrófago é um dos vilões
 » Coronavírus:Pode permanecer mais de 14 dias no organismo
 » Coronavírus:Pacientes resistentes podem ajudar
 » Leucemia linfoide aguda (LLA),
 » Coronavírus:Antiviral é aprovado
 » Coronavírus:catástrofe iminente
 » Coronavírus:vem aí o spray nasal


Voltar