» Colunas » Saúde

03/06/05
Células embrionárias são estáveis

Cientistas temiam que mutações impedissem uso em tratamento

Uma pesquisa publicada na revista Nature Genetics mostrou que as células-tronco extraídas de embriões humanos são muito mais estáveis do que os cientistas acreditavam. As células-tronco, que são células ainda sem diferenciação, têm segundo a ciência, um potencial de curar doenças como câncer e Parkinson ou males provocados por traumas, já que podem ser transformadas em qualquer tecido (e até órgãos) do corpo humano. Havia um certo medo de que os genes das células-tronco pudessem passar por mudanças que os tornariam instáveis para corrigir problemas quando as células fossem usadas em uma terapia. Mas cientistas da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, afiram que esse temor não tem fundamento. Eles analisaram seis genes de quatro linhagens de células-tronco extraídas de embriões humanos. "O fato é que elas são mais estáveis do que pr exemplo, células semelhantes extraídas de camundongos, cujos genes sofrem alterações no decorrer do processo", disse Roger Pederson, chefe da pesquisa. Os cientistas avaliaram apenas células extraídas de embriões humanos descartados por causa de abortos. Ainda não se sabe se embriões clonados se desenvolvem nas mesmas condições.

Imprinting

Os cientistas mostravam-se preocupados com fatores bioquímicos, que tem um papel fundamental em controlar a atividade genética da célula durante o seu desenvolvimento e diferenciação. Esses fatores asseguram, por exemplo, que a atividade dos genes seja balanceada à medida que sua estrutura física vai mudando. Como herdamos duas copias de cada gene, um de cada pai, há um perigo de que a combinação de alguns desses genes se torne, por exemplo, potente demais. Os fatores bioquímicos controlam o chamado imprinting (ou mistura) genético. Os cientistas tinham medo de que, uma vez manipuladas em laboratório, essas células não se desenvolvessem da forma correta, não crescendo ou crescendo demais - anulando um eventual tratamento.

O Estado de São Paulo

Leia outras matérias desta seção
 » Doenças transmitidas por animais
 » Canabidiol (maconha) ajuda na dor crônica
 » Idosos alguns cuidados para se manter vivo
 » Alisar cabelo - os perigos
 » O idoso e a demência
 » Coronavac 3ª dose porque tomar
 » Covid19 - Atualização
 » Coronavac x doenças autoimunes
 » Imunização contra covid está comprometida
 » O vírus de Marburg - mais um perigoso
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante


Voltar