22/03/2016
O mundo perdido dos sonhos!

Um dia cansamos da mesmice de nossos pensamentos!
Um dia enxergamos que somos o retrato falado de sequencias históricas de repetitivas projeções de um eu-automático!


A barbúrdia que aferra a coletividade psíquica deixa de ecoar sua pequenez espiritual e, então, nos retiramos discretamente da platéia de espetáculos irreias de uma felicidade superficial.
A comovente estória de teatro viciado em comburentes de sonhos, não faz mais sentido aos nossos olhos enfadados de tamanha futilidade.


O boicote insistente as nossas idéias é vagarosamente cometido a sua morte por excelência.
E assim, vamos surgindo, saindo e emergindo de nosso casulo para um lugar chamado eu-pleno!
Nos apetecemos de desejos solipsos e, eis que a porta do interior mais profundo abre - se a nos saudar: Bem-vindo a você mesmo!


O comovente encontro já não esperado após tanta iteração com o pragmático assusta aos mais sábios comprometidos com o ¨ser¨!
Um quebrantado poço de ilusões se expande diante nossos olhos desnudos e sorrateiramente, desolados com nosso descobrimento choramos as consequências de anos de recruta das exigências traumáticas de pessoas-coletivas.


Onde perdemos nosso tesouro existencial de sermos únicos, impares e quase plenos?
Por que jogamos às traças tantos anos de vida procurando e almejando o imponderável em detrimento aos nossos pensamentos-espelho de quem realmente somos?


O que fazemos ao despertarmos deste utópico mundo ditado por regras vazias e fatigantes?
A consciência da morte prematura dos nossos sonhos golpeia a realidade de quem creiamos ser!
A sensação de imortalizar uma vida que não é a que sonhávamos dever ser combatida sem devaneios e preâmbulos.
Não é o fim!
Não é o caos!
Não é o adeus!
É laurear seu renascimento do caos! É o recomeçar já despido da fantasia do agora.
É o mergulhar no mundo perdido dos seus sonhos!
A regalia da inação acabou, a alienação pereceu.
Levante!

Daniele de Cássia Rotundo



Leia outras matérias desta seção
 » João, Pedro e Rita - parte II
 » O mês do cachorro louco
 » O peso das coisas
 » João, Pedro e Rita
 » E se tudo isso não passar
 » Diário caótico sobre o coronavírus
 » Oração de aniversário
 » Encontros & Desencontros II
 » Encontros & Desencontros e o tempo
 » O tempo e a mulher do espelho
 » A mulher do Espelho
 » Sou mas quem não é (pirada)
 » Biblioteca
 » Carta para os olhos vazarem
 » Férias no paraíso, pero no mucho.
 » A dificuldade de recomeçar
 » Texto exclusivamente feminino
 » Meu Amigo!
 » O incêndio no Museu Nacional
 » Diário de uma jovem Mãe

Voltar