27/07/2016
Fragmentos


“Apagarei meu canto,
repleto de desencanto!
Já não mais encanto,
e com tanto pranto,
nada mais me resta que o total desengano!
Sem começo e nem fim,
no meio do caminho, enfim!
Não vá por mim!
Siga sua vida de afins!
Que o adeus é o mais árduo caminho para mim!
Tolo destino : não darei o impetuoso festim!
Não por ser assim : vazia e de “plastilim”,
mas por meu amargo desgosto pela vida e seu fim”.

 

    Daniele de Cássia Rotundo



Leia outras matérias desta seção
 » João, Pedro e Rita - parte II
 » O mês do cachorro louco
 » O peso das coisas
 » João, Pedro e Rita
 » E se tudo isso não passar
 » Diário caótico sobre o coronavírus
 » Oração de aniversário
 » Encontros & Desencontros II
 » Encontros & Desencontros e o tempo
 » O tempo e a mulher do espelho
 » A mulher do Espelho
 » Sou mas quem não é (pirada)
 » Biblioteca
 » Carta para os olhos vazarem
 » Férias no paraíso, pero no mucho.
 » A dificuldade de recomeçar
 » Texto exclusivamente feminino
 » Meu Amigo!
 » O incêndio no Museu Nacional
 » Diário de uma jovem Mãe

Voltar