27/07/2016
Fragmentos II

Um dia descobrimos que nossos amores fazem parte de um mundo chamado “Imaginário”!

Neste mundo acreditamos que fazemos nosso melhor e inafortunadamente, ainda assim, somos julgados, condenados e sentenciados com dolo, como loucos e descompensados.
Sabem por que?
Porque a cada um convém uma história fragmentada de razões pitagóricas, em seus cérebros torpes para justificar os gélidos corações que tragam sua alma e carregam seu pesado corpo.
Ahhhhh! Que o Universo mostre a verdade aos ignorantes, a luz aos apagados, a sombra aos des -sombrados!
Já não importa se seu mundo é desamor e ingratidão!
Meu coração sofre por amar o que é puro desamor.
Ainda assim, não darei o veneno dos covardes para os que odeiam meu amar!
Que veneno?
Como diria um Judas em sua desafinação:
“Aos amigos tudo, aos indiferentes a lei, aos inimigos morte lenta, penosa e gradual”
À você : meu amor puro já que minha morte não será dolorosa para mim e sim para aquele que não sabe o que é amar!


    Daniele de Cássia Rotundo 



Leia outras matérias desta seção
 » João, Pedro e Rita - parte II
 » O mês do cachorro louco
 » O peso das coisas
 » João, Pedro e Rita
 » E se tudo isso não passar
 » Diário caótico sobre o coronavírus
 » Oração de aniversário
 » Encontros & Desencontros II
 » Encontros & Desencontros e o tempo
 » O tempo e a mulher do espelho
 » A mulher do Espelho
 » Sou mas quem não é (pirada)
 » Biblioteca
 » Carta para os olhos vazarem
 » Férias no paraíso, pero no mucho.
 » A dificuldade de recomeçar
 » Texto exclusivamente feminino
 » Meu Amigo!
 » O incêndio no Museu Nacional
 » Diário de uma jovem Mãe

Voltar