29/07/2016
Esquecer @? - Olvidar

E vem você com esta estória hipócrita de esquecer!

Eu sinto.
Sinto e sinto muito! Sinto porque não existe olvidar!
Não olvidarei e aqui estarei amontoada como chucrute azedo a feder.
Vêm. Vem validar o meu não esquecer e siga sua tola fábula na falsa ilusão que pode corremper minha torpe mente com estes raquíticos argumentos enfileirados, enfezados, enfermos.
Ahh! Tartufa tentativa de estudante gazetino.

Siga sem meu olvidar!
Está letra ilegível com que traça suas páginas de um olvido ilusionado, são seus arquétipos nunca olvidados!

Não conte a ningúem: sepultado está, na memória do inesquecível!
Corra.
Voe.
Estarei, serei, sentirei mas não olvidarei.
Problema meu!
Azar o seu!

Psiu! Não conte a ninguém: sepultado está, como mamute na cova da memória do inesquecível!
Corra.
Voe.
Estarei, serei, sentirei mas não esquecerei.
Problema meu!
Azar o seu!

Como chucrute azedo a feder!


  
      Daniele de Cássia Rotundo



Leia outras matérias desta seção
 » João, Pedro e Rita - parte II
 » O mês do cachorro louco
 » O peso das coisas
 » João, Pedro e Rita
 » E se tudo isso não passar
 » Diário caótico sobre o coronavírus
 » Oração de aniversário
 » Encontros & Desencontros II
 » Encontros & Desencontros e o tempo
 » O tempo e a mulher do espelho
 » A mulher do Espelho
 » Sou mas quem não é (pirada)
 » Biblioteca
 » Carta para os olhos vazarem
 » Férias no paraíso, pero no mucho.
 » A dificuldade de recomeçar
 » Texto exclusivamente feminino
 » Meu Amigo!
 » O incêndio no Museu Nacional
 » Diário de uma jovem Mãe

Voltar