01/09/2016
Impiedoso tempo

Quanto tempo da Terra alguém é capaz de aguentar-se no silêncio íntimo?

Quanto tempo em horas, minutos, segundos, milésimos de segundos alguém é capaz de suportar suas culpas cortantes no profundo de sua alma?
Quanto tempo é necessário para alcançar o perdão dos mortais, tão pecadores quanto eu que lhes escrevo?
Quanta lástima pessoal é possível segurar em nome de um passado perdido?
Há este tempo?
Quanto?
Quando?
Onde?
Talvez nunca chegue!
Talvez “jamais” seja a única palavra que o destino sussurrará!
Talvez a morte física não traga rendição, e, ainda assim o tempo não dê tempo!
E então, a carne apodrecerá vagarosamente enquanto a vida segue ao incapaz de regalar a “extrema unção”.
E o peito explodirá tentando e tentando numa tempestade de raios fulminantes neste coração aberto a carne viva, cheirando a sangue fresco, escorbuto!
E?
O que passará?
O tempo não chegará!
O tempo é irreal? Surreal?
A vida sucumbe-se vagarosamente a olhos desnudos, muito mais que nus, enquanto tolamente se espera o tempo : bendito e maditoso algoz!
E, se por fim, num milagre ele descerrar, estará em uma tumba quiptografado: “Jaz”!
Assim acabará a existência infame deste ser rastejante, agoniando piedade ao infortúnio e implorando indulto latejante ao desprecio desta duração ilimitada.
Morra de esperar!


   Daniele de Cássia Rotundo



Leia outras matérias desta seção
 » João, Pedro e Rita - parte II
 » O mês do cachorro louco
 » O peso das coisas
 » João, Pedro e Rita
 » E se tudo isso não passar
 » Diário caótico sobre o coronavírus
 » Oração de aniversário
 » Encontros & Desencontros II
 » Encontros & Desencontros e o tempo
 » O tempo e a mulher do espelho
 » A mulher do Espelho
 » Sou mas quem não é (pirada)
 » Biblioteca
 » Carta para os olhos vazarem
 » Férias no paraíso, pero no mucho.
 » A dificuldade de recomeçar
 » Texto exclusivamente feminino
 » Meu Amigo!
 » O incêndio no Museu Nacional
 » Diário de uma jovem Mãe

Voltar