» Colunas » Economia

13/02/2012
América Latina vai liderar recuperação se ritmo for mantido

Fonte: Exame

 

Segundo especialistas, a diversificação econômica e o rápido crescimento da classe média na região impulsionaram o desenvolvimento sem depender das economias externas

Dennis Grombkowski

 

O Brasil, seguido do Chile e da Colômbia, lidera o desenvolvimento econômico, que deve acelerar a partir do segundo semestre de 2012

Hong Kong - A América Latina está em um de seus melhores momentos para liderar a recuperação econômica mundial se mantiver o ritmo de crescimento dos últimos anos, previram os analistas financeiros que assistem ao 2º Fórum de Investidores da América Latina e Ásia-Pacífico nesta terça e quarta-feira em Hong Kong.

A diversificação econômica e o rápido crescimento da classe média na América Latina impulsionaram o desenvolvimento sem depender das economias externas, destacaram os analistas do fórum. Entre os participantes estão diretores de companhias investidoras latino-americanas e asiáticas em busca de novos negócios.

O Brasil, seguido do Chile e da Colômbia, lidera o desenvolvimento econômico, que deve acelerar a partir do segundo semestre de 2012, declararam os analistas.

Conforme afirmou à Agência Efe o diretor-executivo de mercados emergentes da CIBC World Markets, John Welch, a América Latina está perfeitamente posicionada para os próximos dez anos por suas políticas macroeconômicas boas e um considerável crescimento da classe média.

Estamos em uma parte do ciclo onde a demanda interna é mais importante do que a externa, o que permite ser mais independente de fluxos externos, explicou Welch.

A diversificação das indústrias permitiu a América Latina sobreviver melhor à crise econômica e tomar vantagem no arrefecimento econômico global para aumentar as exportações, explicaram os presentes à conferência no primeiro dia do fórum latino-asiático.

Para o assessor de alianças estratégicas do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Bernardo Guillamón, o crescimento vem acompanhado de desafios, que passam por uma melhoria das infraestruturas, do sistema educacional e a potencialização dos investimentos em matéria de inovação.

América Latina investe 2% de seu Produto Interno Bruto (PIB) em infraestruturas frente à média de 25% na região asiática.

Guillamón explicou a Efe que a entrada da China como parceiro comercial na América Latina permitiu diversificar o investimento até então concentrado com a Europa e os EUA, e potenciar acordos comerciais beneficentes. China é o principal parceiro comercial do Brasil, Peru e Chile.

O veloz avanço da classe média na China beneficiou ainda a indústria latino-americana, com acordos comerciais que permitiram crescimento do comércio, antes concentrado em pequenos grupos da população.

Guillamón citou o exemplo da quantidade de vinho chileno e argentino que chega ao continente asiático e a demanda de uva para implantação de vinícolas na China.

A expansão da América Latina está concentrada nas cidades com mais de 1 milhão de habitantes, de onde provêm 55% do PIB, com expectativas de alcançar até 85%. EFE


Mariana Aleixo Boani - Economista

Leia outras matérias desta seção
 » Selic a 2% o Banco Central errou feio.....
 » Debate no Instituto de economia da Unicamp
 » TCE: Iprem Caieiras, má administração,irregularidades e prejuízo
 » Tributar Livros e Jornais
 » Planos de Saúde estão proibidos de reajustar
 » Nova gasolina:perguntas e respostas
 » Reforma Tributária
 » Declaração I.Renda do MEI
 » Organizações Sociais o peso da corrupção
 » Licitação: erros primários ou propositais?
 » Coronavírus vai custar caro para Caieiras
 » Pequenas empresas: sobrevivência a pandemia
 » Guedes inventa um pássaro sem asas
 » Redução de jornada e salário e suspensão de contratos
 » Crédito para micro e pequenas empresas
 » Redução do salário e jornada de trabalho-STF
 » Coronavírus vai deixar uma herança amarga
 » Na crise use a criatividade
 » Coronavírus:respiradores, a improvisação nacional
 » Coronavírus: Dia da mentira ou dos políticos, como queiram



Voltar