» Colunas » Editorial

14/09/2011
Bulling em dois tempos

Bulling em dois tempos

Tenho pensado muito sobre um assunto atualmente frequente nos noticiários e conversas: O bulling nas escolas. O problema existe é sabido.Só que  mais graves, tem sido as tragédias consequentes do fato. Em alguns casos a vítima se suicida em outros ela se vinga e mata. Ora,sabemos que o bulling sempre existiu. Isto não é novidade. Quem não teve na escola, no trabalho e até na família, a presença do extrovertido brincalhão que gostava de fazer todo mundo rir , animando qualquer ambiente e em qualquer situação? Numa época não tão remota, este tipo de personagem, era até muito querido, desejado nos grupos e na comunidade, pois como ninguém só ele era capaz de divertir a todos, tornando qualquer reunião num descontraído e alegre momento. Bem, estamos vivendo outros tempos.Brincadeiras, gozação hoje tem nome importado e os resultados ocasionados pelos praticantes do bulling, chegaram a finais tão desastrosos que o tema virou assunto de muita discussão e principalmente de grandes preocupações. Sabe-se então que o bulling agride, tortura e coloca sua vítima num constante estado de tensão e desconforto.Ele não é encarado mais como brincadeira e Já se pensa até na criação de leis, penalidades e punições para aquele que usar esta prática dentro da sociedade. A preocupação é normal, porque não se sabe o quanto negativamente isto poderá alterar comportamentos.Se houve um tempo em que o engraçadinho da classe era bem visto pelos seus colegas, hoje já se tem certeza de que ele já não é tão bem recebido. Se houve um tempo  em que o divertido gozador da turma era visto com reconhecida simpatia, hoje sabe-se que ele não passa de alvo de grande exclusão social, pois tornou-se indesejável e perigoso.Olhando a outra face da moeda, nos deparamos com outra realidade:Os seres humanos também estão mudados e tanto crianças como adultos carregam dentro de si muito mais frustrações,distúrbios  e traumas que no passado. As doenças psicológicas e comportamentais estão ai nos dando provas disso.Nem todas as mentes humanas são capazes de aceitar uma brincadeira ou simples gozação por mais ingênua que seja.Tudo pode acabar em morte, brigas e muita violência. No passado  talvez tudo fosse levado mais na brincadeira, na esportiva e em nenhum momento ocorrências mais graves aconteciam.Hoje,num tempo de mais modernidades, de mais tecnologia, de mais informação tudo se tornou extremamente  mais complexo.As pessoas também se tornaram mais complicadas e mais sensíveis .Não defendo o bulling. Principalmente, se ele tolhe, humilha e ridiculariza sua vítima.Mas também não posso ser extremista e achar que ele é o causador exclusivo dos problemas humanos e existenciais.Por traz sempre existe algo mais sério, mais grave. Tanto o praticante como a vítima do bulling talvez sejam personalidades doentes. O praticante porque precisa chamar a atenção , precisa de amor nem que para isso tenha que ridicularizar o outro. A vítima, porque não aceita adversidades, não encara e nem administra a rejeição  de quem quer que seja.E num tempo de modismos e evolução constantes mentes carentes se indispõem  e se confrontam numa guerra psicológica que infelizmente só traz destruição. Analisando assim,o assunto é mesmo preocupante e requer meios resolutivos.Os tempos são outros, as pessoas são outras e o final da história poderá ser muito mais triste e penoso do que foi um dia no passado em que  palavra bulling nem fazia parte de nosso vocabulário cotidiano.


FATIMA CHIATI



Leia outras matérias desta seção
 » Tribunal de Contas x Prefeitura
 » Tribunal de Contas age e breca licitação
 » Homenagem a Lei Anticorrupção
 » O mundo mudou, os políticos não!
 » 9 de Julho: a vitória política
 » PROERD da Polícia Militar
 » Resposta ao meu amigo Osvaldo
 » Lixão: Vox Populi Vox Dei
 » Ampliação do lixão, vale a pena lutar contra ?
 » Colecionando improbidade administrativa
 » Como afastar um Prefeito
 » O Jornalismo
 » Caieiras um Município Carente na TV
 » ITBI não sobe e Lei tem falha
 » Carnaval ainda é cultura popular?
 » Favor não alegar ignorância
 » O Mar de cocô
 » Caieiras homenageia República de Nagorno que não existe
 » Aprendam políticos e advogados
 » O polêmico decreto sobre armas de fogo



Voltar