» Colunas » Editorial

18/10/2011
Os ídolos em nossas vidas

Os ídolos  em  nossas vidas

A morte de Steve Jobs causou uma comoção mundial.O gênio partiu, o mito do novo milênio deixou o palco da vida.Com esta nova realidade, a tecnologia e a Empresa Apple irão seguir em frente, mesmo considerando sua genialidade insubstituível. Com este acontecimento vale pensar  sobre a importância dos mitos na vida de todos nós.Em todas as épocas da humanidade ,parece que eles existiram.Somos carentes deles e os referenciamos a  todo instante.Eles nos transportam a um mundo fantasioso,mais feliz e menos cruel.Lembro-me que na década de 60 e 70 idolatrei ídolos da música como Roberto Carlos,Erasmo,Wanderleia e mais uma dezena dos  que formavam a Jovem Guarda.Outras pessoas curtiram apaixonadamente Elvis Presley, Marilyn Monroe, Rock Hudson.  Numa outra época Frank Sinatra,John Kennedy,John Lennon também provocaram paixões.Atualmente,o mais jovem mito da música pop, Justin Bieber  dotado de grande  magnetismo pessoal, com seu espetáculo, parece levar seu fã clube a um verdadeiro frenesi.Todos estes exemplos  demonstram  a importância  de  se cultuar o inatingível, os heróis e aqueles que nos descortinam  um mundo encantado.O mito realiza nossos devaneios, ou pelo menos nos afasta temporariamente do pesadelo    de  nossa triste realidade. Diferente do que foram no passado eles hoje estão adquirindo novos moldes.Estão mais autênticos, mais idênticos a nós e com qualidades e vícios que antes, forçosamente, eram ocultos.Por muito tempo escondeu-se que Rock Hudson era homossexual,que Marilyn Monroe era depressiva  e que John Kennedy tinha sérios problemas de saúde.Escondia-se tudo .A indústria da fama não permitia que  seus heróis demonstrassem problemas.Já os famosos da era contemporânea ,apresentam-se  diferentes, já são outros e mostram-se mais,  expondo sem constrangimentos  seus pontos fracos e sua vulnerabilidade diante dos problemas da vida.Não ocultam seus  segredos,muito menos promovem  mistérios.A realidade de seu dia a dia é praticamente escancarada aos fãs.Se por um lado isto é bom nos trazendo  de volta à realidade,por outro,  a ausência do enigma que antes existia,  talvez seja indício de que estamos nos distanciando mais da ilusão e dos momentos mágicos da vida. Até onde se sabe, ilusão na medida certa faz bem,alimenta sonhos,impulsiona decisões  e  nos arremessa   a novas conquistas.Sonhar acalma, tranqüiliza e os ícones desta vida  glamurosa sempre sabem  como  fazer isto.Sabem nos conduzir a outros mundos e principalmente sabem nos anestesiar, mesmo que, por curto período, das angústias e pressões diárias.Se hoje eles choram, adoecem, se divorciam, brigam e morrem,isto não importa.Importa a sensação de alegria  que produzem em nós.Se estão mais humanos, talvez isso,apenas, diminua um pouco o encanto que tanto necessitamos,mas jamais destruirá a sensação do possível realizável que tão bem faz à nossa alma. Um mito será sempre inesquecível,marcando épocas , modificando comportamentos.e exercendo influências.Deixará sempre saudades.E será, sem sombra de dúvidas, eternizado nos grandes momentos de nostalgia.
FATIMA CHIATI



Leia outras matérias desta seção
 » Terceirizar a saúde vale a pena?
 » Operação Castelo de Areia a Fênix
 » Direito ou abuso adquirido ?
 » Errar é humano mas persistir no erro é .....
 » É você Satanás ?
 » T.Contas aponta finanças deteriorando
 » Como entrar no anedotário nacional
 » A burrocracia na saúde mata crianças
 » T.Contas SP algoz? implacável? . Nada disso.
 » Tribunal de Contas o implacável
 » Autoridades: os abusos vão acabar?
 » Imbróglio medicamentoso
 » Marcio Menegatti uma história real
 » Europa genocida
 » Tribunal de Contas x Prefeitura
 » Tribunal de Contas age e breca licitação
 » Homenagem a Lei Anticorrupção
 » O mundo mudou, os políticos não!
 » 9 de Julho: a vitória política
 » PROERD da Polícia Militar



Voltar