» Colunas » Editorial

27/09/2016
O patrimônio dos candidatos pode ser uma miragem

Um dos ítens mais avaliados na escolha dos candidatos é a evolução patrimonial. No site do TSE a relação de bens pode ser vista.

No entanto, é preciso cuidado com os números apresentados, nem sempre representam a realidade. Os números são sempre relativos.


Um determinado candidato declara por exemplo, uma casa em  bairro nobre  pelo valor de aquisição que pode ser de vinte anos atrás ou mais,  embora legal é óbvio que foge da realidade. Outro ponto são os apontamentos em porcentagem, o candidado A teve um aumento patrimonial de 400% enquanto o B teve 10%. Ocorre que 400% de uma pequena importância não representa muita coisa, enquanto que 10% de uma grande importância significa alto valor.
Explicando em números: Candidato A .......  400%  de R$ 1000,00 = a R$ 4000,00- Candidato B.....10% de R$ 1000.000,00 = R$ 100000,00.

O candidato C declara ter  quotas de capital de uma empresa no valor de R$ 1 mil - mas quanto vale a emprêsa ? - quanto fatura por ano a emprêsa?. As quotas declaradas são de uma  micro empresa ou de uma grande empresa?.
Em resumo, quando analisar as informações disponíveis sobre o patrimônio do candidato, tenha muito cuidado para não comprar gato por lebre. 


edson navarro

Leia outras matérias desta seção
 » A consciência dos políticos brasileiros em reais
 » O presente das trevas do Dória
 » TCE: Mais um prêmio para o ex-prefeito Hamamoto
 » TCE: Chumbo grosso no prefeito de caieiras
 » Liberdade de Imprensa-Daniel Nakao Maibashi
 » Me engana que eu gosto
 » Caieiras e o novo marco do saneamento básico
 » Quem brinca com fogo acaba se queimando
 » Coronavirus: o after day das contas
 » A atual guerra Paulista
 » A vez do Witzel
 » O vídeo Bolsonaro x Moro
 » Caieiras deve receber R$ 11 milhões de ajuda federal
 » Feriado da consciência pandêmica - Folclore Nacional
 » Coronavírus-Osmar Terra: "não é bem assim"
 » Coronavírus: e agora manézada?.
 » Prefeito pretende gastar R$ 3,9 milhões em festas
 » Estado de Calamidade impõe normas na esfera jurídica
 » Prefeitura gasta R$ 10 milhões em festas
 » Concessão de transporte público



Voltar