» Colunas » Editorial

27/09/2017
Nova séde da Câmara, é hora para isso?

Com a publicação da licitação para execução do projeto, tem inicio o processo para contrução do novo edifício para abrigar os vereadores. O burburinho dos caieirenses começou junto, a pergunta parece ter sido combinada, “agora é hora para gastar milhões ?” .

Segundo as constantes declarações do prefeito a prefeitura está sem dinheiro e mal consegue cumprir seus compromissos, dentro desse contexto a decisão dos vereadores é um abuso descarado com os munícipes.

Segundo disse um ex-vereador que pretende retornar em 2020, tiros no pé como esse aumentam as chances dos que estão fora voltarem, porque o eleitor marca esses desatinos e a renovação é maior.

Outro ex-vereador concordou com o colega e vê com satisfação essas “mancadas” dos atuais edis, “isso é pior que comprar carros” disse. E continuou:” o contribuinte gasta mais de R$ 1 milhão por mês para manter a Câmara e todo mundo sabe das mordomias que tem por lá, querem mais para que? .” perguntado se é por isso que quer voltar, desconversou dizendo que sempre trabalhou muito pelo povo e não entende o porque de não ter sido reeleito. Vai ver porque foi um dos que aprovaram a Lei que criou o lixão.

 


Edson Navarro

Leia outras matérias desta seção
 » Caieiras: Se sair mais do que entra "nóis quebra"
 » A consciência dos políticos brasileiros em reais
 » O presente das trevas do Dória
 » TCE: Mais um prêmio para o ex-prefeito Hamamoto
 » TCE: Chumbo grosso no prefeito de caieiras
 » Liberdade de Imprensa-Daniel Nakao Maibashi
 » Me engana que eu gosto
 » Caieiras e o novo marco do saneamento básico
 » Quem brinca com fogo acaba se queimando
 » Coronavirus: o after day das contas
 » A atual guerra Paulista
 » A vez do Witzel
 » O vídeo Bolsonaro x Moro
 » Caieiras deve receber R$ 11 milhões de ajuda federal
 » Feriado da consciência pandêmica - Folclore Nacional
 » Coronavírus-Osmar Terra: "não é bem assim"
 » Coronavírus: e agora manézada?.
 » Prefeito pretende gastar R$ 3,9 milhões em festas
 » Estado de Calamidade impõe normas na esfera jurídica
 » Prefeitura gasta R$ 10 milhões em festas



Voltar