» Colunas » Editorial

Falta peixe grande nesses decretos

Os Decretos 5012/04 e 5018/04 do Prefeito Névio aplicaram pena de suspensão temporária a duas empresas que não cumpriram seus contratos de fornecimento em licitações com a Prefeitura Municipal.Nada a criticar, é medida moralizadora aplicada pelo Prefeito.Entretanto e diante dessas punições fica uma pergunta no ar, porque um grupo de empresas sabidamente fraudadoras de licitações públicas processadas em várias cidades,denunciadas à promoria pública inclusive aqui na Comarca, não sofreram a mesma punição? (ou sofreram e não tomamos conhecimento) - essas empresas são antigas fornecedoras da Municipalidade e pertencem a um mesmo grupo, só trocam de nome.O interessante é que elas tem atravessado diversas administrações, começaram com o ex-prefeito Fiore e chegaram até o segundo mandato do pref.Névio sem possivelmente jamais terem sido questionadas pela administração, como fornecem basicamente para a merenda escolar e recursos federais estão envolvidos, o Pref.Névio deve no mínimo uma explicação à população de Caieiras.Quanto à fiscalizaçao que os Vereadores tem incumbencia constitucional de realizar, fica como sempre para uma próxima ocasião.Quem sabe algum Procurador Federal se interesse e juntamente com seus colegas estaduais resolvam esclarecer de vez por todas essa situação.

Jornal A Semana

Leia outras matérias desta seção
 » Caieiras: Se sair mais do que entra "nóis quebra"
 » A consciência dos políticos brasileiros em reais
 » O presente das trevas do Dória
 » TCE: Mais um prêmio para o ex-prefeito Hamamoto
 » TCE: Chumbo grosso no prefeito de caieiras
 » Liberdade de Imprensa-Daniel Nakao Maibashi
 » Me engana que eu gosto
 » Caieiras e o novo marco do saneamento básico
 » Quem brinca com fogo acaba se queimando
 » Coronavirus: o after day das contas
 » A atual guerra Paulista
 » A vez do Witzel
 » O vídeo Bolsonaro x Moro
 » Caieiras deve receber R$ 11 milhões de ajuda federal
 » Feriado da consciência pandêmica - Folclore Nacional
 » Coronavírus-Osmar Terra: "não é bem assim"
 » Coronavírus: e agora manézada?.
 » Prefeito pretende gastar R$ 3,9 milhões em festas
 » Estado de Calamidade impõe normas na esfera jurídica
 » Prefeitura gasta R$ 10 milhões em festas



Voltar