» Colunas » Editorial

08/08/2005
E pur si muove...

E como vai a nossa política? – vai como sempre, na mesma. Na Câmara a antiga tática do vereador Valbuza novamente implantada, o grupo dos seis, mas qual a finalidade? – levar Valbuza à Prefeitura talvez? – ou preparar um grupo oposicionista ao Prefeito para os dois últimos anos a fim de garantir reeleições?.Névio Dartora continua dominando de maneira tranqüila a política, praticamente sem nenhuma oposição, nem construtiva.Os vereadores não mostraram até agora a que vieram, limitam-se a dizer sim ou sim ao Prefeito, grandes debates ficaram no passado, Nelson Manzanares, Dercio Pasim, Júpiter Bueno, Carlos Gomes e outros que faziam da Câmara o centro nervoso da política municipal apenas são lembranças com fotos nas paredes do prédio.Entretanto, custam caro ao munícipe caieirense e não se dão conta disso, felizmente para eles os eleitores tampouco.A publicidade que os Edis dão ao “trabalho” que realizam chega a ser patética, senão cômica. Algum tempo atrás um projeto de lei do prefeito revogando incentivos à preservação de mata natural não mereceu nenhum comentário, ou como disse um funcionário da secretaria do meio ambiente “provavelmente algum loteador tem interêsse nisso”.

Jornal A Semana

Leia outras matérias desta seção
 » Caieiras: Se sair mais do que entra "nóis quebra"
 » A consciência dos políticos brasileiros em reais
 » O presente das trevas do Dória
 » TCE: Mais um prêmio para o ex-prefeito Hamamoto
 » TCE: Chumbo grosso no prefeito de caieiras
 » Liberdade de Imprensa-Daniel Nakao Maibashi
 » Me engana que eu gosto
 » Caieiras e o novo marco do saneamento básico
 » Quem brinca com fogo acaba se queimando
 » Coronavirus: o after day das contas
 » A atual guerra Paulista
 » A vez do Witzel
 » O vídeo Bolsonaro x Moro
 » Caieiras deve receber R$ 11 milhões de ajuda federal
 » Feriado da consciência pandêmica - Folclore Nacional
 » Coronavírus-Osmar Terra: "não é bem assim"
 » Coronavírus: e agora manézada?.
 » Prefeito pretende gastar R$ 3,9 milhões em festas
 » Estado de Calamidade impõe normas na esfera jurídica
 » Prefeitura gasta R$ 10 milhões em festas



Voltar