» Colunas » Editorial

02/03/2021
De filantrópica para Estatal será que muda?

Pronto Socorro tem R$ 11 milhões para funcionar

No site da Prefeitura de Caieiras apareceu a nota de empenho no valor de R$ 11.355.350,46 emitida em favor da Fundação Estatal Juqueri, contratada emergencialmente para fazer o PS funcionar. Como o contrato de prestação de serviço não está publicado, não é possível saber qual o prazo e demais detalhes.

Depois da experiência ruim e decepcionante com a operadora anterior a Aceni, insistir na terceirização agora com uma estatal é ver para crer. Depois da invenção dessas organizações de "ajuda" à saúde pública, com raros sucessos nada melhorou, só piorou e o dinheiro do contribuinte continuou sendo mal gasto e consumido em propinas, superfaturamento,etc.

O contribuinte deve ficar atento e exigir prestação de contas dos atos e atividades da Fundação, depois que o leite derramar não adianta, o dinheiro dos impostos já foi e não volta mais.

Infelizmente pela falta de transparência endêmica nas administrações caieirenses não é possível analisar se os R$ 11 milhões é muito ou pouco.


Edson Navarro - Economista

Leia outras matérias desta seção
 » Caieiras:Multas de trânsito,para onde está indo o dinheiro
 » De filantrópica para Estatal será que muda?
 » Mais de 20 anos depois o Gaema descobre o maior lixão do Brasil
 » TCE adverte Lagoinha, começou cedo!
 » Saúde desnorteada, perigosa e desrespeitosa
 » Lixão: Povo pretende protestar
 » A Lei que choveu no molhado
 » Lei bola de cristal...os políticos videntes
 » Caieiras: A vacina é escassa
 » O prefeito de Caieiras e seu secretariado "alienígena"
 » Previsões para 2021 de Nostradamus
 » Ecos de um governo desastrado
 » Os presentes indesejáveis do TCE
 » Identificadas as forças ocultas que derrotaram Gersinho
 » Limpe tudo e entre na Casa limpa, Lagoinha.
 » O lixo que nunca acaba
 » A velha política: dividir para ganhar
 » Liberdade de Imprensa: se acabar as outras não sobreviverão!
 » Caieiras:TCE aponta 33% de sobre preço em cestas básicas
 » Caieiras: Se sair mais do que entra "nóis quebra"



Voltar