» Colunas » Saúde

14/07/2009
Adiponectina reduz risco de diabetes?





Prevenção
8/7/2009 - UOL

Um estudo da Universidade de Harvard, nos EUA, indica que altos níveis sanguíneos de uma proteína chamada adiponectina, que é produzida por células de gordura, pode reduzir os riscos de diabetes tipo 2. A revisão de 13 estudos, incluindo 15 mil voluntários, mostrou que pessoas com mais altos níveis da proteína – que tem propriedades anti-inflamatórias e aumenta a sensibilidade à insulina – tem menos risco de desenvolver a doença.

Os pesquisadores lembram que uma sensibilidade à insulina reduzida está relacionada ao desenvolvimento do diabetes tipo 2. E os resultados das análises, indicando que uma proteína produzida por células de gordura aumentam essa sensibilidade, ajudam a mostrar que a obesidade sozinha não explica completamente o risco de diabetes.

De acordo com especialistas, os níveis de adiponectina podem ser aumentados com medicação ou intervenções no estilo de vida. E, como “a adiponectina está entre os mais fortes e mais consistentes preditores bioquímicos de diabetes tipo 2”, essa pode ser uma abordagem promissora para prevenção da doença

Portal diabetes

Leia outras matérias desta seção
 » Melatonina uma muralha contra o covid19 no pulmão
 » Coronavírus: A nova variante mais contagiante
 » Coronavírus: Cientistas da USP fazem um panorama da situação
 » Alimentos que reduzem o colesterol e o triglicérides
 » Droga experimental pode reverter problemas na memória
 » Teste do covid19 pela saliva
 » Coronavírus: inflamassomas
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai
 » Colchicina age contra o coronavírus
 » Tuberculose novos fármacos para o futuro


Voltar