19/11/2016
A fotógrafa

Nesse caso, quando a conheci, fui contemplada com a presença assídua de uma pessoa fina, inteligente, generosa e sempre pronta a ajudar, esclarecer e servir.
Advogada especializada em uma área onde o povo brasileiro é muito enganado...
Espiritualista atuante na caridade, no autoconhecimento ...

Jovem, linda, moderna! Fez de seu corpo um painel de arte, com tatuagens maravilhosas, arte essa que partilhava com seu companheiro, amor, amigo cúmplice de uma vida a dois ... seu marido.
E ainda como hobby, ela fotografa e virou com certeza uma expert nessa área, já com exposição de seu trabalho.

Nossa convivência sempre foi de troca, eu cuidando da pele, do corpo, do design de sua sobrancelha, e ela sempre contando de suas experiências, de suas viagens pelo mundo, que fazia com seu amado. Não eram ricos, mas trabalhavam duro, e como ainda não tinham filhos, curtiam a vida, conhecendo muitos lugares, onde ela com seu talento, nos contemplava com fotos fantásticas ....
Fui fã incondicional desse casal... Lindo o amor deles... Um completava o outro, como o côncavo e o convexo.

Nossa amizade perdurou mesmo depois de me aposentar e mudar de estado.
Fazia questão sempre de saber dela, e os esperava para uma visita tão prontamente prometida, já que eles gostavam muito de viajar. Seria para esse ano ainda! Eu acreditava.
Mas, eis que um dia, acompanhando meus amigos no facebook, deparo com uma noticia que me tirou o chão... Alguém da família avisando os amigos que ELE, O MARIDO DELA, havia sofrido um acidente com sua moto... (eles ficavam tão lindos naquela moto)... Estava morto.
Um acidente brutal, covarde, onde o culpado fugiu! Parece um fato do dia a dia, talvez até seja. Mas não para nós... Não para ela... Como? Tão jovem!
Na mesma hora, imaginei minha amiguinha. Queria estar lá para abraça-la, embora saiba que, tão querida e amada, não lhe faltariam abraços.
Como senti essa perda! E como ela me ensinou. Eu sabia dos sonhos deles. Eu vibrava com ela.
Fiquei meses esperando a oportunidade de vê-la.

Foi para longe e eu só via as fotos de um rosto apagado, lindo, mas sem luz.
Quando finalmente ela voltou para sua vida normal, e não foi um tempo longo demais que ficou afastada, eu fui até ela.
Queria dar o meu afeto, e se pudesse, dividir sua dor.
Mas, foi ela que me surpreendeu. Aquela moça agora tinha os olhos tristes, mas tinha a força daqueles que tem fé. Disse-me que tinha saudade, mas que sabia que ele estava sempre ao lado dela. Ajudando, orientando e dando, ainda que de outra dimensão, todo o seu amor à ela.
O tempo está passando. Eu a acompanho sempre, e percebo que além de advogada muito conceituada, fotógrafa, ela esta se transformando numa poeta, tão lindos que são,  os textos que ela escreve agora para ele.

É verdade, um amor verdadeiro se sobrepõe à morte!!!
Essa menina é meu exemplo de vida nesse quesito!
Segue com a vida, cuida dos sonhos dos dois, e tem certeza do reencontro.
Essa não é para ser uma historia triste, muito menos banal.
Essa é uma historia de um verdadeiro amor.
Vv & M.

Selma esteticista

 


 



Leia outras matérias desta seção
 » Meus queridos, meus velhos, meus amigos!
 » Cala a boca Magda
 » Fui me despedir
 » O fim de uma história
 » Quando o universo não conspirar desista!
 » Namorado azarado!
 » Descompasso
 » Aparências
 » A Viagem (com a sogra) - Última parte
 » Nossa praia e o novo normal
 » A Viagem (com a sogra) - Terceira parte
 » A Viagem (com a sogra) - Segunda parte
 » A Viagem (com a sogra) Primeira parte
 » Bravas Mulheres ou Mulheres bravias?
 » Sonho e realidade
 » Os Invisíveis
 » Bordado nas estrelas...
 » Vazio...
 » Uma história sem fim...
 » A pior monstruosidade de um ser humano

Voltar