29/03/2021
Faleceu José Olimpio (Zinho)

Neste domingo dia 28/03/2021 faleceu o José Olimpio, mais conhecido como “Zinho”. Ele iria completar 80 anos de idade no dia 26 de abril.

Esta crônica antiga abaixo, relendo-a será uma homenagem póstuma a ele e a sua esposa Maria Helena (Tutu) que morreu poucos dias antes

dele, em 22/03/2021 aos 71 anos de idade.

 

Zinho (José Olímpio)
 

O pensamento agora está num passado parecido ter sido uma lenda quando relatado a outros desta época. Os meninos até por volta dos quatorze anos de idade eram habituados ao andar descalços por todas as redondezas de onde moravam, inclusive na escola. Tinham tudo a seu favor. Liberdade de ir e vir, amigos da mesma e de outras vilas e todos os folguedos infantis da época. Na Vila Pereira morava o Ernesto Olimpio, a esposa Amabile, o filho Zinho e a filha Licinha.

Ernesto era diferente dos três irmãos do mesmo bairro que eram motoqueiros e por isso eram mais “atirados” no ausentar-se de suas esposas para seus passeios ocultos. Mais fiel Ernesto e a esposa eram grudadamente apaixonados. Onde um estava, estava também o outro. Aquele “amor para sempre” esteve a suportar as malvadezas diárias do Zinho. Ele era danado.

Também, tudo lhe era engraçado e vivia rindo estando de bem com a vida. Nunca se soube se alguma vez ele envolveu-se em altercações. Como gostava de crianças. Não podia ver qualquer mãe carregando uma e lá ia ele beijar sem parar o bebê. O tempo passou e o Zinho se engraçou com uma moça da conhecida Rua dos Coqueiros, a Tutu (Maria Helena) filha única do casal Roque e Maria Rita. O Zinho e a Tutu seguindo o exemplo dos sogros dele, também optaram por uma única filha e ela se chama Milena.

Por muitos anos o Zinho foi barbeiro em Caieiras e dos bons, até quando mudou de profissão para ser desenhista a trabalhar na Cidade de São Paulo. Foi fumante durante muitos anos e muito mais anos teve o hábito diário de freqüentar padarias para tomar pinga com limão. Primeiro deixou de fumar e depois deixou da pinga com limão (como deve ter sofrido por isso). Isso é lamentável, pois, essa desistência afasta os verdadeiros amigos (risos).

O Zinho nunca foi de se queixar da vida, mas, uma vez surpreendeu-me ao dizer que a Tutu mais conversava com o pai dela do que com ele. Não devia se sentir só porque sempre tiveram gatos espalhados pela casa. Querido pelos parentes ele só não se dá bem com o primo Estanguelão, (Edson Navarro). Bom, o Zinho não “toca” no assunto, mas, parece que o Estanguelão ficou responsável para ir buscar os doces e sanduíches para o casamento dele e o Estanguelão só entregou uma parte.

O Zinho sempre era visto em quase todos os lugares e era mesmo detentor de muitas amizades. Era de visitar os parentes e, assíduo frequentador do velório. De uns tempos para cá ele deu uma sumida. Não sei se ainda vive e a última notícia sobre ele foi o ficar sabendo que ele, samaritano como era, havia se tornado enfermeiro ou dama de companhia para uma senhora bem idosa. Ele que a levava pra cama, ele a banhava, lhe vestia e a alimentava. A Tutu mais cuidava dos gatos para poupá-lo dessa tarefa estafante e a filha Milena se tornou motorista para eles. Aqui é preciso terminar este breve relato sobre o Zinho mesmo sem muitas das histórias vividas por ele porque o dono deste jornal é um “pé no saco”. Reclama muito quando os textos estão a absorver muito espaço.

Altino Olimpio

Comentários:

Nota sobre a matéria acima: Caro primo Altino, você esqueceu-se de contar que o Zinho no começo da profissão de barbeiro, treinava na casa dele com a família, a Tia Carmem colocava uma "lata" de armazenar alimento em cima da cadeira e o Zinho treinava, minha Avó Lucinda não gostava muito do corte (invariavelmente "americano" ou "escovinha") mas como era de graça até que tolerava. Outro fato que eu me lembro era a grande amizade de vocês dois que imagino deve perdurar até hoje. Quando meu Avô Vitorio se mudou para a rua dos Coqueiros eu continuei cortando cabelo com o Zinho, minha mãe mandava o dinheiro mas ele não aceitava, dizia que dava azar cobrar de parente, acho que por isso ele não ficou milionário. Quanto aos doces da festa de casamento é só mais uma lorota sua contada na 96,5 fm. No mais concordo com tudo, é um primo querido e sempre lembrado.

O Estanguelão. Aliás eu sempre chamo o Zinho de Estanguelão porque ele é maior que eu.

Veja foto da Barbearia na Cia Melhoramentos - década de 1960 - Zinho e Bozo (Osmar) trabalhando)

link: http://www.caieiraspress.com.br/fotos/index.php?id=2

Página 12

 



Leia outras matérias desta seção
 » O nascer sem saber e sem querer
 » Evolução indigna e maligna
 » Outros tempos já foram melhores
 » Disenteria provoca reflexões
 » Nós e o cérebro
 » Libertinagem de expressão
 » Mundo louco
 » Nem percebi o tempo passar
 » Humanidade atropelada pelas mudanças
 » Amor ao próximo tão distante
 » Só os velhos vivem sem ilusões
 » Brasil muito atrasado
 » O livre-arbítrio desapareceu
 » É verdade que são mentiras
 » O Continente fantasia
 » Nós sempre somos consequências
 » Quando estamos sendo nós mesmos?
 » Todos saem do povo mas depois...
 » Ninguém se livra do passado
 » Faleceu José Olimpio (Zinho)

Voltar