03/04/2021
Ninguém se livra do passado

A gente sempre se depara com alguém que diz que não se deve viver do passado. Isto vale para as pessoas que até sentem falta dele e o compara como tendo sido melhor do que estes tempos atuais. Outros dizem que o passado já passou e não devemos nos preocupar com ele. Sabe-se que existem pessoas apegadas ao passado, pois, sempre o estão “revivendo”. Parece que muitas mais gostam de se lembrarem do que lhes tenha sido triste. Até aborrecem outras pessoas que não têm as mesmas inclinações para recordações amargas.

Entretanto, o passado sempre nos está presente. Ele está em nós porque foi ele quem nos formou no que agora somos. Além do mais, ele se formou pelos estados presentes sucessivos que tivemos em nossas vidas pregressas. Os quaisquer uns dos filósofos do cotidiano estão sempre dando seus conselhos para que se esqueça o passado que ele não volta mais. Melhor é se focalizar no presente que existe. Sim, mas existe até quando? Se o passado foi constituído pelos “presentes” subsequentes já existidos, este presente atual logo vai embora também e será passado igual aos outros “presentes fugazes já existidos já vividos por nós”. Parece que as nossas vidas são apenas para o “construir” passados e tê-los em nossas cabeças como sendo as referências de como temos sido formados, intelectualmente.

Contudo, é importante nós mais nos concentrarmos nos presentes que nos estão existindo porque são deles que estamos conscientes e são neles que estamos existindo. Nos presentes é que sempre estão as nossas vidas e não no passado. Até aqui este texto não trouxe nenhuma novidade. No entanto, para quem gosta de reflexão este texto estimula o aceitar de como o passado foi significante para o como nós somos hoje. Entretanto, o passado com todas as experiências vividas ou adquiridas, no mais das vezes, muitas delas devem mesmo ficar no passado, pois, nos presentes consecutivos pelos quais a vida passa e como tudo na vida muda ou se modifica com o passar do tempo, muitas das experiências de outrora já não servem para mais nada. E o nosso futuro sem nunca se saber como ele será se sabe que ele terá o fim quando o nosso fim chegar.

 

Altino Olimpio

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Humanidade atropelada pelas mudanças
 » Amor ao próximo tão distante
 » Só os velhos vivem sem ilusões
 » Brasil muito atrasado
 » O livre-arbítrio desapareceu
 » É verdade que são mentiras
 » O Continente fantasia
 » Nós sempre somos consequências
 » Quando estamos sendo nós mesmos?
 » Todos saem do povo mas depois...
 » Ninguém se livra do passado
 » Faleceu José Olimpio (Zinho)
 » Esquecemos de ser felizes
 » Ainda ouvimos os sinos dentro de nós
 » Regressão ao paraíso perdido
 » A vida é enfadonha
 » Humanidade muito evoluída
 » Todos dormem acordados
 » O homem sem saída de suas limitações
 » O Google te conta tudo

Voltar