24/08/2021
Mundo louco

Neste mundo em que vivemos (não nos existe outro melhor para nos mudarmos daqui) ele é bem adaptável para a vida humana. Este mundo é repleto de belezas naturais e também possui belezas produzidas pelos homens, e como exemplo, as cidades bonitas que foram construídas. Tudo deveria estar contribuindo para a felicidade da humanidade. Tal contribuição nunca tem sido aplicável por culpa do homem, essa criatura, no mais das vezes insensata, egoísta e ingrata para o seu existir. Por todo o mundo os homens sempre têm se guerreado. Com suas ânsias de poder se sobrepondo a outros dum mesmo povo, isso tem interferido e mesmo impedido que reinasse a tranquilidade entre as pessoas donde elas vivem.

Se não bastasse os que têm distúrbios mentais de poder e que, com suas aberrações ideológicas interferem com a calma e tranquilidade do povo, o povo ainda tem que aturar diuturnamente uma guerra mental de informações descontroladas que abarrotam a consciência de qualquer um. Nesse massacre de informações proveniente dos meios de comunicação e agora também pela internet quase não sobra tempo para “separar o joio do trigo”.

Se também já não bastasse isso, diuturnamente através dos contatos através dos telefones celulares, pelas redes sociais da internet muita gente dispensa ou dispersa seus tempos com trivialidades, com banalidades, com futilidades, com inutilidades e com insignificâncias. É só mesmo na maturidade que alguns consideram insignificante o que a maioria ainda considera significante.

Por que será que a maioria das pessoas tanto gostam de falar, de se comunicar e de serem ouvidas, de se agradarem e etc.? Existe tanta carência assim de serem notadas? Como muitas gostam de enviar figurinhas ou fotos com frases “maravilhosas” que tanto emocionam e dá vontade de chorar (risos). “Bem sustentava Pitágoras que o primeiro rudimento da sabedoria era aprender a meditar e desaprender a falar”.

Antigamente sem tanta tecnologia as pessoas dispunham de poucas notícias e informações. Não eram tão abarrotadas de influências e de sugestões como são hoje. Antigamente as pessoas não eram, como hoje, tão “arrebanhadas” para se entregarem ao circo que os meios de informação e os meios políticos produzem para distraí-las de suas realidades e de tudo que as possam prejudicar politicamente.

Ultimamente neste país, parece que muitos absurdos “tomaram conta” das práticas políticas e judiciais que vão contra os anseios do povo. E ele agora bem sabe que os contraventores deste país parece que até gozam de mais privilégios do que o restante dos habitantes que são honestos e honrados. Como tivemos muitos contraventores que foram perdoados e libertados das cadeias, agora até o intestino preso está querendo um habeas corpus para ficar solto (risos).

Como escrito no início, neste mundo que é belo tudo deveria se constituir para a felicidade da humanidade. Mas, devido a uma parcela dela ser constituída pelos doidos que querem substituir um regime governamental vigente para impor os deles que é escravizante, isso se for conseguido só trará medo e agonia para o povo que não é habituado a viver sem liberdade. Enfim estamos vivendo numa era muito conturbada que até dizem que ninguém mais se entende e tem outros que dizem que já estamos no fim do mundo e também que, pelas doidices e pelas tragédias de hoje já estamos vivendo sob o apocalipse. Mas, como se sabe muitos gostam de falar sobre o que não sabem.

Altino Olimpio



Leia outras matérias desta seção
 » A tua estrada
 » O nascer sem saber e sem querer
 » Evolução indigna e maligna
 » Outros tempos já foram melhores
 » Disenteria provoca reflexões
 » Nós e o cérebro
 » Libertinagem de expressão
 » Mundo louco
 » Nem percebi o tempo passar
 » Humanidade atropelada pelas mudanças
 » Amor ao próximo tão distante
 » Só os velhos vivem sem ilusões
 » Brasil muito atrasado
 » O livre-arbítrio desapareceu
 » É verdade que são mentiras
 » O Continente fantasia
 » Nós sempre somos consequências
 » Quando estamos sendo nós mesmos?
 » Todos saem do povo mas depois...
 » Ninguém se livra do passado

Voltar