27/10/2021
A tua estrada

Este texto não é pertinente para quem ainda é jovem e ainda está preso às ilusões e às superstições que existem espalhadas por todo este mundo. Entretanto este texto pode ser lido por quem quiser, seja jovem ou idoso, porque ele é sobre possibilidades que podem mesmo se tornarem realidades. Então leitor, você está num lugar de uma estrada. Sentou-se no seu acostamento e está absorto observando o movimento do transito dela.

Te surgem pensamentos de como você se sente só na vida. Alguns rostos de pessoas de seu relacionamento afetivo já desfilaram pelas suas lembranças e lhe parece que elas lhes estão tão distantes. A melancolia te invade. Parece que ninguém se importa com você.

No barulho dos veículos que passam por você parece que todos estão na alegria do viver e você não. Quando se é jovem não se tem pensamentos como esses. Na juventude a busca por sensações faz com que se tenha vontade de sempre estar em evidência, o que agora deixou de ser o teu caso. As distrações, as sensações já não te atraem. Envolvimento com outras pessoas também não.

Parece que você está numa encruzilhada da vida, não é mesmo? Teu mundo está cada vez mais restrito. Parece mesmo que ninguém se importa se você existe ou não e você também tem esse mesmo sentimento pelos outros. Isso não se deve confidenciar, pois, os outros iriam te considerar como sendo um antissocial e desiludido.

Você está numa fase da vida em que quase tudo te aborrece, inclusive pessoas. É, a ausência das necessidades particulares ou sociais e a perda das ilusões parece que provocam uma espécie de vazio impreenchível. A vida é mantida em movimento pelas necessidades e, queiramos ou não, pelas ilusões. Não havendo mais a necessidade delas, isso pode provocar em alguns (naqueles mais reflexivos) que a existência pode ter-lhes sido de futilidades. Você “olha” para o passado e nele se vê como era tão diferente, pois, tua vida era tão cheia de vida.

Nessa fase atual de sua vida a tua vontade de se isolar não é mau. Dá-te mais oportunidade de sentir a vida como ela lhe é sem a intervenção de outros. Você já não mais quer dividir os seus pensamentos com eles e os deles não te interessam mais (risos). Tudo neles e deles é um “Déjà vu” (já visto) e já deixou de interessar.

Parece que essa incompatibilidade entre as pessoas desta época e entre jovens e velhos cada vez mais esteve se alastrando. Então, aquela antiga noção de felicidade que era difundida, a de ter muitos amigos ou muitas amizades já não é mais aprazível. Agora vale o “é melhor estar só do que mal acompanhado” (risos).

Altino Olimpio


 


 


 


 


 


 



Leia outras matérias desta seção
 » Deus falando com você
 » Toque de Silêncio
 » Cabeça cheia
 » A tua estrada
 » O nascer sem saber e sem querer
 » Evolução indigna e maligna
 » Outros tempos já foram melhores
 » Disenteria provoca reflexões
 » Nós e o cérebro
 » Libertinagem de expressão
 » Mundo louco
 » Nem percebi o tempo passar
 » Humanidade atropelada pelas mudanças
 » Amor ao próximo tão distante
 » Só os velhos vivem sem ilusões
 » Brasil muito atrasado
 » O livre-arbítrio desapareceu
 » É verdade que são mentiras
 » O Continente fantasia
 » Nós sempre somos consequências

Voltar