04/07/2022
Somos muito distraídos?

Desde quando em bebê abri meus olhos pela primeira vez e nada distingui do que vi, desde quando pela primeira vez ouvi ruídos e não distingui o que ouvi, eu ainda não era presente, eu apenas era recente. Sem saber o que era a vida eu não sabia que era o início dela em mim até quando a autoconsciência em mim se instalou. De bebê fui sendo criança, depois jovem até me tornar adulto. Quando adulto muitas vezes fui criança porque tantas vezes distraído eu não estive em mim mesmo e todas as vezes que não estive em mim mesmo ou comigo mesmo, estive na distração que os estímulos do mundo exterior e a presença de outras pessoas nos provocam.

Muitas vezes na vida mais vivemos momentos distraídos do que os momentos em que somos conscientes de nós mesmos. Muitas vezes ficamos absortos com pensamento insignificantes que nós nos esquecemos de nós mesmos. Mas, ás vezes o proposital distrair-se de si mesmo pode funcionar como uma fuga das lembranças dos problemas do cotidiano.

Parece que o desconhecer é tudo o que a vida nos apresenta. O conhecer sempre se apresenta depois do acontecer. Todo anoitecer termina com o conhecer do que nos dias aconteceu. Todos os amanhãs sempre são ainda do desconhecer do que não aconteceu. Isso é obvio e tudo o que é obvio diariamente ouvimos de outros. Talvez seja por isso que muitas vezes podemos sentir que nos enjoamos de muitas pessoas.

Quando ficamos a ouvir obviedades parece que momentos particulares e íntimos de nossas vidas nos estão sendo roubados. Quem atingiu maior serenidade, seriedade ou maturidade do viver e mais ouve do que fala é muito torturado ao ouvir alguém que muito fala e fala e pouco ouve.

Do nascer até ao morrer é inimaginável que muito do que falamos e ouvimos não nos serviu para nada. Mesmo assim muitos muito ainda têm muito o que falar sem nada dizer (risos). Quando se aprende (demora) só a falar o que é necessário, interessante ou importante, a humanidade mais poderá usufruir do silêncio mental que tanto lhe falta para as suas reflexões sobre como agir ou reagir diante dos desafios que ocorrem no nosso viver. Sendo assim até os momentos distraídos diminuem.

Altino Olimpio



Leia outras matérias desta seção
 » Oitenta anos
 » Alienação mental agradável
 » Quem procura encontra
 » Círculo desfeito
 » Somos muito distraídos?
 » O finito no infinito
 » Vida eterna
 » O Alcebides da Ilha das Cobras
 » Ingenuidade generalizada nacionalmente
 » Vivemos incomodados pelos anormais
 » Perdidos no espaço
 » Quando o futuro nos aparece?
 » Pensamentos perturbadores
 » Coisas da vida
 » Saudades da solidão
 » Afinal quem somos de verdade ?
 » Quem são mesmo os racionais e os irracionais?
 » Os Mitos e a Eternidade
 » Tudo Passa e tudo passará
 » A “Maria vai com as outras” se generalizou

Voltar