07/12/2023
Dois textos

Jovens e velhos todos passam

Os jovens não são crianças e nem adultos
Eles são a inconsciência do que irão ser
Não mais pensam como crianças
Eles ainda são escassos de reflexões
Facilmente são arrastados pelas ilusões
Jovem pode ser a intolerância com os velhos
Nesta época quando a falta de educação
Tomou conta dos rumos da sociedade
Já faz tempo que ela se tornou saudade
Jovem lembra o namorar e o amar
E o amor ataca jovens desprevenidos
Ele é a traição que faz prisioneiros
Tirando a liberdade já na pouca idade
De quem ama sem responsabilidade
E os jovens não pensam se a vida é curta
E nem que ela passa muito depressa
São eles que mais se interessam por esporte
Para cá e para lá vão em busca de atrações
São providos com poucas experiências vividas
Enquanto muitos velhos gostariam de ser jovens
Nenhum jovem gostaria de ser velho (risos)
O velho ainda pode ter em si o jovem que já foi
E o jovem não pode ter em si o velho que nunca foi 

Altino Olímpio

Reflexões íntimas

É no aproximar do começo do fim
Que os pensamentos se tornam mais claros
E o não saber o que é a vida não mais intimida
O viver fica sendo entregue para a própria sorte
Se aprende que os dias são apenas incontáveis
Parecendo que não levam a lugar nenhum
Até quando vier a morte e os dias desaparecerem
Seguindo a existirem para quem continua vivendo
Dias e mais dias são apenas dias que vem e vão
Trazendo ou não motivos que importam
Mas mesmo os que importam já não importam
Desaparecem as crenças e muito mais as esperanças
A indiferença fica coabitando com o existir
E se vive sem tormentos e sem lamentos
Num só ver a vida a passar até quando ela cessar
Desejos, ilusões, orgulho, vaidade e ambição
Não se sabe mais o que são com o viver de ancião
No presente que é tudo o que foi e que já foi
E que são histórias que só ficaram na memória
De um viver simples de agora sem qualquer glória
Se assim é viver o fim da vida de hora em hora
Libertado do que se vai ser e do que se quer ter
Consciente que se veio do nada para ao nada voltar

Altino Olímpio



Leia outras matérias desta seção
 » Quando a vida é bela ou cor de rosa?
 » Reflexões 
 » Só sei o pouco que sei e mais nada
 » Conversa entre amigos do antigo Orkut
 » O “me engana que eu gosto” é sempre atual
 » A mulher do ai, ai, ai
 » Quando nós seremos nós mesmos?
 » Viver muito cansa?
 » A aventura de viver
 » Esquecidos, o céu, o sol e a lua 
 » Uma lembrança que a memória não esqueceu
 » Tempos felizes de molecagens
 » A importância da vida
 » O destino
 » Quem somos nós diante de tantas influências
 » Dois textos
 » A vida como ela é...
 » Mensagens telepáticas
 » A minha iluminação
 » Rapidinhas do Altino

Voltar