19/02/2024
Só sei o pouco que sei e mais nada

Só sei o pouco que sei e mais nada

Sócrates que nasceu em 470 antes de Cristo disse “só sei que nada sei”. Coitado ele nada sabia. Ou então ele foi um iluminado que descobriu essa verdade que ninguém descobre porque muitos pensam que tudo sabem mesmo sem saber (risos). Conheço um país que seu povo tem muita cultura adquirida pelo assistir televisão, pelo aceitar tudo o que a imprensa falada ou escrita (mídia) de fidedigno promulga, pelo assistir novela diariamente, pelo muito se instruir pelos jogos de futebol, carnaval e pelo assistir o programa Big Brother e etc. e pelo muito aprender com políticos que vivem muito bem de política. 

E para o aprofundar da cultura apareceu a internet com os seus aplicativos. Um deles, o WhatsApp espalha nacionalmente e emocionalmente temas de muita importância e relevância que aproximam as pessoas afins com novos conhecimentos, aqueles que fazem com que elas evoluam muito: “Tenha um bom-dia cheio de alegria, tenha uma boa-noite e etc.” Mas, infelizmente esquecem de desejar o “faça um bom cocô todos dias”. Isso é importante porque alivia tensões lá no fim das tripas. E assim, o saber dessas coisas tão importantes o coitado do filósofo grego Sócrates não sabia. Depois apareceu outro filósofo que dizia “penso, logo existo”. Mas, hoje, quem será que pensa nessa confusão de narrativas falsas? (risos).

Altino Olímpio



Leia outras matérias desta seção
 » Opiniões ou conclusões impopulares
 » Turismo na UPA de Perus
 » A solução
 » No mundo existem crédulos e incrédulos
 » Joana d’Arc (1412 – 1431)
 » Foram tempos de fascinação
 » Não vou, é muito longe
 » Somos acúmulos do que mentalmente recepcionamos
 » Quando a vida é bela ou cor de rosa?
 » Reflexões 
 » Só sei o pouco que sei e mais nada
 » Conversa entre amigos do antigo Orkut
 » O “me engana que eu gosto” é sempre atual
 » A mulher do ai, ai, ai
 » Quando nós seremos nós mesmos?
 » Viver muito cansa?
 » A aventura de viver
 » Esquecidos, o céu, o sol e a lua 
 » Uma lembrança que a memória não esqueceu
 » Tempos felizes de molecagens

Voltar