08/05/2012
Caçada de onça .

Na roça, a gente aprende muito cedo certas coisas politicamente incorretas, tais como:  fumar, caçar passarinho etc.

             Mesmo com tenra idade, nós jamais poderíamos mostrar medo, com a pena de sermos taxados de “cagões” pelos primos mais velhos. Com doze anos eu já tinha tido a experiência de caçar tatu, pacas e veados no cerrado. Santa ignorância!

            Os caçadores mais antigos como Mané das Torres, Carlito Lopes e Emilio Bianco eram nossos professores nesta arte. Na caça aos veados - sempre feitas durante o dia -, levávamos cachorros de raça para fazer “o pega” e encantoar o bicho num lugar denominado “pulador”. Era muito emocionante e a nossa adrenalina ficava no limite, sem contar aquela sensação  do coração  saindo pela boca. Ai se alguém errasse o tiro! Estava no mato sem cachorro, literalmente!

            Na caçada de tatu era o contrário, íamos sempre à noite, pois este animal tem hábito noturno. O cachorro poderia ser um vira - latas, mas tinha de ser ligeiro ter bom faro e nos mostrar onde era o buraco do infeliz. Feito isso, o restante era no enxadão e água. Nesta caçada eu sentia medo da escuridão e de meter a mão na toca. Afinal, era comum nos depararmos com uma cobra venenosa, na toca abandonada.

            Fui uma única vez caçar paca. Fiquei “plantado” num girau de madeira feito numa árvore, há quatro metros do chão, denominado de espera. A cada pisada do bicho nas folhas secas da mata, meu coração disparava. Para a sorte do bichinho, errei o tiro!

            Com vinte anos de idade, já na faculdade, fui participar do projeto Rondon no Vale do Ribeira, no Estado de São Paulo - divisa com o Estado do Paraná.

             Numa dessas visitas, como estudante de Agronomia, conheci um fazendeiro do tipo eremita, que vivia “alongado” em sua fazenda há muitos anos. Por minha sorte ou azar, ele foi com a  minha “cara”.  Apaixonado por caçadas  me convidou a acompanhá-lo numa  de onça, pois estas  já tinham matado alguns de seus animais e inclusive seu cachorro de estimação.

            Fomos a cavalo e munidos com espingardas de grosso calibre. Eu estava certo que íamos ficar juntos o tempo todo esperando a tal da onça, mas qual nada!  Largou - me na primeira picada da mata que encontramos bem na “boca” da noite e disse-me: -  procure uma árvore no pé daquela serra e se empoleire. - Deixe a espingarda engatilhada e a lanterna sempre à mão. -  Ela deverá voltar para acabar de comer o carneiro que matou ontem. Boa sorte e até breve.

            Amarrei meu cavalo num tronco de jequitibá e pedi para Deus me proteger. Não havia percebido que o velhote tinha tomado uns tragos antes de sairmos e ainda por cima, levou meia garrafa da “marvada” para a caçada.

            A noite chegou e meu medo só aumentava! Nada de onça e do meu companheiro. apenas o esturro de uma delas, provavelmente acuada pelos cachorros. Pensei: ou se esqueceu de mim ou “travou” ou então dormiu na ceva e a onça comeu. No dia seguinte, desci do tronco ao amanhecer, sem, no entanto, pregar os olhos um minuto sequer.             Chegando a casa, qual não foi minha surpresa ao vê-lo, logo cedo, tirando o couro de uma enorme pintada enquanto tomava uma lapada de cachaça? Foi quando me perguntou: - Apareceu alguma pra você? – Não senhor, nada! Continuou fazendo seu serviço, enquanto ia distribuindo pedaços da carne da onça para meia dúzia de cães. Disse-me que assim fazia, para que os cachorros não perdessem o faro e nunca  sentissem  medo do felino.

            Continuando sua preleção, sem se quer me olhar nos olhos, perguntou novamente: - Passou muito frio e medo? Isso eu passei sim senhor. – Pois é assim que se ensina um jovem da cidade a virar homem - eu fiz isso com todos meus filhos. Na sua vida, continuou ele, irá  passar muito medo e topar situações difíceis e esta experiência lhe ajudará a enfrentá-las com mais tranqüilidade e equilíbrio. -  Boa sorte, menino! Estou saindo para  a vila. Venha almoçar comigo amanhã. Até hoje ele deve estar me esperando...

            E VIVA A PÁTRIA!

[email protected] .com.br


Osvaldo Piccinin

Leia outras matérias desta seção
 » Situações indesejáveis .
 » A lição do pato .
 » Maldita ganância
 » Tonico e Tinoco Inesquecíveis
 » Maria Fumaça
 » REI ROBERTO CARLOS
 » Um navio de saudade
 » No escurinho do cinema
 » Tributo á primavera
 » Serenata do adeus
 » Que belíssimo exemplo
 » Papai noel esqueceu de mim
 » O domador de burro xucro
 » Nerso meu primo sabido
 » Mané cebola
 » Jabuticabeiras centenárias
 » Exame de próstata
 » Dor da saudade
 » Clima de velório
 » Bar do trinta

Voltar