» Colunas » Editorial

10/05/2009
Sessão estranha na Câmara

Sessão do dia 05/05/2009

De um lado o vereador Agnaldo querendo informações sobre um contrato da prefeitura com uma emprêsa, o motivo seria aumentar a receita municipal, direito legítimo e inconteste ele foi eleito e tem a obrigação de fiscalizar o executivo.
De outro lado seus pares negando-lhe o pedido e o que é estranho que gerou bate boca e confusão? - é a tempestade em copo de àgua feita por um simples requerimento. Agora não mais tão simples pois teria levantado suspeitas, depois da sessão “deixa disso” perguntas aparecem no ar e ficam sem resposta tais como: qual o conteúdo desse contrato ? - qual o custo para a municipalidade ? - foi feita licitação na forma da lei ?.
Enfim, cabe ao prefeito Hamamoto esclarecer com  transparência as dúvidas levantadas. Agnaldo não é vereador de se conformar fácil e certamente vai voltar à carga, melhor é atendê-lo logo e encerrar definitivamente o episódio. Cabe ainda aos demais vereadores explicarem a negativa e se existe conhecimento de alguma irregularidade no tal contrato. Como sempre este Jornal está à disposição para publicar.Gratuitamente.

Edson Navarro

Leia outras matérias desta seção
 » Caieiras:Multas de trânsito,para onde está indo o dinheiro
 » De filantrópica para Estatal será que muda?
 » Mais de 20 anos depois o Gaema descobre o maior lixão do Brasil
 » TCE adverte Lagoinha, começou cedo!
 » Saúde desnorteada, perigosa e desrespeitosa
 » Lixão: Povo pretende protestar
 » A Lei que choveu no molhado
 » Lei bola de cristal...os políticos videntes
 » Caieiras: A vacina é escassa
 » O prefeito de Caieiras e seu secretariado "alienígena"
 » Previsões para 2021 de Nostradamus
 » Ecos de um governo desastrado
 » Os presentes indesejáveis do TCE
 » Identificadas as forças ocultas que derrotaram Gersinho
 » Limpe tudo e entre na Casa limpa, Lagoinha.
 » O lixo que nunca acaba
 » A velha política: dividir para ganhar
 » Liberdade de Imprensa: se acabar as outras não sobreviverão!
 » Caieiras:TCE aponta 33% de sobre preço em cestas básicas
 » Caieiras: Se sair mais do que entra "nóis quebra"



Voltar