» Colunas » Editorial

22/10/2015
Caieiras tem coleta e tratamento de lixo de 1º Mundo, vai mal o 1º Mundo


A antiga empresa Cavo cuja sucessora é  a Essencis, em seu projeto de instalação do  centro tecnológico de resíduos CTR, prometia que o empreendimento seria revolucionário, na época seus representantes não cansavam de repetir as maravilhas do CTR, " o projeto será concebido mediante uma tecnologia  americana, onde os resíduos não exalarão nenhum mau cheiro, além de ser acondicionado em galpões abertos, o lixo receberá um tratamento especial, tipo de uma pressurização, onde o odor será tratado em um filtro e não haverá quaisquer probabilidade  de mau cheiro.... só não mexeremos com lixo atômico"  palavras  do executivo da Cavo  José Vitor Vilela.

De fato não se tem notícia de armazenamento de lixo nuclear, mas precisa? - até lama de mercúrio está lá. Hoje o projeto CTR não passa de um aterro sanitário sofisticado, não foi essa a promessa vendida  à população.

Consta no contrato  entre a Cavo e a Prefeitura   que a coleta do lixo residencial seria  feita gratuitamente pela empresa, mas a Cavo não existe mais passou a ser Essencis  controlada por outro grupo empresarial. Com as constantes falhas nesse serviço, o contrato pode ser denunciado pela prefeitura, porque não o faz?.  Porque a empresa não vem a público e esclarece de vez por todas as dúvidas ? - principalmente quando vai cumprir o projeto original.

Se  dinheiro não falta para os acionistas e a participação acionária   vale milhões é porque o faturamento compensa e o lucro é  satisfatório, quase meio bilhão de reais em 2014 (holding) . A Camargo Correa saiu a muito tempo do negócio e levou  mais de meio bilhão de reais, executou  só a parte que lhe interessava do projeto rotulado como de primeiro mundo, ou seja, jogar terra e lona plástica em cima do lixo, o tratamento, reciclagem e outras promessas ninguém viu até agora. Pior, os resíduos tóxicos estão sendo tratados e armazenados ou simplesmente misturados no meio dos demais, sem obedecer as normas internacionais e a legislação brasileira?.

Recorrer às  autoridades públicas  já mostrou não dar resultados, uma ação do Ministério Público foi arquivada por "falta de interesse em agir". Enquanto isso Caieiras vai-se tornando o paraíso do lixo , que ninguém quer na sua porta ou no seu negócio. São milhares de toneladas de resíduos por dia, simplesmente enterradas e cobertas com lona plástica, até quando ?.

Corre na Câmara Municipal uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) presidida pelo vereador Panelli, que  pretende esclarecer esses questionamentos, inclusive analisando se os benefícios fiscais e serviços gratuitos compensam  ao Município, em contra partida aos possíveis danos e passivo ambiental.   A Comissão não anunciou nenhuma conclusão  até o momento.

As recomendações do CONSEMA  foram aparentemente esquecidas, porque? .Onde está a responsabilidade social e a transparência prometida na implantação do projeto ?.


Tanto as autoridades públicas como a empresa estão convidados para se manifestarem, a omissão pode confirmar que o esclarecimento dos fatos narrados  não tem interesse. As declarações dos representantes da antiga Cavo como: reportagens,  audiência pública com a participação do Promotor Público João Carlos Calsavara, etc.  estão a disposição  no Site do Jornal   preservando a história.

N.R. Segundo o Vereador Panelli a CPI foi encerrada em julho, estamos aguardando o relatório final dos  Vereadores Alvaro Berti e Zefinha para publicação.


Edson Navarro

Leia outras matérias desta seção
 » A consciência dos políticos brasileiros em reais
 » O presente das trevas do Dória
 » TCE: Mais um prêmio para o ex-prefeito Hamamoto
 » TCE: Chumbo grosso no prefeito de caieiras
 » Liberdade de Imprensa-Daniel Nakao Maibashi
 » Me engana que eu gosto
 » Caieiras e o novo marco do saneamento básico
 » Quem brinca com fogo acaba se queimando
 » Coronavirus: o after day das contas
 » A atual guerra Paulista
 » A vez do Witzel
 » O vídeo Bolsonaro x Moro
 » Caieiras deve receber R$ 11 milhões de ajuda federal
 » Feriado da consciência pandêmica - Folclore Nacional
 » Coronavírus-Osmar Terra: "não é bem assim"
 » Coronavírus: e agora manézada?.
 » Prefeito pretende gastar R$ 3,9 milhões em festas
 » Estado de Calamidade impõe normas na esfera jurídica
 » Prefeitura gasta R$ 10 milhões em festas
 » Concessão de transporte público



Voltar