» Colunas » Editorial

05/10/2006
Lula Perdeu

O resultado do primeiro turno das eleições presidenciais revela que 63% dos eleitores não votaram em Lula. Esse dado é extremamente relevante, porque o Apedeuta gosta de se comparar com FHC, que ganhou a eleição em primeiro escrutínio. O Estado de São Paulo,o dossiegate e a cisão do Brasil estão, de um lado, no cerne desse resultado amargo para Lula; as estratégias para o segundo turno e o indício de uma onda nacional anti-Lula, do outro lado, são os assuntos em reflexão em curso.

São Paulo

O fiel da balança no resultado das eleições foi o eleitorado paulista, que consagrou Geraldo Alckmim. O PT tinha consciência desse fato desde o início da campanha e resolveu jogar sujo e pesado, para macular os tucanos.Em segundo foi o flagrante da operação criminosa para forjar um dossiê contra os tucanos. Não deu certo em razão do próprio flagrante e da revelação dos envolvidos que colaram no próprio Lula. A resposta foi bem dada e parece estar consolidada.

Dossiegate

Outro fator central na derrota do Presidente foi o escândalo do chamado dossiegate, que, alias, renderá ainda mais desgaste para a campanha lulista, a partir do desenrolar das investigações que caminham para o esclarecimento da origem do dinheiro sujo. É fato que só petistas manipularam a montanha de reais e dólares. Resta saber de onde eles obtiveram os recursos e como fazem a lavagem do dinheiro. O Banco Sofisa já passou as corretoras e casas de câmbio que entregaram os dólares. A origem dos reais ainda são um mistério. As prisões que vão ocorrer durante a campanha do segundo turno farão não só a manutenção da pauta sobre essa operação criminosa, mas, também, um estrago na figura do Apedeuta.

A onda anti-lula

O resultado das eleições também revelou uma cisão do eleitorado nacional. Enquanto o Sul, Centro-Oeste e parte do Sudeste consagraram a opção por Geraldo Alckimi, o Norte e Nordeste optaram por Lula. Os trackings realizados agora mostram o crescimento de uma onda anti-lula no pais, que pode unificar a preferência nacional, a partir do fogo morro acima - do sul para o norte. Nesse caso, os formadores de opinião, sobretudo a classe média, têm papel preponderante na disseminação dessa onda por meio da transmissão do conteúdo do “vale tudo” do PT. Não menos importantes são as alianças partidárias que os candidatos farão para uniformizar a preferência de consenso nacional. Ainda, a nova composição do Senado federal milita a favor de uma melhor governabilidade do Brasil com Geraldo Alckmim, em virtude de o PSDB, PFL, PPS e PDT serem a maioria esmagadora da Casa. Os Senadores também têm, nesse momento, papel institucional histórico na manutenção de princípios democráticos e fiscalização do regular do funcionamento das instituições e órgãos de policia, como a Polícia Federal. Que se torça pela unificação do país pela decência, sob pena de continuar lascado.


Hermano Leitão / JAS

Leia outras matérias desta seção
 » Terceirizar a saúde vale a pena?
 » Operação Castelo de Areia a Fênix
 » Direito ou abuso adquirido ?
 » Errar é humano mas persistir no erro é .....
 » É você Satanás ?
 » T.Contas aponta finanças deteriorando
 » Como entrar no anedotário nacional
 » A burrocracia na saúde mata crianças
 » T.Contas SP algoz? implacável? . Nada disso.
 » Tribunal de Contas o implacável
 » Autoridades: os abusos vão acabar?
 » Imbróglio medicamentoso
 » Marcio Menegatti uma história real
 » Europa genocida
 » Tribunal de Contas x Prefeitura
 » Tribunal de Contas age e breca licitação
 » Homenagem a Lei Anticorrupção
 » O mundo mudou, os políticos não!
 » 9 de Julho: a vitória política
 » PROERD da Polícia Militar



Voltar