» Colunas » Editorial

22/06/2007
Vereadores marcam sessão matutina

Embora não haja nenhum impedimento de sessões da Câmara serem realizadas logo nas primeiras horas da manhã, a história conta que esse procedimento é utilizado quando algum assunto polêmico ou de interesse particular está na pauta.

No caso da sessão da próxima terça feira o objetivo seria possivelmente de votar o projeto de lei que vai dar normas ao uso e parcelamento do solo, também autorizar novos loteamentos. Corre a boca pequena que um grande loteamento está esperando  a aprovação dessa Lei para ser lançado no bairro do Morro Grande, daí a presença de moradores do bairro na última sessão da Câmara.

Obviamente esse horário torna  difícil o comparecimento para acompanhar o  trabalho dos vereadores  que assim ficam livres para dar seu voto, sem acompanhamento popular. Segundo um representante do bairro o adiamento da votação para o tal horário foi uma "manobra" para que eles, os moradores que são contra novos loteamentos assistam a sessão.

O Vereador Calé disse que nada fará que prejudique os munícipes e o Vereador Gersinho é contra loteamentos populares, já os outros edis não se manifestaram a respeito e as lideranças do bairro temem que o tal loteamento seja aprovado. É aguardar para ver.


Jornal A Semana

Leia outras matérias desta seção
 » Caieiras: Se sair mais do que entra "nóis quebra"
 » A consciência dos políticos brasileiros em reais
 » O presente das trevas do Dória
 » TCE: Mais um prêmio para o ex-prefeito Hamamoto
 » TCE: Chumbo grosso no prefeito de caieiras
 » Liberdade de Imprensa-Daniel Nakao Maibashi
 » Me engana que eu gosto
 » Caieiras e o novo marco do saneamento básico
 » Quem brinca com fogo acaba se queimando
 » Coronavirus: o after day das contas
 » A atual guerra Paulista
 » A vez do Witzel
 » O vídeo Bolsonaro x Moro
 » Caieiras deve receber R$ 11 milhões de ajuda federal
 » Feriado da consciência pandêmica - Folclore Nacional
 » Coronavírus-Osmar Terra: "não é bem assim"
 » Coronavírus: e agora manézada?.
 » Prefeito pretende gastar R$ 3,9 milhões em festas
 » Estado de Calamidade impõe normas na esfera jurídica
 » Prefeitura gasta R$ 10 milhões em festas



Voltar