» Colunas » Editorial

26/05/2020
A atual guerra Paulista

A velha rincha entre jundiaienses e campineiros está de volta. Witzel x Bolsonaro. De quebra o Dória.

Witzel paulista de Jundiaí , Bolsonaro paulista de Campinas e Dória paulista da Capital. Desta vez não entrou nenhum gaucho para estragar a festa e amarrar o cavalo no obelisco, afinal não estamos em 1932.

Todos são da década de 50 com formação diversa: um militar, um juiz e um publicitário. A principal diferença entre eles é os dois (Bolsonaro e Witzel serem de origem pobre e o Dória não.

A maneira como se comportam lembra uma briga de rua de moleques quando um xinga o outro e o terceiro toma partido do ofendido. “ não põe a mãe no meio” diz um e parte para cima do ofensor, este, se defende com a ajuda do “bicão” na briga, só que agora não é a mãe de cada um que está sendo ofendida, é a Mãe Pátria.

Para Bolsonaro os outros dois Paulistas são uns bostas e para os b... o Bolsonaro é o pior dos três moleques brigando.

Moral da história: Paulista devido a herança genética provinda de imigrantes briga até com ele mesmo, exceto com mineiros que expertamente inventaram o café com leite. Duvida? - consulte a história.


Edson Navarro - Economista

Leia outras matérias desta seção
 » Caieiras: Se sair mais do que entra "nóis quebra"
 » A consciência dos políticos brasileiros em reais
 » O presente das trevas do Dória
 » TCE: Mais um prêmio para o ex-prefeito Hamamoto
 » TCE: Chumbo grosso no prefeito de caieiras
 » Liberdade de Imprensa-Daniel Nakao Maibashi
 » Me engana que eu gosto
 » Caieiras e o novo marco do saneamento básico
 » Quem brinca com fogo acaba se queimando
 » Coronavirus: o after day das contas
 » A atual guerra Paulista
 » A vez do Witzel
 » O vídeo Bolsonaro x Moro
 » Caieiras deve receber R$ 11 milhões de ajuda federal
 » Feriado da consciência pandêmica - Folclore Nacional
 » Coronavírus-Osmar Terra: "não é bem assim"
 » Coronavírus: e agora manézada?.
 » Prefeito pretende gastar R$ 3,9 milhões em festas
 » Estado de Calamidade impõe normas na esfera jurídica
 » Prefeitura gasta R$ 10 milhões em festas



Voltar