24/03/2016
Os grandes homens....

De que foram e são feitos os grandes Homens da humanidade?

E quando digo ¨grandes¨ homens me refiro a dois tipos de pessoas que vagam entre a estupidez alheia.
Primeiro os revolucionários, os grandes pensadores e propagadores de novas visões e formas de convivência seja social, emocional ou mesmo política, falo daqueles que ousaram romper padrões cretinos de conduta; me refiro a todos que não aceitaram as imposições de suas épocas e roubaram a mediocridade alheia para jogar-lás no lixo das opiniões e pré-conceitos estigmatizados por sociedades defasadas; me refiro aos grandes músicos, artistas, compositores, escritores, inventores, pesquisadores que não se contentaram com o básico de suas sociedades e fizeram de sua arte a voz de novas propostas ao coração dos homens, faço alusão aos que foram queimados e torturados, encarcerados para depois serem amados por sua coragem em não aceitar um mundo com fronteiras estagnadas em códigos grandes de conduta e cheios de pretensões endurecidas; penso em todos os ídolos de várias épocas que foram rotulados com discapacidades, com sabor de loucura inconcebível para a pobreza da compreensão de seus tempos históricos, e hoje são ouvidos, lidos e aclamados com fervor por suas geniosas inovações.

E a segunda classe de pessoas somos nós - cidadãos que lutamos para viver buscando a liberdade de "ser", "sentir", "amar", "educar" e, sem dúvida alguma, brigar por um mundo mais cheio de amor e menos hipócrita.

Bom, a pergunta em questão: " de que foram feitos os grandes homens da humanidade e de que somos feitos, nós nesta segunda classe"?
Resposta: da mesma frágil matéria de todos os fétidos seres hipócritas que ditaram as regras para uma sociedade obsoleta e falsificada. Temos a mesma massa cinzenta e excrementos que cada um que pensa poder calar a voz da liberdade como foi no passado e segue no presente.

E onde quero chegar com este vômito mental?
Na minha indignação a todas regras recalcadas e soberbas que tentam veementemente fazer de ¨nós¨ pessoas conformadas e caladas para manter uma merda de sistema fracassado.
Nossa! mas por que tanta acidez em minhas palavras? Porque estou farta e enojada em ensinar e pregar a amor, a compreensão, a paciência, o perdão e ver um sistema cheio de incompreensão, intolerância, cobranças sob a voz de manter a ordem e a responsabilidade. A ordem de um mundo em desordem total!


E o pior: ainda contaremos a história destes grandes homens que foram marginalizados e depois aclamados por um mundo inteiro para nossos filhos e teremos que encerrar com a frase  "mas você tem que ser o que mandam, exigem, cobram...não fale o que pensa na escola, não pergunte muito porque a resposta pode ser um castigo (já que vai soar como falta de respeito, verdade?) “Ahhhh! e passem horas estudando as regras toscas para saber- lás bem, já que é mais importante o tom da cor do sapato café escuro com purpurina transparente no calvário estudantil do que seus anseios por amar e ser amado . Sim! só existem notas para suas limitações seus esforços são obrigações!¨

Ahhhh! Mas qual o nexo causal entre todas estas palavras cheias de ironia que aqui escrevo?

Simples: ainda e depois de tantos erros nossas sociedades seguem estagnadas em ensinar o que está nos livros e não se preocupa em aceitar e valorar o que vem do coração.
Dentre estas duas classes de pessoas que citei muitas foram expurgadas de suas sociedades, oprimidas por suas idéias e hoje são ídolos! Ídolos de nossos filhos, nossos amigos ¨politicamente corretos¨, nossos amigos ¨doidos¨, de várias gerações!
Mas infelizmente nosso mundo segue com a discrepância entre produzir robôs com meias e laços da cor da bosta do uniforme ao invés de perceber que o que precisamos e ¨Mais Platão e menos Prozac".

Vamos aplaudir: somos catedráticos no “ensinar” história, em como ocorreram as grandes revoluções, as conquistas dos mundos mas seguimos esmagados por uma necessidade insana de nos calarem, de nos fazerem máquinas, de não respeitarem o que há de mais valioso em cada um de nós - a individualidade!

Perfeito! A indústria farmacêutica agradece a atual geração pelos lucros futuros das altas doses de antidepressivos, ansiolíticos e todos os "ites" ganhados com as mordaças de hoje!
Ahhhhh! Esta matéria comestível pelos vermes que envolve esta sociedade tirana é a mesma que envolveu aos grandes exemplos das civilizações!
Então sabe qual é a diferença? A massa cinzenta que estes palhaços atuais, formadores de ridículos conceitos e regras têm não serve nem para adubo!
Assinado: minha mente livre!


Daniele de Cassia Rotundo



Leia outras matérias desta seção
 » João, Pedro e Rita - parte II
 » O mês do cachorro louco
 » O peso das coisas
 » João, Pedro e Rita
 » E se tudo isso não passar
 » Diário caótico sobre o coronavírus
 » Oração de aniversário
 » Encontros & Desencontros II
 » Encontros & Desencontros e o tempo
 » O tempo e a mulher do espelho
 » A mulher do Espelho
 » Sou mas quem não é (pirada)
 » Biblioteca
 » Carta para os olhos vazarem
 » Férias no paraíso, pero no mucho.
 » A dificuldade de recomeçar
 » Texto exclusivamente feminino
 » Meu Amigo!
 » O incêndio no Museu Nacional
 » Diário de uma jovem Mãe

Voltar