11/09/2018
Affair Lotérico

Quinta Feira , levanto-me disposto , tomo meu desjejum , coloco meu fraldão , roupas leves decentes , chinelo e vou fazer meu jogo de loteria na cidadezinha aqui próxima de casa .

Estaciono na vaga do idoso e vou rumo á lotérica . Tinha uma fila de umas dez pessoas e entro nela ( na fila ) . Após meia hora , estava chegando minha vez para ser atendido , quando chega uma velhota , magra , cheirosa e bem vestida e me fala : - Amenophis , meu amor , posso fazer meu jogo na tua vez ??? Meu ônibus está á sair e o próximo é só daqui á duas horas .

Lisonjeado com o elogio , deixo a velhota ocupar meu lugar na fila mas pergunto - Porque Amenóphis , bela senhora ????.

Responde-me ela , - Ora , o sr parece-se muito com ele e fiz-lhe um agrado chamando-o assim . Na hora , não me veio á cabeça quem era Amenóphis mas , para não mostrar ignorância , nada falei .

A velhota fez seu jogo , agradeceu-me e sumiu . Chegou a minha vez , fiz também meu jogo , apanhei meu Uno Fire Way e voltei prá casa , ainda curioso prá saber quem foi Amenóphis .

Chegando em casa , liguei meu Lap Top e fui ao Google saber quem era a figura em questão . Logo o Google me informou : Amenóphis foi um Faraó da IV Dinastia Egipcia , educador , pai de Tutankhamon , construtor de duas pirâmides e libertino pois promovia orgias carnais passivas com seus guerreiros, regadas á vinho e pães ázimos .

Só aí me dei conta de que : A velhota tomou meu lugar na fila da lotérica , me chamou de Bichona , debochou com todos os participantes da fila e só falta agora ganhar na Mega Sena prá completar a obra .

Vivendo e aprendendo .

Fred Assoni



Leia outras matérias desta seção
 » Festa na piscina
 » Desmanche de Mulheres
 » Amor e Traição
 » Affair Lotérico
 » Hipocondrismo
 » O presente da sogra
 » A partida
 » A velhice chegou
 » Os três Reis Magos
 » Nóis inverga mas não quebra
 » Churrasco vegano
 » Frida
 » A idade
 » Seu Manduca e Dna Loló
 » Zé Bezerra e as viúvas
 » Minha Santinha faz aniversário
 » Visita do Além
 » Próstata ou nunca mais como salame
 » Jumentina
 » Dona Canô

Voltar