» Colunas » Saúde

13/10/2008
Aleitamento materno previne obesidade em crianças

Pediatra recomenda que mãe amamente até os seis meses do filho. Alimentação exclusiva com leite regula o organismo da criança.

A alimentação exclusiva com leite materno durante os seis primeiros meses de vida da criança é recomendada por pediatras e pela Organização Mundial de Saúde como forma de garantir a proteção do bebê contra doenças. Mas há outro fator importante ligado a essa prática. Filhos amamentados por esse tempo têm menor risco de virarem crianças, e depois adultos, obesos.

O aleitamento materno é uma maneira importante de evitar a obesidade em crianças... lembra o pediatra Fábio Ancona, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), por ocasião do Dia Mundial de Combate à Obesidade, celebrado neste sábado (11).

Quando a criança é amamentada, ela recebe a quantidade de calorias que o organismo dela precisa – não a que a mãe ‘acha’ que ela precisa... explicou Ancona ao G1. Isso é essencial para a regulação do metabolismo do bebê. O corpo aprende o quanto de energia ele precisa absorver para dar conta dos seus gastos de energia... diz o médico.

Quando qualquer pessoa consome mais calorias do que o seu corpo gasta de energia, elas são armazenadas em forma de gordura. É uma equação simples... afirma Ancona. E na primeira vez que o corpo começa a armazenar gordura, sempre que ela se perder, as células vão mandar um aviso para o cérebro que diz: você precisa comer mais... explica. É por isso que o combate à obesidade é algo que dura uma vida inteira.


Genética

Existem dois tipos principais de obesidade. O primeiro é a obesidade exógena,ou seja, que tem causas fora do organismo: o consumo calórico excessivo e a falta de atividade física. O segundo é a obesidade endógena, causada por algum outro problema do corpo, como uma falta de equilíbrio hormonal ou alguma doença.

Para saber a diferença é simples.Cerca de 95% dos casos de obesidade é exógena... afirma Ancona. Mas há sinais de alerta para o outro tipo. Se você faz regime e exercícios e não perde peso, ou se ganha muita gordura de repente, vale a pena procurar um médico.

Para os 95% que fazem parte do primeiro grupo, é preciso levar em conta que a obesidade tem um importante componente genético, mas não é imbatível. A pessoa precisa saber que ela vai ter que reeducar sua alimentação para a vida toda e que vai ter que fazer exercícios regularmente para sempre... diz o médico. Ou seja, não adianta fazer um regime este mês e voltar a comer como antes mais tarde.


Doenças associadas

Quem não se dispõe a fazer essa mudança paga um preço caro. A obesidade está ligada a uma série de doenças que podem levar à morte. Ela aumenta a hipertensão e os problemas cardíacos, além de causar diabetes e ser um importante fator de risco para a maioria dos tipos de câncer.



G1

Leia outras matérias desta seção
 » Vacinação: Perguntas e Respostas
 » Coronavírus :em nossas UTIs as mortes são altas
 » Melatonina uma muralha contra o covid19 no pulmão
 » Coronavírus: A nova variante mais contagiante
 » Coronavírus: Cientistas da USP fazem um panorama da situação
 » Alimentos que reduzem o colesterol e o triglicérides
 » Droga experimental pode reverter problemas na memória
 » Teste do covid19 pela saliva
 » Coronavírus: inflamassomas
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai


Voltar