» Colunas » Saúde

11/07/2010
Mastopatia diabética

Noticias

Complicação do Diabetes em Mulheres
5/7/2010 - Diabetes Nós Cuidamos

Entrevista com a mastologista Simone Elias, da Unifesp

"É uma complicação rara do diabetes e pode ocorrer em mulheres diabéticas que utilizam insulina há muitos anos, geralmente dez anos ou mais", explica a médica Simone Elias, professora de mastologia na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e que comenta ainda como o problema pode ser evitado e tratado.

Simone Elias - "Não existe uma causa bem definida, mas acredita-se que a principal hipótese para explicar a ocorrência de mastopatia diabética é uma reação imunológica decorrente do diabetes sem controle, ou seja, altas taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia). A doença - que é uma lesão inflamatória - é mais comum em mulheres jovens, principalmente diabéticas tipo 1, que utilizam insulina há mais de 10 ou 15 anos e atinge entre 10% e 15% dessas pacientes. Em geral, é a própria paciente que no início percebe uma área endurecida no peito, mas também pode aparecer nos exames de rotina da mama. Esse nódulo endurecido, causado pelo estímulo à proliferação de colágeno no local, é parecido com o nódulo de câncer de mama e é muito importante que seja realizado o diagnóstico correto (que pode ser feito por uma biópsia com agulha - tipo "core biópsia", que retira fragmentos da lesão para exame).

Outro sintoma da mastopatia diabética, embora pouco freqüente, pode ser a dor. Ela aparece em algumas pacientes como uma dor localizada, diferente da que está relacionada ao ciclo menstrual. Quando a lesão está infeccionada, ocorre também a presença de secreções.

O tratamento da mastopatia diabética é relativamente simples. Começa, evidentemente, pela busca do melhor controle da glicemia. Adicionalmente, são utilizados anti-inflamatórios, escolhidos em função do quadro de saúde geral da paciente: se ela tiver problemas renais, o cuidado com esse tipo de medicamento deve ser maior. Quando há infecção, é necessário também o uso de antibióticos.

O tempo de recuperação está atrelado ao estado glicêmico: quanto melhor o controle, mais rápida a recuperação. É preciso, entretanto, que a preocupação com o nível glicêmico seja permanente, porque a ocorrência de novos nódulos é maior em quem já apresentou mastopatia diabética uma vez."

Fonte : Site Diabetes Nós Cuidamos




Leia outras matérias desta seção
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai
 » Colchicina age contra o coronavírus
 » Tuberculose novos fármacos para o futuro
 » Coronavírus: perda repentina do olfato
 » Coma Ovo.....ou não ?
 » Guaraná contra o diabetes tipo 2
 » Nova terapia para o mal de Parkinson
 » Coronavírus são seis tipos com sintomas diferentes
 » Coronavírus: teste pelo plano de saúde
 » A pandemia e a depressão em crianças
 » Coronavírus x tipo sanguineo
 » Pomada para feridas diabéticas
 » Coronavírus:Omega 3 x Covid19


Voltar