» Colunas » Saúde

05/10/2011
Zumbido no ouvido

ZUMBIDO
1. INTRODUÇÃO
O zumbido pode ser definido como uma ilusão auditiva, ou seja, uma sensação
sonora não relacionada com uma fonte externa de estimulação. A palavra tinnitus deriva do
latim tinnire, significando tocar, zumbir (to ring).
O zumbido acomete milhões de indivíduos por todo o mundo. Até 40% dos
americanos apresentam zumbido em algum momento de suas vidas. Destes, 15 a 17% (36 –
40 milhões) queixam-se de zumbido constante. Em sua forma severa (20% dos casos), o
zumbido é considerado o terceiro pior problema que pode acometer o ser humano, atrás
apenas da dor e tontura intensas e intratáveis, segundo pesquisa realizada pela Public
Health Agency of America, em 1984/85. Todas as demais doenças, como câncer, paralisias,
cegueira e surdez aparecem posteriormente na lista. Assim, o zumbido torna-se muitas
vezes problema debilitante, impedindo a vida normal e, em alguns casos, podendo até
precipitar o suicídio.
Na maioria dos casos, o zumbido é uma percepção auditiva “fantasma”, percebida
exclusivamente pelo paciente. Essa característica subjetiva limita as condições de
investigação de sua fisiopatologia. Outro fatores limitantes são:
a) necessidade de investigação de várias possibilidades etiológicas, uma vez que o
zumbido é sintoma e não doença;
b) incapacidade de mensurá-lo objetivamente;
c) dificuldade de obtenção de modelo experimental fidedigno;
d) flutuações que podem ocorrer com estados emocionais diversos.
Talvez desanimados por tais dificuldades, alguns otorrinolaringologistas não dão a
devida importância ao paciente, dizendo-lhe frases como "nada pode ser feito" ou "você vai
ter que aprender a conviver com isso", sem imaginar as prováveis conseqüências negativas.
E também, a insuficiência de descrições sobre o assunto, mesmo em livros-texto da
especialidade, faz com que o profissional, muitas vezes, sinta-se despreparado para essa
tarefa.
2. CLASSIFICAÇÃO
Muitas classificações de zumbido já foram propostas, sendo que a mais utilizada na
literatura divide o zumbido em dois tipos: o subjetivo (percebido apenas pelo paciente) e o
objetivo (identificado também pelo examinador). Entretanto, essa classificação tem
utilidade limitada, uma vez que uma mesma doença pode provocar zumbido subjetivo em
alguns pacientes e objetivo em outros.
A classificação é essencial para o diagnóstico preciso e escolha do tratamento
adequado, assim, alguns autores preferem a divisão do zumbido de acordo com sua fonte de
1
origem: zumbidos gerados por estruturas para-auditivas, geralmente de origem vascular ou
muscular (mioclônica) e zumbidos gerados pelo sistema auditivo neurossensorial. Essa
divisão tem mais utilidade por ser paralela à anátomo-fisiologia das vias auditivas e por
apresentar investigação diagnóstica e tratamento diferentes para ambos os grupos.
As alterações musculares mais relacionadas a zumbidos são a mioclonia dos
músculos da orelha média e a mioclonia palatal. Dentre as alterações vasculares, podem
causar zumbidos pulsáteis os paragangliomas, as malformações ou fístulas artério-venosas,
aneurismas intra ou extra-cranianos, bulbo da veia jugular alto ou deiscente, entre outros.
Tais zumbidos são raramente descritos na literatura e pouco abordados em cursos e
congressos da especialidade. Entretanto, merecem atenção do otorrinolaringologista, já que
em geral correlacionam-se a causas tratáveis e sua pronta identificação é fundamental para
o tratamento adequado.
Zumbidos gerados pelo sistema para-auditivo são, na maioria das vezes,
relacionados a causas identificáveis e tratáveis. Quando analisamos as etiologias mais
freqüentemente relacionadas a esses tipos de zumbido, observamos uma riqueza de
características clínicas que possibilitam estabelecer o diagnóstico através de uma anamnese
detalhada e exame físico cuidadoso. Trabalhos apontam que até 20,11% de todos os
pacientes portadores de zumbido estão neste grupo. Considerando o desafio que o
tratamento do zumbido representa na prática diária, chamamos a atenção para estes
pacientes que podem se beneficiar do estabelecimento do correto diagnóstico e da
abordagem específica, culminando no controle da sintomatologia.
2.1 Zumbidos gerados por estruturas para-auditivas:
Dentro deste grupo, os zumbidos do tipo pulsátil correspondem a 81%, mioclonia de
ouvido médio a 15% dos casos e mioclonia palatal aos 4% restantes.
2.1.1 Neoplasias vasculares: os exemplos mais comuns são os tumores glômicos. O
zumbido é quase sempre pulsátil e sua intensidade depende da complexidade do leito
vascular nutriente, da pressão e do fluxo sangüíneo do tumor, além da proximidade da
neoplasia em relação ao ouvido. Sua freqüência varia com a freqüência cardíaca e não se
altera com suave compressão no pescoço, posição da cabeça, postura ou manobra de
Valsalva, dados esses importantes para o diagnóstico diferencial. O diagnóstico pode ser
suspeitado pela otoscopia, com a visualização de uma massa vascular retro-timpânica. A
timpanometria pode ser útil ao mostrar perturbações regulares do traçado, síncronas com os
batimentos cardíacos.
2.1.2 Malformações vasculares: podem ser classificadas em arteriais, venosas ou artério-
venosas. As arteriais mais comuns são o trajeto aberrante da artéria carótida, estenose ou
aneurisma da artéria braquiocefálica e da carótida, assim como persistência da artéria
estapediana e artéria carótida intratimpânica ectópica. Entre as malformações de origem
venosa, bulbo da veia jugular deiscente é a mais encontrada. Outras alterações de origem
venosa são o bulbo jugular alto, megabulbo jugular e divertículo jugular. As malformações
artério-venosas mais importantes são as da fossa posterior, que comunicam a artéria
occipital com o seio transverso. As malformações da região da cabeça e pescoço
2
geralmente manifestam-se com zumbido pulsátil, na sua maioria subjetivos, podendo
provocar deformidades anatômicas. Raramente os sintomas são suficientemente graves para
merecer tratamento, mas quando necessário, a conduta dependerá do tamanho e da
localização da malformação, podendo-se recorrer à ligadura do vaso com exérese da lesão
ou à embolização arterial.
2.1.3 Hum Venoso: é resultante de um fluxo turbulento na veia jugular interna,
acometendo principalmente mulheres jovens. A etiologia parece derivar da pressão do
processo transverso da segunda vértebra cervical sobre a veia jugular interna, ou ainda, do
aumento do retorno venoso por malformações artério-venosas ou aumento da pressão
intracraniana. Geralmente é unilateral e pode ser ouvido em pacientes com hipertensão ou
bulbo da jugular alto ou deiscente. O zumbido melhora com uma suave pressão no pescoço
sobre a veia jugular, sem ocluir a carótida, assim como com a rotação da cabeça para o lado
ipsilateral ao zumbido. Por outro lado, o som piora com a rotação contralateral, manobra de
Valsalva ou respiração profunda e também aumenta de intensidade nas situações de maior
débito cardíaco, como anemia, gravidez ou tireotoxicose. A conduta consiste na orientação
do paciente e, quando necessário, pode-se tentar uma ligadura alta da veia jugular interna.
2.1.4 Mioclonia: é causada pela contração rítmica de um ou vários músculos da orelha
média ou do palato mole, geralmente involuntárias. O zumbido de causa muscular em geral
não acompanha o batimento cardíaco, entretanto pode ter uma freqüência parecida. Nestes
casos, a diferenciação se faz provocando-se um aumento da pulsação cardíaca através de
exercícios leves, o qual não é acompanhado do aumento da freqüência do zumbido.
A) Mioclonia dos músculos da caixa timpânica (m. tensor do tímpano e m. Do
estapédio): é uma condição rara, na qual geralmente ocorrem contrações anormais e
repetitivas. Pode estar associada a espasmos hemifaciais, paralisia facial, tremores
palpebrais, ou ocorrer em situações de ansiedade excessiva. De modo geral, a anamnese do
paciente com zumbido causado por mioclonia dos músculos da orelha média pode sugerir
fortemente o diagnóstico: unilateral, geralmente subjetivo, com sons semelhantes a cliques
repetidos de curta duração ou bater de asas de borboleta, que podem ou não serem evocados
por determinados sons.
O tratamento para este tipo de zumbido envolve o uso de relaxantes musculares
(Tiocolchicosido - Coltrax® 4mg/d); ansiolíticos (benzodiazepínicos), anticonvulsivantes
(carbamazepina) e em casos severos, secçcão cirúrgica do tendão do músculo tensor do
tímpano e estapédio.
B) Mioclonia palatal: caracteriza-se por movimentos involuntários rítmicos da
musculatura do palato (60 a 200/min), geralmente bilateral, podendo haver associação com
mioclonias de outros grupos musculares como o m. salpingofaríngeo, m. constrictor
superior da faringe, laríngeo, diafragmático, facial ou ocular. Afeta principalmente
indivíduos jovens e que apresentam outros distúrbios neurológicos, estando associada a
lesões do Trígono de Guillan-Mollaret no tronco cerebral (núcleo denteado no cerebelo,
núcleo olivar inferior no bulbo, nucleo rubro no mesencéfalo), embora possa ser idiopática.
A maioria dos pacientes apresenta zumbido, freqüentemente descrito como estalido e
ocasionalmente percebido pelo examinador (zumbido objetivo), assemelhando-se a cliques
síncronos com o fechamento da tuba auditiva, quando ocorre o contato das paredes da tuba
3
auditiva em resposta à contração muscular do pálato. Ao exame, nem sempre se pode
visualizar a contração do pálato, já que a abertura da boca pode suprimi-la. A
timpanometria pode ser útil para o diagnóstico.
O tratamento consiste em relaxantes musculares, ansiolíticos, anticonvulsivantes e
mais recentemente o uso de injeção de toxina botulínica na tuba auditiva e palato mole,
com o inconveniente de poder causar insuficiencia velopalatina e distúrbios na deglutição.
2.1.5 Hipertensão Intracraniana Idiopática (Benigna): causa rara de zumbido pulsátil
que cursa com hipertensão intracraniana sem hidrocefalia ou massa tumoral. Geralmente
acomete mulheres de meia idade, obesas. Pode se apresentar com cefaléia, zumbido
pulsatil, diplopia, diminuição da acuidade visual, ofalmoplegia (VI par), fotofobia, náuseas
e vômitos. Algumas etiologias foram sugeridas: hipoparatireoidismo, hipervitaminose A,
intoxicação por tetraciclina, uso de contraceptivo oral, e se após quadro de otite media
crônica complicada, por trombose do seio transverso e sigmóide.
2.1.6. Tuba Patente: ocorre após grande perda de peso em curto perído de tempo.
Geralmente causa zumbido unilateral, descrito como “ventania ou barulho do mar”,
síncrono com a respiração, associado a autofonia. Melhora com o decubito dorsal.
2.2 Zumbidos gerados pelo sistema auditivo neurossensorial:
O zumbido gerado pelo sistema auditivo é o mais freqüente, podendo ter várias
etiologias: otológica, cardiovascular, metabólica, neurológica, farmacológica, odontogênica
ou psicogênica.
2.2.1. Causas otológicas: são as mais freqüentes, quase sempre havendo uma disacusia
neurosensorial em altas freqüências, seja por exposição ao ruído ou presbiacusia. A faixa de
freqüências mais acometida é entre 3 e 8 mil Hz. Na maioria das vezes, a freqüência do
zumbido está próxima à região de maior perda auditiva na audiometria. Muitas outras
doenças otológicas podem causar ou agravar o zumbido, como doença de Ménière,
otosclerose, otites crônicas e labirintopatias recorrentes.
2.2.2. Causas cardiovasculares: segunda causa mais comum de zumbido. Entre os
pacientes com zumbido severo, aproximadamente um terço tem um ou mais distúrbios
cardiovasculares. A hipertensão arterial sistêmica é o distúrbio arterial mais encontrado.
Outros fatores, como a arteriosclerose e doenças que aumentem o débito cardíaco, precisam
ser investigados (anemia, gravidez e tireotoxicose).
2.2.3. Causas metabólicas: constituem uma causa importante e por vezes, facilmente
reversível. Alterações no metabolismo dos glicídios, lipídios e de hormônios tireoideanos
são muito freqüentes em pacientes com zumbido. Segundo estudo com 358 pacientes do
ambulatório de zumbido do HC/FMUSP, aumento de glicemia e colesterol são
particularmente associados ao zumbido.
Distúrbios no metabolismo do zinco: O zinco é uma coenzima presente em 80 diferentes
enzimas, e com um papel muito importante na função coclear. A estria vascular representa
4
uma grande reserva de zinco no organismo, e o zinco sérico corresponde a apenas 1% do
total. Em 1985, Schambaugh demonstrou altas concentações de zinco em ouvidos internos
de cobaias, e relatou casos de perda neurosensorial progressiva associada a hipozincinemia
(em idosos). Observou melhora em 20% nos níveis auditivos e em 25% no zumbido após
reposição de Zinco. Em 2003, Arda et al demonstrou melhora em 82% em pacientes com
zumbido tratados com zinco via oral contra 22% de melhora em pacientes com zumbidos
tratados com placebo.
No ambulatório de Zumbido HCFMUSP, zinco sérico é solicitado de rotina para
todos os pacientes, e a decisão em se repor zinco baseia-se nos valores laboratoriais e como
alternativa em pacientes idosos, com aporte dietético insuficiente.
2.2.4. Causas neurológicas: TCE ou fratura de crânio, trauma em chicote (whiplash),
esclerose múltipla e meningite são possíveis fatores associados ao zumbido.
2.2.5. Causas farmacológicas: todos os grupos medicamentosos são passíveis de causar
zumbido, entretanto, alguns são mais comuns, como: aspirina, anti-inflamatórios,
aminoglicosídeos e alguns antidepressivos.
2.2.6. Causas odontogênicas: alterações na articulação têmporo-mandibular (ATM) estão
presentes em 45% dos pacientes com zumbido severo. A maioria dos autores relaciona a
disfunção da ATM como um fator potencializador do zumbido, e os pacientes também
costumam queixar-se de plenitude auricular.
2.2.7. Causas psicogênicas: as duas principais manifestações são ansiedade e depressão,
sendo que ambas podem ser primárias ou secundárias ao zumbido. A ansiedade parece
acentuar a percepção do zumbido, enquanto a depressão faz com que o mesmo zumbido
passe a ter maior importância para o indivíduo. Vários autores relatam entre 20 e 50% de
depressão clínica, sendo que em metade destes casos já havia história prolongada de
depressão antes do início do zumbido.
3. VISÃO NEURO-FISIOLÓGICA DO ZUMBIDO
Durante muitos anos, o modelo psicoacústico prevaleceu como a principal
explicação para o zumbido. Segundo este modelo, o zumbido tinha origem na cóclea e era
conduzido passivamente pelas vias auditivas, alcançando o córtex auditivo com as mesmas
características de freqüência e intensidade em relação à sua fonte geradora.
Atualmente, acredita-se que o incômodo gerado pelo zumbido não apresenta relação
com suas características de freqüência, intensidade ou localização. Isto é, um paciente pode
ter sua vida gravemente afetada por um zumbido percebido como um apito de 4000Hz e
5dB nível de sensação, enquanto outro raramente percebe o seu zumbido de mesma
freqüência e maior intensidade.
Parece lógico que nosso sistema auditivo possa reconhecer fortemente sons de alta
intensidade. No entanto, o mesmo ocorre para os sons com significado “perigoso”, mesmo
que sejam de baixa intensidade. Quando os sons avaliados nas áreas subcorticais do sistema
nervoso são valorizados e considerados suficientemente importantes, atingem o córtex para
serem percebidos conscientemente. Quando classificados como não importantes, são
5
imediatamente descartados sem nosso prévio conhecimento. Assim, o significado adquirido
por um determinado som é um fator preponderante na reação do indivíduo. O mesmo
processo ocorre em relação ao zumbido.
Quando um determinado som é percebido, dependendo da sua importância, pode ser
rapidamente ignorado, mesmo com sua continuidade, semelhante ao que ocorre com o som
do ar condicionado. O mesmo pode ocorrer espontaneamente com o zumbido. Entretanto,
alguns pacientes prontamente associam seu zumbido a um significado de perigo (tumor
cerebral, perda auditiva, piora progressiva, entre outros), adquirindo conotação negativa e
importância relevante. Assim, através de mecanismos de plasticidade neuronal, ocorre
ativação do sistema límbico (SL) e do sistema nervoso autônomo (SNA), que também
passam a carrear informação do zumbido ao córtex auditivo, tornando-o cada vez mais
evidente e impedindo-o de ser ignorado. A ativação do SNA induz a resposta de “luta ou
fuga”, aumentando o desconforto e a ansiedade e suprimindo as emoções relacionadas ao
relaxamento e ao prazer. Desse modo, o paciente passa a reagir intensamente a ele, mesmo
que o som tenha baixa intensidade.
O processo pelo qual o zumbido aparece pode ser dividido em três etapas: geração,
detecção e percepção. A geração freqüentemente ocorre nas vias periféricas (podendo
ocorrer também nas vias centrais) e, na maioria dos casos, está associada a doenças da
cóclea e do nervo coclear; a detecção ocorre a nível dos centros subcorticais e baseia-se em
padrão de reconhecimento; por fim, a percepção ocorre no córtex auditivo com significativa
participação do sistema límbico, do córtex pré-frontal e de outras áreas corticais.
A. Geração do zumbido
Várias hipóteses têm sido descritas propondo origem neurossensorial para o
zumbido, sem que nenhuma tenha sido comprovada até o momento. Há consenso que o
zumbido é atividade neural aberrante dentro das vias auditivas e que esta atividade é
erroneamente interpretada como som nos centros auditivos. Entretanto, vários são os
mecanismos que tentam explicar a origem do zumbido.
A criação de um sinal anormal que, em cascata de eventos, produzirá a percepção do
zumbido, pode depender de uma série de diferentes mecanismos e suas interações:
A.1 Emissão Otoacústica Espontânea: Foi sugerido o envolvimento dos processos ativos
da cóclea na geração do zumbido. Entretanto, várias análises de indivíduos com zumbido
revelaram que há pouca ou nenhuma correlação entre as características do zumbido e as
emissões otoacústicas espontâneas, sendo que esta correlação ocorre apenas em pequena
porcentagem, estimada em 4% dos casos. Talvez possa haver alguma relação dos processos
ativos na geração do zumbido, porém de modo mais complexo do que o descrito até o
momento.
A.2 Dano Desproporcional entre as Células Ciliadas Internas e Externas: Situações
traumáticas ao ouvido, como exposição ao ruído ou drogas ototóxicas, causam alteração da
estrutura da cóclea começando por lesar a membrana basilar na região de altas freqüências,
com alteração primeiramente das CCE e, posteriormente, das CCI. Na membrana basilar
danificada, há áreas com total lesão das CCE e CCI, assim como regiões com lesão apenas
6
das CCE, enquanto as CCI permanecem intactas. Esta última é a área de particular interesse
na geração do zumbido.
Em relação ao sistema aferente, Stypulkowski propõe que a membrana basilar, na
ausência de acoplamento dos cílios por lesão das CCE, possa fazer movimentos contráteis
de maior amplitude e que a membrana tectória sofreria desabamento parcial, de modo que a
distância resultante entre ambas fosse suficiente para aproximar os cílios das CCI da
membrana tectória, promovendo despolarização tônica das CCI, com conseqüente atividade
anormal nas fibras aferentes.
Quanto ao sistema eferente, Hazell propõe que as aferências das CCE informam os
centros superiores de sua posição em relação à membrana tectória e as eferências dessas
células regulam o seu comprimento após processamento das informações aferentes. Como o
impulso eferente inibidor é resultante da somatória de impulsos aferentes, ocorre
diminuição da eferência, uma vez que há CCE que não responde ao estímulo sonoro.
Assim, como uma fibra eferente inerva cerca de 100 CCE, essa diminuição de inibição
pode afetar áreas da membrana basilar em que as CCE estão normais, fazendo-as contrair
livremente e estimular as CCI dessas regiões. Essa atividade poderia ser responsável pelo
zumbido.
Alguns mistérios do zumbido poderiam ser explicados por aspectos como: 1) a
freqüência do zumbido geralmente estar localizada próxima à região de perda auditiva na
audiometria, sendo esta situação freqüentemente observada na prática clínica; 2) pacientes
com a mesma perda auditiva na audiometria podem ou não apresentar zumbido, uma vez
que a extensão da lesão de CCE e CCI pode ser diferente em cada indivíduo; 3) os
mecanismos relacionados com o TTS (após exposição ao temporary threshold shift) ruído,
situação em que ocorrem alterações iniciais apenas nos cílios das CCE; 4) a ocorrência de
zumbido em pacientes sem perda auditiva poderia ser explicada como dano difuso de até
30% das CCE em toda a espiral da cóclea, sem comprometimento do limiar auditivo do
paciente. Assim, com dano apenas das CCE e com CCI intactas o indivíduo não apresentará
perda auditiva, mas poderá apresentar zumbido com freqüência próxima à que corresponde
ao local de lesão na cóclea.
A.3 Envolvimento do Cálcio na Disfunção Coclear: Mudanças na concentração de cálcio
na perilinfa ou dentro das células ciliadas são responsáveis por disfunções cocleares.
Segundo experimentos animais realizados por Jastreboff, ficou demonstrada a importância
da homeostasia de cálcio na geração do zumbido, assim como a possibilidade do uso de
bloqueadores dos canais de cálcio para o alívio do zumbido.
Há vários mecanismos possíveis que sugerem a influência do cálcio na transdução da
cóclea:
a) Posição da membrana tectória: a diminuição do cálcio intracoclear pode causar
rápido edema da membrana tectória por aumento na sua permeabilidade, assim
como aumento no diâmetro das CCE, com diminuição do seu comprimento,
alterando a distância entre os cílios e a membrana tectória.
b) Canais de potássio cálcio-dependentes: a diminuição de cálcio altera a
capacidade de despolarização das células ciliadas por interferir na regulação do
potássio intracelular.
7
c) Contrações ciliares: a diminuição intracelular de cálcio na raiz dos cílios acarreta
alteração na sua mobilidade, interferindo nas contrações dos mesmos.
d) Contrações lentas das CCE: o cálcio não é crucial para as contrações rápidas das
CCE, porém é fundamental em suas contrações lentas. Desta forma, a diminuição
do cálcio altera as contrações lentas, acarretando excesso de contrações rápidas que
podem ser percebidas como zumbido.
e) Liberação de neurotransmissores das células ciliadas: a diminuição dos níveis de
cálcio aumenta a atividade espontânea do VIIIo par, enquanto a atividade evocada
diminui. Para níveis baixos de cálcio, a atividade evocada pode até ser abolida,
enquanto que a atividade espontânea vai permanecer estável. Isso favorece a
existência de mecanismos parcialmente independentes na liberação de mediadores
para as atividades espontâneas e evocadas de modo diferente, mas ambos na
dependência do cálcio.
O processo de envelhecimento parece estar relacionado a alterações na homeostasia
do cálcio, resultando na modificação da permeabilidade das membranas ao íon e em
distúrbios de seu metabolismo. Perda auditiva e zumbido afetam aproximadamente 1/3 da
população acima de 65 anos, muitas vezes alterando seus padrões de vida. Apesar de haver
descrições de experimentos em animais mostrando alteração anatômica e fisiológica da
audição, nenhuma teoria até o momento demonstrou o porquê do idoso apresentar alta
incidência de problemas vestibulares e de zumbido, exceto em associações com drogas
ototóxicas e exposição prolongada ao ruído. Jastreboff propõe que distúrbios no
metabolismo e disfunção dos canais de cálcio, decorrentes do envelhecimento, devem
afetar a função coclear, aumentando a atividade espontânea das fibras do nervo auditivo,
podendo inclusive exacerbar a severidade do zumbido que já existia devido a outros
mecanismos.
Os salicilatos são sabidamente responsáveis por hipoacusia e zumbido e também
promovem diminuição dos níveis de cálcio no soro, líquor e na perilinfa. Em estudo
publicado sobre a toxicidade dos salicilatos em pessoas de várias idades, demonstrou-se
que indivíduos idosos são mais susceptíveis aos efeitos destes fármacos e que pequenas
doses já são suficientes para indução do zumbido.
A.4 "Cross-talk" entre as Fibras do VIIIo Par e as Células Ciliadas: Moller postulou
que o zumbido é baseado na ocorrência de "cross-talk" entre as fibras nervosas
desmielinizadas, pela falta de isolamento elétrico entre elas, com o surgimento de "curto-
circuito" entre as mesmas. Essa perda do isolamento elétrico pode ocorrer devido à
síndrome de compressão vascular dentro do CAI, neuroma do acústico ou outra patologia
retrococlear, resultando em aumento da atividade espontânea de diferentes fibras.
A.5 Hiperatividade das Vias Auditivas: Sabe-se que o sistema nervoso central compensa
a diminuição de determinado estímulo através do aumento na sensibilidade dos centros
envolvidos nesta percepção. A função do sistema nervoso central é orientar a homeostasia
através de excitação ou inibição, interagindo em todos os níveis. A total ausência de
determinado estímulo deve resultar em atividade anormal dos centros nervosos envolvidos
no processamento destas informações. Para melhor compreensão, um paralelo pode ser
traçado entre o indivíduo que entra em local totalmente escuro, podendo ter sensações
8
luminosas na retina pela privação do estímulo visual e o indivíduo que entra em ambiente
acusticamente isolado e tem a sensação de estímulos auditivos. A ausência de som
resultaria em aumento da sensibilidade dos núcleos cocleares a qualquer estímulo,
incluindo a atividade espontânea, resultando na percepção de zumbido. Através do estímulo
cerebral com constantes sons fracos (como ocorre na habituação), o cérebro passa a não
necessitar mais de aferência e, então, reduz sua sensibilidade com conseqüente diminuição
do padrão de incômodo do zumbido. Situações que envolvem ansiedade tendem a aumentar
a sensibilidade cerebral, fato a ser considerado no tratamento do zumbido.
Nelson et al em 2004 demonstrou uma relação entre zumbido, hiperacusia e perda
auditiva, sugerindo uma patofisiologia comum para esta tríade. As células ciliadas
cocleares lesadas causariam perda de audição e propagação anormal dos sinais sonoros
através dos centros auditivos. Em resposta a esta mensagem neuronal anormal, os centros
auditivos corticais adaptam e remodelam o som transmitido através de mecanismos de
neuroplasticidade, levando a um aumento na percepção de volume no cortex auditivo
(hiperacusia) e à percepção de sons fantasmas (zumbido).
B. Detecção do zumbido
Princípios de neurofisiologia mostram que o processo de detecção do zumbido
ocorre a nível subcortical, onde a habilidade do sistema auditivo central permite que sons
importantes sejam detectados, enquanto ruídos ambientais são ignorados. Situação diária e
prática que exemplifica este mecanismo é a nossa habilidade em detectar e interpretar sons
agradáveis de nossa língua natal, mesmo na presença de ruído ambiental, enquanto sons
claros de uma língua estrangeira são difíceis de classificar e são simplesmente ignorados.
Desta mesma forma, mesmo em ambiente ruidoso, é possível perceber o que a pessoa ao
lado está falando e ignorar os ruídos ambientais.
No caso do zumbido, uma vez que o padrão anormal da atividade neuronal é
detectado e classificado, ele pode ser persistente. A neurofisiologia explica que este padrão
de reconhecimento do zumbido pode ser modificado através da exposição do paciente a
baixos níveis de ruído branco por longo período de tempo. O ruído branco pode interferir
no padrão de reconhecimento do zumbido, tornando mais difícil separar o sinal do zumbido
da atividade neuronal, de forma que este padrão de sinal não mais seja reconhecido depois
de determinado tempo, facilitando o processo de habituação.
A plasticidade do sistema auditivo tem sido claramente demonstrada, sabendo-se
que diminuição temporária de estímulos auditivos resulta em aumento da sensibilidade dos
neurônios dentro dos centros subcorticais. Se uma pessoa com audição normal é privada de
estímulos sonoros numa câmara anecóica, experimenta aumento da sua sensibilidade
auditiva, passando a escutar sons extremamente baixos e freqüentemente a presença de
zumbido. A importância destes achados e o conhecimento do envolvimento subcortical no
desenvolvimento do zumbido permite deduzir que, em certos casos, o zumbido se deve a
ganho aumentado dentro dos centros subcorticais do sistema auditivo. Desta forma, poder-
se-ia pensar em método de diminuição deste ganho para tratar o zumbido. Uma ramificação
desta hipótese permite pensar que a hiperacusia é estado pré-zumbido, uma vez que ela é a
manifestação de ganho central. O zumbido e a hiperacusia podem ser entendidos como duas
manifestações de um mesmo fenômeno fisiológico, que é o aumento da sensibilidade do
sistema auditivo. A hiperacusia pode estar relacionada a estado pré-zumbido, com alta
9
probabilidade de resultar no desenvolvimento de zumbido e, segundo a experiência de
Jastreboff, esta situação representa 40% dos pacientes com zumbido. Este entendimento
permite a possibilidade de prevenção de zumbido em casos de hiperacusia que pode ser
efetivamente tratada através da introdução gradual de ruído branco. Esta hipótese oferece a
possibilidade de detecção precoce da susceptibilidade para o zumbido e sua posterior
prevenção.
C. Percepção do zumbido
A fase final do desenvolvimento do zumbido é a sua percepção, com o
envolvimento de algumas áreas corticais e do sistema límbico. A avaliação cortical de um
sinal vai depender dos padrões armazenados na memória auditiva, através da associação
com o sistema límbico, na dependência do estado emocional e de experiências prévias do
paciente. Infelizmente, para as pessoas que sofrem de zumbido, esta associação com o
estado emocional geralmente tem repercussão negativa. Quando o zumbido aparece, o
paciente tende a pensar na possibilidade de tumor cerebral, no estágio inicial de perda
auditiva, ou que esteja ficando louco. O paciente vive em constante temor do zumbido e,
quanto mais se preocupa e se concentra na presença do zumbido, mais evidente ele se torna,
e o paciente passa a reagir intensamente a ele, mesmo que em intensidade baixa.
Esta etapa do desenvolvimento do zumbido é de significativa importância clínica,
uma vez que as associações corticais podem ser mais facilmente modificadas do que as
subcorticais. A neurofisiologia do comportamento explica que se pode habituar o indivíduo
a este som a ponto de ignorá-lo totalmente.
Figura 1. Esquema representando o modelo neurofisiológico de Jastreboff.
4. TRATAMENTO
Nenhuma forma de tratamento até o momento reuniu evidências suficientes para ser
eleita como a melhor opção, seja pela eficácia discutível em estudos controlados (no caso
10
dos medicamentos) ou pela dificuldade em obter dados de ensaios clínicos randomizados,
no caso de outras opções, como próteses auditivas e TRT.
Assim, os profissionais que se baseiam exclusivamente na medicina baseada em
evidências podem ter a impressão de que não existe nada que se possa fazer pelos pacientes
com zumbido. Porém, é importante que se adote as medidas disponíveis atualmente,
lembrando que uma determinada medicação que melhore 50% dos indivíduos com
zumbido, pode não ser preconizada pela pesquisa científica, mas pode auxiliar metade dos
indivíduos que procuram ajuda médica por esse motivo. Neste sentido, os pacientes só têm
benefícios se o profissional se dispuser a tentar tratá-los, sempre priorizando o tripé
eficácia, segurança e tolerabilidade.
A. Medidas Inespecíficas
A maioria dos pacientes apresenta zumbido intermitente e com poucas repercussões
na vida diária. Muitos desses melhoram apenas com medidas gerais, que podem ser dadas a
todos os portadores de zumbidos.
Em primeiro lugar, deve-se tentar identificar uma provável causa para o zumbido e
revertê-la da melhor maneira possível, seja um distúrbio metabólico ou uma otosclerose
passível de tratamento cirúrgico.
Em segundo lugar, uma série de orientações deve ser dada ao paciente:
- a probabilidade de o zumbido ser causado por um tumor é muito pequena.
- apenas 25% dos indivíduos não obtém melhora alguma com qualquer opção de
tratamento e, portanto, o paciente deve ficar esperançoso em relação à sua
chance de melhora.
- evitar substâncias estimulantes do SNC, como a cafeína, álcool e o tabaco, os
quais aumentam a percepção do zumbido.
- toda e qualquer medicação que o paciente vinha usando antes de ter zumbido
(ou antes de piorar) deve ser evitada.
- a exposição a ambientes ruidosos deve ser extremamente controlada, a fim de
evitar maior lesão de células ciliadas e posterior piora do zumbido.
Por último, todos os pacientes podem ser orientados a respeito do mascaramento
caseiro, sobretudo aqueles que relatam dificuldade para conciliar o sono por causa do
zumbido. Trata-se de um método que objetiva substituir o ruído do zumbido que seja
gerado por uma fonte externa.
B. TRT – Tinnitus Retraining Therapy
Se nosso cérebro tem a capacidade de descartar e ignorar sinais pouco importantes,
é possível eliminar a percepção do zumbido da consciência, desde que o som do zumbido
deixe de significar algum perigo para o paciente. Assim, o indivíduo não percebe o sinal do
zumbido e consequentemente não se incomoda, mesmo que essa atividade neuronal
continue presente nas vias auditivas.
11
Esse método de tratamento que é baseado no modelo neurofisiológico chama-se
habituação ou retreinamento do zumbido (TRT). Neste caso, ao invés de dirigir o
tratamento à origem do zumbido, que geralmente está relacionada à orelha interna, utiliza-
se os fundamentos da neurofisiologia e da transmissão de sinais pelo sistema nervoso
central. Portanto, fica evidente que a indicação desse tratamento pressupõe a investigação
prévia do paciente pelo otorrinolaringologista e a exclusão de possíveis causas tratáveis de
zumbido.
A TRT tem sido usada em inúmeras clínicas de zumbido distribuídas pelo mundo. O
procedimento é totalmente baseado na plasticidade do sistema nervoso central e seu
objetivo principal é enfraquecer as alças de ativação do sistema límbico e do sistema
nervoso autônomo.
O processo completo da habituação ocorre em duas fases principais e, para isso,
dois princípios são fundamentais em todos os casos, devendo ser igualmente valorizados: a
orientação (aconselhamento terapêutico) e o enriquecimento sonoro:
1. fase de habituação da reação: o zumbido ainda é percebido, porém não mais provoca
reações negativas como antes e pode ser ignorado por alguns momentos. Essa etapa é
fundamental para o sucesso do tratamento e, para alcançá-la, é necessário remover os
temores do paciente em relação ao seu sintoma (aconselhamento terapêutico).
2. fase de habituação da percepção: é o objetivo final do tratamento, quando o zumbido
deixa de ser percebido, a não ser que o paciente preste atenção nele. Para isso, é necessário
associar o aconselhamento terapêutico ao enriquecimento sonoro.
Uma vez indicada a TRT, o paciente é classificado de acordo com as cinco
categorias de tratamento que consideram a presença ou não de hipoacusia, hiperacusia e
misofonia/fonofobia acompanhando o zumbido (Quadro 1). Para isso, as provas
audiológicas são essenciais, principalmente a determinação do limiar de desconforto
(Loudness Disconfort Level - LDL).
Entretanto, independente da categoria, os 2 princípios básicos da TRT são sempre
mantidos: o aconselhamento terapêutico e o enriquecimento sonoro, embora sejam
adaptados de maneira diferente para cada paciente e para cada categoria (Quadro 2).
Quadro 1. Definições das cinco categorias de pacientes(2).
Impacto do Zumbido
Exposição
Categoria
Hipoacusia
Hiperacusia
Hipoacusia
Sonora
0
Baixo impacto
Irrelevante
Ausente
Kindling -
1
Alto impacto
Ausente
Ausente
Kindling -
2
Alto impacto
Significativa
Ausente
Kindling -
3
Alto impacto
Irrelevante
Presente
Kindling -
4
Alto impacto
Irrelevante
Presente
Kindling +
OBS: Hiperacusia = hipersensibilidade importante aos sons ambientais associada a LDL
menor do que 100dB; kindling = piora prolongada do zumbido/hiperacusia após exposição
sonora única.
12
Quadro 2. Forma de indicação de TRT de acordo com a categoria do paciente. Note que
em todos os casos o aconselhamento terapêutico é associado ao enriquecimento sonoro.
Categoria
Forma de indicação de TRT
0
Só orientação
1
Orientação + gerador de som adaptado no "ponto de mistura"
2
Orientação + prótese auditiva convencional + sons ambientais
3
Orientação + gerador de som adaptado próximo ao limiar auditivo
4
Orientação + gerador de som adaptado abaixo do limiar auditivo
Nota: na impossibilidade do paciente, os geradores de som são substituídos por sons
ambientais.
Existem várias formas de tratamento do zumbido. Embora seja largamente utilizada,
a TRT deve ser indicada nos casos idiopáticos (após exaustiva investigação diagnóstica) ou
quando a etiologia identificada não é passível de tratamento clínico ou cirúrgico. É
necessário cuidado com a indicação excessiva da TRT, uma vez que essa abordagem é
longa e pode ser substituída por um tratamento mais dirigido quando uma etiologia passível
de tratamento específico é diagnosticada pelo otorrinolaringologista.
Em nossa prática, atualmente contra-indicamos a TRT em pacientes com alterações
psiquiátricas, uma vez que a orientação é mais difícil de ser compreendida ou aceita.
Assim, sugerimos avaliação psiquiátrica com controle da doença de base e
iniciamos o tratamento do zumbido somente após o controle do paciente. Hesse et al (2001)
sugerem a internação de tais pacientes, associando-se TRT com psicoterapia intensiva.
Aconselhamento terapêutico
O aconselhamento terapêutico é fundamental para alcançar a fase de habituação da
reação ao zumbido, que é o objetivo inicial do tratamento, onde o zumbido ainda está
presente, porém não mais incomoda o paciente. Nem sempre é fácil alterar as idéias
negativas do paciente, sobretudo aquelas referentes à falta de recursos para tratamento.
Porém, é fundamental tentarmos a eliminação das associações negativas, já que o
processo da habituação não ocorre para sons que possam significar algum perigo. Isso é
feito com uma explicação simples, em linguagem leiga, do modelo neurofisiológico e dos
mecanismos do zumbido, mostrando-lhe que suas preocupações são desnecessárias por
estarem baseadas em informações errôneas, além de serem as principais causas de
impedimento da habituação como um processo natural.
Em geral, o paciente demora alguns meses para notar os efeitos que o tratamento
provoca através da plasticidade neuronal. Portanto, precisa entender que perseverança é a
palavra-chave nesse tipo de tratamento, devendo sentir-se apoiado e incentivado a
prosseguir, reconhecendo cada passo dado em direção ao seu objetivo final.
O enriquecimento sonoro
O segundo objetivo do tratamento é alcançar a habituação da sua percepção. Apesar
do aconselhamento terapêutico ser uma parte importante e insubstituível do tratamento, na
13
prática a habituação da percepção do zumbido não acontece automaticamente, mesmo
quando o paciente compreende e aceita que não apresenta nenhum problema grave de
saúde. Por isso, é necessário lançar mão do enriquecimento sonoro contínuo e por longo
prazo, como veremos a seguir. Então, para se completar o processo da habituação, é
fundamental que o paciente evite ambientes silenciosos.
O enriquecimento sonoro pode ser realizado de várias maneiras, mas o princípio é
sempre o mesmo: diminuir o ganho obtido ao longo das vias auditivas, o que pode ser
obtido através do uso de som neutro, estável e de baixa intensidade (mais baixa do que a
percepção do próprio zumbido). Assim, a atividade neuronal evocada pelo zumbido, que é
distinta daquela evocada pelos sons externos, passa a ser menos contrastante em relação à
atividade neuronal contínua nas vias auditivas, facilitando o processo da habituação.
Atualmente, existem três formas recomendadas para o enriquecimento sonoro:
a. uso de sons ambientais através de CDs, fontes de água ou geradores portáteis com sons
da natureza ou músicas suaves, som de ar condicionado, ventilador, etc. É a maneira
mais acessível aos pacientes.
b. uso de sons ambientais (como os da opção a) amplificados por prótese auditiva
convencional. É a maneira indicada para pacientes com perda auditiva clinicamente
importante.
c. uso de geradores de som de banda larga adaptados a cada ouvido, geralmente
retrococleares e com molde aberto para não ocluir o meato acústico externo (Ex: Silent
Star). É a maneira mais prática e eficiente. Mesmo que o zumbido seja unilateral, os
geradores devem ser adaptados bilateralmente para estimular as vias auditivas em conjunto.
A intensidade do som deve ser sempre menor do que a do zumbido, evitando-se ao máximo
mascará-lo, já que o mascaramento desse sinal impede o processo da habituação. Além
disso, o molde também deve ser sempre bem aberto para permitir a entrada dos sons
ambientais, que são muito importantes no processo (desaconselhamos os geradores
intracanais pelo efeito de bloqueio do CAE). Para o melhor resultado em pacientes da
categoria 1, o volume dos geradores de som deve ser colocado no chamado "ponto de
mistura", ou seja, aquele que interfere com o som do zumbido, porém sem nunca mascará-
lo. Na vigência de hipersensibilidade auditiva, o volume do gerador de som deve ser ainda
menor, de acordo com cada caso.
TRT versus mascaramento
É importante frisar aqui que mascaramento e habituação são processos
completamente diferentes e não devem ser confundidos. O primeiro, apesar de promover
um alívio rápido em alguns pacientes, não promove nenhuma mudança em termos de
neuroplasticidade, por isso o zumbido geralmente retorna logo após a retirada do som
mascarador, fazendo com que esse tratamento precise ser usado por longo período. A
habituação é um processo que, embora lento para iniciar, tem a proposta de alcançar
resultados definitivos após um período de tempo determinado, que pode variar de 12 a 18
meses, pela vantagem de alterar as conexões das vias auditivas com o sistema límbico e o
sistema nervoso autônomo. Uma vez que o processo da habituação já esteja estabelecido
14
após alguns meses, o uso dos geradores de som já não é mais necessário. Como medida de
proteção, os pacientes devem continuar evitando o silêncio, mas de resto, devem levar uma
vida normal, já que o zumbido aos poucos deixa de ser um problema.
O mascaramento é contra-produtivo quando se pretende alcançar a habituação. O
motivo para se evitá-lo é baseado em princípios bem conhecidos de neurofisiologia e
psicologia: nunca podemos aprender (ou reaprender) algo que não é detectado e, portanto,
se o zumbido for mascarado, deixa de ser percebido pelo córtex abruptamente, impedindo o
processo gradual da habituação.
Tempo de tratamento
Por definição, o tratamento do zumbido baseado na habituação precisa produzir
mudanças nas conexões neuronais do sistema auditivo, o que não ocorre em um único dia.
Alguns pacientes se habituam rapidamente, porém na maioria das vezes o processo
completo demora 12 a 18 meses.
Normalmente, esse processo tem altos e baixos, sendo que o paciente pode
desanimar-se por alguns períodos, principalmente quando a ansiedade é importante, porém
os que cumprem o processo notam avanços progressivos que são muito estimulantes.
Até o final de 1998, mais de 1000 pacientes foram tratados no Centro de Zumbido e
Hiperacusia de Baltimore, nos Estados Unidos. Dentre os pacientes que completaram o
tratamento até o final, 84% observaram uma melhora importante. Muitos deles
continuavam percebendo algum zumbido por menos de 10% do tempo em que o notavam
anteriormente, sendo que quando aparecia, não mais incomodava. Naquele mmento, o
zumbido já havia deixado de ser um problema, e os pacientes já não usavam mais os
geradores.
Os resultados foram semelhantes no Centro de Zumbido e Hiperacusia de Londres,
com mais de 1500 pacientes. Em Madrid, os resultados de 56 pacientes mostraram que em
61% dos casos o zumbido deixou de ser um problema para o paciente, enquanto outros 23%
notaram melhora importante, embora sem desaparecimento do zumbido. Embora a
casuística de pacientes submetidos à TRT em nosso Grupo de Zumbido ainda seja pequena
quando comparada à dos centros de Baltimore e Londres, nossos resultados iniciais
apontam melhora do zumbido em 60 a 80% dos casos, dependendo do critério adotado.
4.3.
Medicamentos
Príncípios utilizados pelo gupo de zumbido da ORL_HCFMUSP no tratamento
medicamentos:
Preferência por monoterapia;
Uso inicial da medicação por 30 a 60 dias;
Se falha terapêutica – troca de medicação;
Em caso de melhora, prolongar por mais 30 dias com diminuição das dose; se
possível, retirar ou manter a menor dose possível.
Em caso de piora, retornar à dose inicial.
15
4.3.1. Extrato de Ginkgo Biloba 761 (anti-agregante e modulador de
fluxo)
As medicações a base de EGb 761 estão em ascensão em todo o mundo, devido ao
seu grande leque de indicações clínicas, abrangendo sintomas neurológicos leves,
alterações cognitivas associadas à senilidade, sintomas auditivos e visuais de origem
isquêmicas, assim como a insuficiência vascular cerebral e periférica. Todas essas ações
dependem de sua atividade vaso reguladora sobre toda a árvore circulatória, com aumento
do fluxo sangüíneo e suprimento de oxigênio aos tecidos. É importante recordar que o
composto ativo está contido nas folhas da planta, e deve conter 24% de flavanóides e ser
livre de tanino (presente na raiz).
Segundo estudos de metanálise, a dose recomendada é de 80 a 120mg 2x/dia por no
mínimo 8 a 12 semanas. Usar principalmente em idosos devido à reduzida incidência de
efeitos colaterais.
De acordo com a experiência clínica do grupo de zumbido do HC/FMUSP houve
abolição e melhora parcial do zumbido em 57,5% dos pacientes após uso de EGb 761 na
dose de 120 mg, 2 vezes / dia, apresentando boa tolerabilidade.
4.3.2. Lidocaína:
O uso de lidocaína endovenosa tem efeito anticonvulsivante central, reduzindo a
intensidade do zumbido na maioria dos pacientes.
Devido a potenciais efeitos colaterais graves, à sua curta meia vida, e à inexistência
de uma formulação via oral efetiva, não é empregada como opção terapêutica.
Atualmente, o principal uso da lidocaína endovenosa consiste em um teste
prognóstico para identificar os pacientes que poderão fazer uso de outras drogas
anticonvulsivantes como o tratamento de manutenção do zumbido.
4.3.3. Anticonvulsivantes:
Os principais representantes do grupo são a carbamazepina e a fenitoína, atuando
como bloqueio hiperexcitabilidade das vias auditivas. Acredita-se que essas drogas
suprimem a hiperatividade do zumbido do mesmo modo que o fazem em casos de neuralgia
do trigêmio, dor de membro fantasma, hemiespasmos faciais e mioclonia palatal.
Carbamazepina: após teste prognóstico com lidocaína, doses noturnas com
aumentos progressivos até estabilização: 50mg por 8 dias à noite; 100mg por 8
dias à noite; 200mg por 14 dias à noite;
Gabapentina: 300mg 3x/dia (menos efeitos colaterais, maior custo).
4.3.4 Benzodiazepínicos
Um estudo clínico randomizado mostrou algum benefício com o uso de
clonazepam e oxazepam, porém faltam algumas informações no trabalho, houve
recorrência do zumbido após a cessação do uso da droga e casos de dependência.
16
Clonazepam (Rivotril®): dose inicial de 0,5 a 2.0mg/d, até 4mg dia máximo. Usar
gotas, num período inferior a 4 meses e monitorizar dependência. (1 gota = 0,1 mg).
No melhor ensaio clínico com alprazolam houve redução do zumbido superior ao
placebo, mas o trabalho também não é isento de bias.
Alprazolam: dose de 0,25mg ou 0,5mg à noite. Fazer desmame e monitorizar
dependência.
4.3.5 Antidepressivos
Os antidepressivos tricíclicos podem ser uma boa opção nos pacientes com zumbido
associado a distúrbio do sono ou depressão maior. Alguns estudos concluírm que 20 a 50%
dos pacientes com zumbido preenchiam os critérios de depressão e metade destes
apresentavam uma longa história de depressão antes do início do zumbido. Ainda não está
claro se a depressão é uma problema primário ou secundárioao zumbido, porém os
antidepressivos devem ser fortemente considerados neste grupo de pacientes, devido à
associação comum entre zumbido e depressão, dando-se preferência aos inibidores
seletivos da recaptação de serotonina.
4.3.6 Vitaminas e complexos minerais
O zinco é uma coenzima intracelular, sendo que a cóclea é um dos seus principais
reservatórios. Age sobre a bomba de Na/K ATPase da cóclea, e na síntese de mielina de
varios neurotransmissores no sistema nervosos central. Atualmente, acredita-se na relação
entre deficiência de zinco e presbiacusia. Assim, a reposição de zinco pode ser tentada no
tratamento do zumbido de pacientes idosos e com redução do zinco sérico.
No ambulatório de Zumbido do HCFMUSP utiliza-se a fórmula: cápsulas entéricas
de ácido pangâmico (B15) 100mg, piridoxina (B6) 300mg e sulfato de zinco (quelado)
80mg de 12/12 hs por 30 dias. Drogas disponíveis no mercado: Otonal®, Zincopan®,
Vitergan Plus®.
A vitamina A também pode ser utilizada, na dose de 50.000UI, 2x/dia às refeições,
geralmente associada à Nicopaverina- ácido nicotínico (B1) + papaverina (vasodilatador).
4.3.7 Outros
Outras medicações incluem: bloqueadores de canais de cálcio (cinarizina e
flunarizina), betahistina, pentoxifilina e ansiolíticos como a Passiflora incarnata (Pasalix).
Pentoxifilina: 400mg 3x/dia ou 600mg 2x/dia (observar intolerância gástrica e
cefaléia). Mais indicada para pacientes com doença vascular periférica e sinais de
insuficiência vertebro-basilar.
Cinarizina 25mg 3x/dia (Stugeron®) / Flunarizina (Vertix®): 10mg 1x/dia (efeitos
colaterais: tremores, depressão, ganho de peso; benéfico para cefaléia).
Exit® (Cinarizina 25mg + Piracetam 400 mg): 1 cp 3xdia.
Betahistina (Labirin® 16mg 8/8hs por 2 a 3 meses; Experimentalmente, produz
vasodilatação e aumento do fluxo sangüíneo no sistema arterial vértebro-basilar em mais de
54% após sua administração venosa; Também melhora a microcirculação do ouvido
interno, cóclea e arcadas arteriovenosas da stria vascularis e ligamento espiral. Seu uso é
17
classicamente indicado para o tratamento de zumbido e tonturas devido a hidropisia
endolinfática – Síndrome de Menière.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Tratado de Otologia – Bento, Miniti, Marone, 1a ed. 1998, cap. Doenças
do Ouvido Interno; 257-392, Ed. USP.
Otolaryngology Head and Neck Surgery. Cummings, 2a ed. 1993, vol. 4,
cap. 173 – Tinnitus; 3031-53.
Sanchez TG, Zonato AI, Bittar RSM, Bento RF: Controvérsias sobre a
fisiologia do zumbido. Arq Fun Otorrinolaringol. 1997,1 (1):2-8.
Baguley, DM: Mechanisms of Tinnitus. Br Med Bull, 2002, 63:195-212.
Sanchez TG, Miotto Neto B, Sasaki F, Santoro PP, Bento RF: Zumbidos
gerados por alterações vasculares e musculares. Arq. Fun.
Otorrinolaringol. 2000, 4(4):136-142.
Sanchez TG. Medeiros IRT, Fassolas G, Coelho FF, Constantino GTL,
Bento RF: Freqüência de Alterações da Glicose, Lipídeos e Hormônios
Tireoideanos em pacientes com zumbido. Arq Fun. Otorrinolaringol.
2001,5(1):16-20.
Lockwood AH, Salvi Rj, Burkard Rf: Current Concepts: Tinnitus. N Engl
J Med 2002, 347 (12):904-910.
Sanchez TG, Pedalini MEB, Bento RF: Hiperacusia: Artigo de Revisão.
Arq. Fun. Otorrinolaringol. 1999, 3(4):184-8.
Sahley TL, Nodar Rh: Tinnitus: Present and Future. Curr Opin
Otolaryngol Head Neck Surg 2001, 9(5):323-8.
Sanchez TG, Pedalini MEB, Bento RF: Aplicação da Terapia de
Retreinamento do Zumbido (TRT) em Hospital Público. Arq.
Otorrinolaringol. 2002, (1): 29-38.
Nita LM, Lorezentti FTM, Sanchez TG, Brito Neto RV, Beno RF:
Zumbido em Pacientes submetidos a Implante Coclear: Freqüência de
Ocorrência e Evolução. Arq Otorrinolaringol. 2002, 6(30: 175-9.
Sanchez G, Kii MA, Lima AS, Bento RF, Lourenço RKG, Miniti A:
Experiência Clínica com Egb 761 no Tratamento do Zumbido. Arq
Otorrinolaringol. 2002, 6(3): 198-204.
Dobie, RA: A Review of Randomized Clinical Trials in Tinnitus.
Laryngoscope 19999,109 (8):1202 – 1211.
Ernst E, Stevinson C: Ginkgo Biloba for Tinnitus: A Review. Clin
Otolarungol. 19999,24930:164-167.
TG. Tese de Livre Docência.
Lockwood AH, Salvi RJ, Burkhard RF: Tinnitus – current concepts. N
Engl J Med, Vol. 347, 12:904-10. 2002.
Bauer CA: Mechanisms of Tinnitus Generation; Current Opinion in
Otolaryngology & Head and Neck Surgery 12:413-7. 2004.
Nelso, JJ. Chen K: The Relationship of tinnitus, hyperacusis and hearing
loss. Ear, Nose and Throat Journal.83:7.472-5. 2004.
18
Fernanda Fiorese Philippi – R2 Otorrinolaringologia HC- FMUSP
19

 

 

 

O que é o zumbido no ouvido?

O zumbido no ouvido, também denominado acúfeno, tinnitus ou tinido, é uma sensação de som percebido pelo indivíduo na ausência de uma fonte sonora externa.Para entender melhor, o Zumbido no ouvido é freqüentemente descrito pelos paciente como "um barulho nos ouvidos", em cada organismo ele atua de forma e intensidade diferente, variando sensivelmente de pessoa para pessoa, de forma que para alguns ele é um apitos, para outros um chiados, um barulho de cachoeira, um roncos intermitente, entre outras queixas.

Existe uma estimativa de que 11% a 17% da população apresenta zumbido. Aqueles pacientes que realmente sofrem com o zumbido (cerca de 20% dos casos), a queixa costuma ser dramática na consulta médica.
Felizmente, a maioria dos pacientes não sofre com o zumbido; referem-no secundariamente ou quando são inquiridos.

O mais importante é saber que essas pessoas com Zumbido, às vezes, ouvem esses barulhos 24 horas por dia, ficando mais intensos quanto mais silêncio existe.

É uma das queixas de problemas no ouvido mais comum e freqüentemente e pode vir associada com tontura e surdez.

O Zumbido no ouvido pode estar associado a outras doenças?

Sim, o zumbido no ouvido pode ser considerado como um sintoma de alguma doença ou como seqüela de alguma agressão sofrida no ouvido (externo, médio, interno).

Como o paciente descreve o zumbido na orelha?

O barulho descrito como zumbido, como já dito anteriormente pode ser referido pelo paciente como um chiado, apito, barulho de chuveiro, de cachoeira, de concha, de cigarra, do escape da panela de pressão, de campainha, do esvoaçar de inseto, de pulsação do coração, batimento da asa de borboleta e de outros modos. Muitos pacientes alegam ainda que pode ser de um barulho contínuo ou intermitente e em alguns casos constante, mono ou politonal.

Como pode ser classificado o Zumbido no Ouvido?

Alguns autores estabelecem critérios de graduação da gravidade do Zumbido. São seis graus, do 0 ao 5, de acordo com a intensidade dos sintomas:

0- O Zumbido não está presente.
1- O Zumbido está presente se eu prestar atenção, mas não é muito irritante e pode ser normalmente ignorado.
2- O Zumbido é freqüentemente irritante, porém pode ser ignorado a maior parte do tempo.
3- É difícil ignorar o Zumbido, mesmo com esforço.
4- O Zumbido está sempre presente a um nível irritante e freqüentemente causa considerável sofrimento.
5- O Zumbido é mais do que irritante, causando um problema angustiante por muito ou todo o tempo.

Existem autores ainda que dividem o zumbido basicamente em dois tipos de zumbido:

- zumbidos gerados pelo sistema auditivo.
- zumbidos gerados pelo sistema auditivo, formado pelas estruturas próximas ao sistema auditivo.

O zumbido pode ser classificado de diversas formas, alguns estudiosos o classicam em subjetivo quando é somente ouvido pelo paciente; ou objetivo, quando outras pessoas também podem ouvi-lo.
Outros consideram ainda a classificação de leve quando só é percebido pelo paciente em certas situações; moderado quando o paciente sabe da sua existência, porém não o incomoda; intenso quando a sensação desagradável o incomoda, prejudicando-o em diversas situações ou atividades; severo quando a manifestação se torna intolerável, acompanhando-o todo o tempo e dele não conseguindo se livrar, prejudicando-o ininterruptamente em suas atividades.
Há ainda quem afirme que o grau de desconforto, intolerância ou incapacidade causado ao paciente frequentemente não esta relacionado com o grau de intensidade do zumbido. As alterações psicológicas, muitas vezes presentes, exercem fortes influências no agravamento do sintoma zumbido.

Ouvir um Zumbido durante a audição tem causa ou causas?

Até o momento, não se tem certeza absoluta de nenhuma causa específica para o Zumbido. São conhecidos, entretanto, alguns fatores que causam o Zumbido ou podem piorá-lo podem ser identificados:

acúmulo de cera nos ouvidos,
alergias,
ansiedade, depressão e estresse
certos medicamentos (aspirina, alguns antibióticos, etc),
doenças cardiovasculares,
exposição ao barulho,
infecção nos ouvidos ou dos seios paranasais,
oclusão dental,
otosclerose,
problemas na articulação temporo-mandibular
hipotireoidismo
traumatismo de cabeça e pescoço
tumor no nervo auditivo,

A determinação da causa do zumbido no ouvido é de suma importância para obter-se êxito no tratamento.

Para entender melhor o zumbido, vamos considerar o zumbido de duas formas:

- zumbidos gerados pelo sistema auditivo.
- zumbidos gerados pelo sistema auditivo, formado pelas estruturas próximas ao sistema auditivo.

Os zumbidos gerados pelo sistema auditivo são os mais freqüentes e podem se originar em qualquer local das vias auditivas, desde o conduto auditivo externo até o cérebro.
São divididos em sete principais grupos causadores.
Causas otológicas: a princípio, qualquer doença ou distúrbio do ouvido pode vir acompanhado de zumbido, desde o ouvido externo (cera no conduto auditivo), ouvido médio (otite) e ouvido interno (ruido intenso).
Causas metabólicas: alterações metabólicas, especialmente da glicose, triglicerídios e hormônios tireoideanos podem causar ou acentuar o zumbido.
Causas cardiovasculares: devem ser analisadas, pois são doenças facilmente encontradas na população em geral. As mais comuns são: anemia, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, entre outras. De modo geral, essas doenças promovem uma diminuição do fluxo sangüíneo na cóclea (ouvido interno), provocando um zumbido agudo.
Causas neurológicas: doenças neurológicas (esclerose múltipla), traumatismo de crânio, tumores, seqüelas de infecções neurológicas (meningite), entre outras, podem ser causa de zumbido. Algumas vezes, o zumbido pode ser referido na cabeça e não propriamente nos ouvidos.
Causas farmacológicas: que merecem um alerta. O American Physician's Desk eference lista mais de 70 medicamentos que podem provocar zumbido como efeito colateral, entre eles: ácido acetilsalicílico (aspirina), antiinflamatórios, certos antibióticos e alguns antidepressivos.
Causas odontológicas: segundo alguns autores, a disfunção da articulação têmporo-mandibular (ATM), bem como do aparelho mastigador podem causar zumbido.
Causas psicológicas: ansiedade e depressão podem estar envolvidas com zumbido. Muitas vezes, é difícil diferenciar se isso é causa ou conseqüência ou mera coincidência, principalmente, no paciente que já apresenta ambos os problemas há vários anos.

Os zumbidos nos ouvidos gerados pelo sistema pára-auditivo (estruturas próximas ao sistema auditivo) são geralmente causados por alterações nos vasos arteriais ou venosos, nos músculos ou na tuba auditiva. Resumidamente, são divididos em vasculares (pulsáteis) e musculares (cliques). As principais causas são os tumores vasculares, as malformações vasculares, as contrações rápidas (involuntárias, rítmicas) de um ou vários grupos musculares e a disfunção da tuba auditiva.

Certos medicamentos em uso podem ser a causa do zumbido, como, por exemplo, o ácido acetilsalicílico (aspirina) e os antiinflamatórios. Alguns pacientes podem, ao mesmo tempo, estarem tomando vários remédios (diabete, hipertensão, coração, depressão, ansiedade, reumatismo) e, nesses casos, fica difícil saber qual das medicações pode ter feito o zumbido aparecer ou piorar.

O tratamento da causa é o mais eficaz, neutralizando ou suprimindo o agente agressor, curando ou melhorando o zumbido. Muitas vezes, a causa não ficou estabelecida e para esses pacientes existem vários medicamentos disponíveis com potencial para promover alívio. Caso isso não aconteça com a primeira opção, muitas outras podem ser usadas. Entre os medicamentos prescritos estão os que agem nas células nervosas hiperexc itadas das vias auditivas, drogas que influenciam o estado emocional (ansiolíticos, anti-depressivos), vasodilatadores
diretos, reguladores do fluxo sangüíneo e outros.

O que pode piorar o zumbido no s ouvidos?

Os fatores que mais pioram os Zumbidos é a exposição demasiada ao barulho, a perda de audição e o estresse. Nesse particular do estresse, podemos dizer que o Zumbido causa estresse e vice-versa, ou seja, o estresse causa Zumbido. Esse mecanismo pode se tornar um ciclo vicioso.
Alguns medicamentos (ototóxicos) também podem prejudicar os ouvidos e piorar o Zumbido. O Álcool, nicotina e cafeína podem exacerbar o Zumbido. Alguns pacientes relatam que o Zumbido piora após o consumo de certos alimentos, como o queijo, sal e vinho tinto.
Emocionalmente, a maioria dos pacientes com Zumbido se considera saudável. Dependendo do perfil emocional de cada paciente, alguns se adaptam aos ruídos que escutam. Outros, no entanto, podem ficar perturbados e estressados, inclusive, necessitando de alguma ajuda psiquiátrica para aprender a enfrentar este problema.
Fisiologicamente, entretanto, diante do Zumbido o organismo tende a reagir como se estivesse constantemente ameaçado, que é a sensação experimentada no estresse. Quando esta situação excede a capacidade de adaptação e tolerância da pessoa, pode ocorrer um estado de esgotamento.

Como é dividido o ouvido Humano?

é divido em três partes: externo,médio e interno.

 


web

Leia outras matérias desta seção
 » Nova droga pode reverter Demência
 » Doença grave x Espiritualidade
 » Insônia
 » Stents-bypass ou medicamentos ?
 » Própolis verde
 » Exames de sangue para que servem
 » Exame de Urina tipo 1
 » Estatinas aumentam risco de osteoporose
 » Diabetes tipo 2 - protocolo oficial da SBD - 2019
 » Cocô ! Tratado Geral
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee como fazer
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem
 » Insuficiência cardíaca: novo medicamento


Voltar