» Colunas » Saúde

27/01/2020
Hanseníase (Leprae) em alta

O Brasil tem altas taxas de detecção da hanseníase nos bolsões de pobreza das regiões norte, nordeste e centro-oeste do País. E quando é avaliada a incidência de casos com deformidades e incapacidade física, também se observa altos índices no sul e no sudeste. Isso indica que houve demora no diagnóstico da doença, feito apenas quando ela já se manifestava na forma avançada e, em geral, transmissível. Esse é o panorama da hanseníase no Brasil traçado pela médica dermatologista Maria Ângela Bianconcini Trindade, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

A doença surge inicialmente como manchas esbranquiçadas e indolores na pele e queda de pelos. Nas fases mais avançadas, pode afetar troncos neurais periféricos, articulações, gânglios e até órgãos internos, além de causar impotência, infertilidade, cegueira e comprometimento do fígado e do baço. Se não tratada, evolui para deformidades nas mãos e pés.

Embora os tratamentos tenham avançado nas últimas décadas, o Brasil ainda ocupa a segunda posição na detecção de casos novos e possui 92% do total de notificações dos países das Américas. Segundo Maria Ângela, por se tratar de uma doença endêmica e negligenciada, há casos em todas as classes sociais, porém, existem mais notificações nas regiões onde há mais desigualdades sociais. É o caso do estado de Tocantins, que tem 88,13 novos casos por 100 mil habitantes. Em Mato Grosso, o número é de 80,62; no Maranhão, 47,43; e no Ceará, 18,94. O índice de referência considerado aceitável é de um caso para 100 mil habitantes.

A doença predomina em maior número de notificações em regiões brasileiras onde há maior desigualdade social: em Tocantins, são 88,13 novos casos por 100 mil habitantes enquanto que no Rio Grande do Sul são 0,92 por 100 mil habitantes - Foto: Tawatchai Khid-arn/123RF

No sul e no sudeste, o número de notificações é mais baixo: no Rio Grande do Sul, por exemplo, é de 0,92 por 100 mil habitantes; Santa Catarina, 1,13; São Paulo, 2,95; e Minas Gerais, 5,34. Os dados são do Ministério da Saúde relativos ao ano de 2016.

O que também é preocupante é que “no sul e no sudeste, cerca de 15% das pessoas tiveram registro com deformidades físicas no momento do diagnóstico, o que coloca essas regiões à frente de outros estados que possuem taxas endêmicas da doença”, explica ela, que também é pesquisadora do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (IMT) da USP. Comparado aos níveis mundiais, o Brasil também se mantém no topo da lista, com cerca de 30 mil casos novos registrados nos últimos dez anos, perdendo somente para a Índia, que teve 123.785 casos.

O Brasil ocupa a segunda posição na detecção de casos novos e possui 92% do total de notificações dos países das Américas

*Diminuição ou perda da sensibilidade nos olhos, nas mãos e nos pés acompanhada de deformidade

Para extinguir a circulação do bacilo da hanseníase (Mycobacterium Leprae) no mundo, a cada cinco anos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulga diretrizes de combate à doença como problema de saúde pública. Na atual, de 2016-2020, as ações foram baseadas em três pilares: fortalecer parcerias do governo; promover detecção precoce e tratamento imediato para evitar a incapacidade e a transmissão do bacilo; e barrar a discriminação e promover a inclusão.

No documento Estratégia Global para Hanseníase 2016–2020 da OMS, onde estão listadas as estratégias, a detecção precoce da doença e o tratamento de pacientes com múltiplas drogas continuam sendo a base de controle da endemia. Regionalmente, no Brasil, vêm sendo realizadas ações de busca ativa como educação em saúde para diminuição da doença, o que, na visão da pesquisadora, teria contribuído para aumentar o número de detecção no nordeste.

Além do enfoque médico, as atuais estratégias da OMS deram maior visibilidade e peso aos aspectos humanos e sociais que afetam o controle da hanseníase. Maria Ângela acredita que a redução de estigmas e a promoção da inclusividade podem colaborar para aumentar o diagnóstico nas fases iniciais da doença.

Tratamento

Os dois tipos de hanseníase (paucibacilar e multibacilar) são tratados com uma quimioterapia múltipla (poliquimioterapia), baseada em três medicamentos (rifanpicina, dapsona e clofazimina) que, juntos, matam 90% dos bacilos em sete dias. Para a forma paucibacilar (com poucos bacilos), o tratamento tem duração de seis meses, e para a multibacilar (com muitos bacilos), um ano. A poliquimioterapia é fornecida pela OMS e distribuída gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Nas áreas com grande prevalência de casos novos já esta sendo implantadas medidas terapêuticas com drogas para prevenção, como é feito com a tuberculose, diz Maria Ângela.

Mais informações: e-mail [email protected], com Maria Ângela Bianconcini Trindade

Fonte: Jornal da USP



Leia outras matérias desta seção
 » Coronavírus: teste pelo plano de saúde
 » A pandemia e a depressão em crianças
 » Coronavírus x tipo sanguineo
 » Pomada para feridas diabéticas
 » Coronavírus:Omega 3 x Covid19
 » Reumatismo e seus vários tipos
 » Colesterol alto x coronavírus
 » Coronavírus:Imunidade cruzada
 » Coronavírus: Porque os Diabéticos correm mais risco
 » Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias
 » Espinheira santa
 » Coronavírus: Pneumonia silenciosa
 » Coronavírus: Ar condicionado pode espalhar
 » Fakes sobre o coronavírus
 » Coronavírus: Doenças crônicas
 » Alcool gel exige cuidados
 » Coronavírus e o Oxímetro
 » Coronavírus: Uso do anticoagulante heparina
 » A batata Yacon e o diabetes
 » Coronavírus não é pior que as outras pandemias


Voltar