07/11/05
Mundos Diferenciados

De corpo e alma, estar atento ao ruído do córrego, debruçar-se onde a água se avoluma, observar sua tranqüilidade e transparência antes de pousar os lábios sedentos, ver a própria imagem refletida e distorcida pelas ondas em círculos concêntricos, maiores à medida que se distanciam de sua origem - os lábios movendo-se para saciar a sede.
Postar-se ereto ao sabor do odor e da brisa da vegetação, caminhar lentamente sob as sombras e pelo chão macio forrado de folhas secas retorcidas, sentar-se numa clareira e expor-se ao tímido sol das tardes de outono e tentar como são as aves e os animais, integrar-se na Natureza.
O outono propicia o espetáculo de vida e morte!
Alguns estalos rompem o silencio, denunciando as folhas desprendendo-se dos galhos das arvores, debatendo-se entre eles, buscando espaço livre para num rodopio pelo ar, pousarem no chão já abarrotado por tantas outras folhas.
Suas expressões como folhas, terminaram!
Exemplo tão natural da morte na Natureza, cedendo espaço para outras vidas, representadas pelas novas folhas que brotarão com vigor de novas vidas para embelezar nosso mundo.
Sendo simples essas percepções, no entanto, só somos conscientes delas se o intelecto civilizado estiver ausente temporariamente.
Se o intelecto como pensamento é vida, sensibilidade ou sentimento é existência sublime!
O corpo humano - o invólucro da alma - dá guarida às sensações e a alma as absorve e se realiza.
Findando o dia, a noite veio como para despoluir a atmosfera das pesadas vibrações das exaltações possessivas da humanidade. Com ela - a noite - escurecendo os sentidos, procedente de devaneios, o sono se apodera do invólucro - a morada da alma - e libera-o das percepções conscientes.
Rompidas as fronteiras do consciente para o inconsciente, o mundo agora é subjetivo e individual das vivências oníricas.
No meu sonho - como outrora quando não havia desenlace familiar - atraído pelos alaridos adentrei no nosso quarto iluminado e a vi sorridente como quando ainda no invólucro. As meninas estavam sentadas na nossa cama e ela escovando-lhes os cabelos quando as interrompi:
- o que aconteceu? Você esta mais linda do que quando te vi pela primeira vez. Seus cabelos longos e repicados, nunca a vi com esse penteado! Quero te abraçar e beijar, parece fazer tanto tempo que não... ... ...
- Pare! Não atrapalhe!
- Gozado... você não envelhece e deixa-me até complexado.
- Bobo! Mas... como você é relaxado! Que bagunça está esta casa! Você não cuida das meninas!
- ...? Eu? Mas isso é problema seu!
- Não agora não! Deixou de ser. Veja! Uma tem bastante cabelos, lisos e grossos, longos e loiros. A outra tem menos cabelos, longos também mas, finos e escuros. Para não doer, faça como eu, aperte uma das mãos na cabeça e com a outra mão, passe a escova para desembaraçá-los e ... ... ...
O despertar desvaneceu o encantamento do meu sonho.
Na vivencia anterior através dos sonhos, a convivência com quem já teve seu ultimo outono é comum.
Ao acordar, as imagens oníricas se retidas, irão enriquecer o mundo da memória - nosso mundo subjetivo. As imagens oníricas do nosso mundo subjetivo antes de desvanecerem pelo cotidiano, irão intercalar com o mais preponderante dos mundos - o mundo material da sobrevivência.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar