23/11/05
Nectar da Vida

Poucos quilômetros separam aqueles dois descompromissados entre si e a sociedade.
Ainda encontrando-se furtivamente, naquela noite ela estava tão linda e elegante ao recebê-lo que o rapaz sentiu-se admirado pelo encantamento, ficando envaidecido pela consideração. Inexiste entre os dois, qualquer cobrança ou projeções futuras.
Após as saudações, de mãos dadas seguiram até a sala con fortável da casa. O som do rádio sintonizado em F.M. parecia exclusivo aos dois.
Emudecidos quando ausentes as percepções do tempo e quando esmaecidas suas inibições, das profundezas do âmago de ambos, como numa avalanche, eclodiu toda força de tanto carinho acumulado.
A energia apoderou-se dos movimentos corporais, tornando as mãos, insuficientes para o seu fluir.
As carícias cederam para uma pausa para o rapaz assistir a cena de uma mulher preparando café.
Entorpecido por aqueles momentos, o rapaz dirigiu-se ao terraço, donde vislumbrou parte da cidadezinha adormecida.
Pensativo em comparações, parecia perceber as vibrações preocupantes dos seus habitantes. Para ele, as pessoas transformaram-se em preocupações viventes que amam o mundo e ele ama a vida.
Na penumbra do terraço, surgiram-lhe também, lembranças muito tristes.
Silente, envolvendo-o em seus braços pelo redor da cintura dele e com o rosto apoiado em suas costas, arrebatando-lhe das tristezas e assim trazendo-o de volta às realidades do momento, ela sussurrou-lhe que o café estava pronto.
Esse jesto inesperado simboliza a admiração que uma mulher nutre pelo seu parceiro.
Afrouxando-lhe o abraço e mantendo-se dentro dele, o rapaz girou o corpo até postar-se de frente à ela.
Contemplativo naquele rosto indígina que tanto lhe cativava, inebriado com a aproximação castanha daqueles olhos, o rapaz fechou os dele ao sentir a umidade dos lábios dela.
Resultante de vivências anteriores, a experiência ensinou o rapaz à explorar apenas, o que de melhor possuem as pessoas.
Seguindo seu curso, a madrugada assistiu o exaurir das energias e testemunhou a incapacidade dos corpos ao atenderem os sedentes apelos dos espíritos, persistentes ainda por mesclarem suas vibrações.
Abraçados e embalados pelos sons de suas respirações, a escuridão restante da madrugada, absorveu-os pelo sono.
Ao amanhecer, implacável com suas exigências cotidianas, o barulho do mundo separou-os fisicamente, até o reencontrarem-se.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada

Voltar