23/11/05
Não tem mais terror

Foi numa daquelas noites de poucos pensamentos, quando o tédio provoca falsas ilusões de estarmos isolados do mundo.
A constante chuva fina, inaudível no telhado, traía sua presença pelo imperceptível ruído, quando o vento leve dispersava suas gotas sobre os vasos de antúrios, abaixo da janela esquecida aberta.
Pela vidraça embaçada onde as gotas deslizavam, do exterior, um desconhecido tranqüilamente observou o interior do ambiente e sem dificuldades penetrou. A luz acesa, o silêncio e livro entreaberto caído no chão, fizeram-no entender que a jovem na cama, adormecera.
O desconhecido acercou-se até de onde ouvia a respiração suave da jovem e permaneceu alguns instantes admirando aquele rosto bonito e sensual, com longos cabelos cobrindo parcialmente os seios que pareciam querer saltar fora do sutiã de tecido claro, obscurecido pela cor predominante dos mamilos. Um mar claro é o que lembrava a pele rosada que circundava o umbigo.
Descendo pelo ventre, a penugem quando tornava-se densa, penetrava sob a calcinha translúcida, escurecendo toda aquela região pubiana que se alastrava até sobressair com seus fiapos retorcidos pelo encontro com as pernas entreabertas. De tecido colante, a calcinha se amoldava nas protuberâncias do local, realçando o sulco vertical, motivando maior atenção para o desconhecido, que esboçou um sorriso malicioso.
Pelo sorriso e usando a imaginação, não terá ele pensado naquela cena excitante, como um sofrimento torturante para os já impotentes, incapazes de desfrutar daquele prazer que movimenta a humanidade?
Entrementes, tendo percebido a presença estranha, o instinto de autopreservação da jovem ocasionou-lhe o seu despertar.
Tomada de pavor, seu grito foi abafado por uma das mãos do individuo, que com a outra mão afastou-lhe os cabelos do pescoço e mordeu-o demoradamente enquanto a jovem debatia-se inutilmente.
Sentido-a dominada e enfraquecida, o estranho se afastou. O gosto diferente que seu paladar acusou, interferiu com seu triunfo.
Foi assim, o inicio do fim da estirpe dos Dráculas...
... o vampiro pegou Aids.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada

Voltar