01/12/05
É só brincadeira

A humanidade para se manter, necessita do maior número de inconscientes.
A eles foram criados adjetivos compensadores, para que permaneçam nas ilusões de suas importâncias: honesto, trabalhador, virtuoso, humilde, religioso e etc.
Mais ou menos com isso, o povo é igual em condutas, consumo e entretenimento.
Para manter o povo obediente e distraído, utiliza-se da cumplicidade da religião. Uma prática dissociada da realidade objetiva do cotidiano, visto que, lida com imponderáveis.
Utiliza-se também dos esportes e de outros tantos entretenimentos da hoje “alegria do se cair em lugar comum”, donde desses meios, aberrações de comportamentos tornam-se comuns.
A televisão despojou-se dos bons espetáculos e bons artistas e substitui-os por espetáculos e artistas medíocres.
As estações de rádio e os canais de televisão, repetidores como papagaio, difundem da mesma fonte, apenas noticias que ela quer e como quer. O que interessa a fonte é omitido.
Massacrado por tantas informações, o povo nem desconfia que a maioria delas é inútil para o viver de cada um.
Mesmo assim, em suas ingenuidades, muitos arrogam-se como sendo bem informados. Nos lares, acostumados à tantas imbecilidades televisionadas, poucos livram-se delas para se dedicarem ao colóquio familiar.
Tantas inutilidades existem quantos sejam os inocentes necessários.
Eles são destituídos do viver por si mesmos e viciados no viver que não é deles e nem para eles. Por tudo se influenciarem, aceitarem, são receptadores das industrias de ilusões do usurpar das mentes.
Como “civilização”, a humanidade conserva-se no mundo, mais pela participação dos inconscientes do que pela participação dos conscientes que, minimamente vivem sistematizados.
Tantos, com a mente embaralhada com como que cartas sem valor, sentem-se insuflarem com vazios que, provoca inquietações. Se faz necessário a busca do contrario - o preenchimento.
Uma opção é se reunirem com outros para ouvirem historias sobre alguém do passado que teve uma vida simples e frugal, numa existência livre das preocupações materiais. Tal ser, um antípoda mesmo se comparado à nós, viveu sem posses, sem conforto e sem quaisquer tecnologia. Dedicou-se a instruir outros sobre um outro mundo de paz e felicidade:
“Bem aventurados os humildes... Bem aventurados os pobres de espírito... ...
Largai tudo e siga-me”
TARDE DEMAIS!
O mundo tornou-se uma prisão psicológica, que, tornou a todos... pobres de espírito.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber

Voltar