01/12/05
Amor ao próximo

No dia 21 de janeiro de 1993, uma quinta-feira, o trem das 11:56 horas em Perus (bairro da zona oeste), distante cerca de 30 Km da cidade de São Paulo) passou pela estação às 12:15 horas, já atrasado.
Após percorrer apenas uns 500 metros, ele parou.
Eu estava no primeiro vagão, descontraído conversando com a Ângela, uma vizinha e amiga de minha família.
Ao ouvir um tropel, deparei-me com uma manada humana vindo do segundo vagão, atropelando todos que se encontravam pela frente, generalizando o pânico.
O pavor estampado nos seus rostos, parecia um terrível filme de terror. As cenas alternavam-se rapidamente: Gritaria, empurrões e atropelos naquele salve-se quem puder. Cheguei a pensar que o motivo daquela debandada, fosse algum tiroteio no segundo vagão.
Perguntei para um daqueles que estavam se matando, o que estava acontecendo e ele rapidamente respondeu-me que não sabia.
Um marmanjo pisoteou uma criança - eu vi - e pela cara dele, deduzi, pisotearia em quantas precisasse para se safar, mesmo não sabendo, safar-se de que.
As portas do trem abriram-se e ato inconsciente e continuo, muitas pessoas pularam para fora, inclusive mulheres com crianças de colo.
A essa altura do acontecimento, percebi que minha amiga Angela havia sumido. Percorri o interior do vagão com o olhar mas, não a vi. Vi-a depois, quando olhei para fora do trem. Ela estava ao lado dos trilhos onde circulam os trens no sentido contrario do trem parado e vi-a pouco antes duma composição interpor-se entre nós. Imaginam o perigo!
Como a Angela, muitas pessoas haviam abandonado o trem ao pularem, algumas mulheres se machucaram e foram atendidas por soldados da Policia Metropolitana cuja sede, felizmente situa-se próxima à estação de trem.
Dentro do trem ainda parado, observei pessoas atemorizadas, algumas tremendo e outras rezando, as sacolas e embrulhos espalhados pelo chão, pareciam a conseqüência de um terremoto.
Ao retornarmos a pé e entre os trilhos para o centro de Perus, perguntei à amiga, porque ela havia pulado do trem e expondo-se ao perigo de ser atropelada por outro, ela respondeu-me ter sido forçada pela turba que sem duvida a esmagaria se não pulasse.
Bem! O que motivou o estourou da manada foi apenas um principio de fogo e isso, no ultimo vagão.
Tal como foi, da pratica depreendi, onde termina o “amor ao próximo”. Esse conceito, infelizmente apenas intelectual, não funciona quando o pânico torna irracionais as pessoas, revelando-lhe apenas com seu amor próprio.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar