01/12/05
Conversa de Hospício

Você se queixa que os seus dias não são bons. Ora ora, por que você não os vende?
Mas, você é que tem os dias ou são os dias que te tem?
Se os dias são teus e tiverem algum defeito, como você os conserta?
É, você disse que o seu dia vai chegar. Enquanto ele não chega, você vive nos dias dos outros?
“Passaram muitos dias e eles entortaram”.
Aí, aí, aí! Como conviver com dia torto?
“Muitos dias se perderam”.
Nossa! Será que foram parar na zona?
“Dizem que tem dia triste e dia alegre”.
Mentira! Nunca vi um dia chorar ou dar risada.
“Orra meu, foi uma cagada daquele dia”.
Eu nem sabia que o dia tinha bunda.
“Eu limpo todos os dias”.
Não sabia que os dias são sujos.
“Eu vou pegar algum dia”.
Pega não! Vai ficar faltando um dia no calendário.
“Foram presos cem dias”.
P.q.p. agora até os dias são bandidos?
“Ele pagou em dia”.
O outro não aceitou dinheiro.
“Um dia eu acerto”.
Oh louco! Se todos acertarem num dia, matam todos eles.
“Ainda dá pra acabar de dia?”
Claro, não sou impotente!
“Você também vai?”
Só se fô dia.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber

Voltar