20/12/05
Querer saber não era permitido

Não faz muito tempo, qualquer investigação da natureza do homem ou da sua alma, era abominável e “pecaminosa”, especialmente se a fonte de investigação não fosse as Escrituras Sagradas. Além disso, teologicamente, sustentava-se que os mistérios da vida
--aqueles que o ser humano não deveria conhecer acerca de si mesmo ou do mundo-- eram segredos divinos que jamais deveriam ser revelados à compreensão humana.
O conflito de sentimentos de um autor do passado exemplifica bem essa controvérsia.
Primeiro, há uma expressão de humildade e da crença em que talvez o ser humano não seja digno de investigar as coisas divinas.
Segundo, o autor vê nas ações dos seres vivos inferiores o esforço de melhorarem suas condições e se libertarem de certos estorvos. Por causa disso, ele espera não estar sendo muito presunçoso ao tentar libertar sua própria alma de estorvos, especificamente da ignorância, e com isso, receber mais luz acerca do Eu e do Universo.
Deveríamos aprender que não existem castigos divinos para o desejo sincero de adquirir iluminação para o aprimoramento da humanidade.
Vamos ao conflito de sentimentos:
“Meu Deus, minha Vida, cuja essência o homem não está de modo algum preparado para conhecer ou investigar, mas que do Teu Reino como hóspede deve se aproximar, com pensamentos mais humildes do que a sua petição: quando penso em como me desvio, creio que é orgulho de minha parte orar. Como ouso aos Céus falar, com certeza de com todos os meus pecados Tua atenção merecer? Mas, quando observo as toupeiras, que às cegas em túneis se escondem e ali suas próprias escuras prisões constroem, removendo a terra para o ar conseguir, assim vejo minha alma agrilhoada que com o seu fardo de pó tem de lutar.
Atende sua súplica e um raio acrescenta a esta encarcerada porção do teu dia.
Assim, embora aqui aprisionada, ela veria, através de todo o seu pó, o Teu trono e a Ti.
Senhor, guia min’alma para longe desta triste noite, e diz mais uma vez, Que Haja Luz”.

Thomas Vaughan 1621-1665


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito

Voltar