20/12/05
Conversa Fiada

As pessoas que falam tudo de si mesmas, ainda mais quando são óbvias e repetitivas, elas, perdem o interesse para outras pessoas.
Quando conhecemos todos os assuntos de alguém, é cansativo ouví-lo.
Aquela palavra “consideração” é culpada por termos que escutar o que não queremos.
Tem gente que pensa que amizade significa ter que ouvir o relatório sobre tudo o que ocorre em sua vida. Sempre inoportuna, julga que suas insignificâncias são significância para quem, “por educação”, tortura-se em ouvir. Quando pessoalmente ouve-se o “relatório”, o viver em sociedade impede nossa fisionomia contrair-se demonstrando nossa repugnância pela idiossincrasia alheia. Nossos olhos é que imploram: chega, não quero ouvir, não aguento mais, isso não me interessa, não me encha o saco.
Quando por telefone e a gente não estando sendo vigiado, a outra pessoa se visse nossa feição e o murmurar de nossos lábios, saberia o quanto a consideramos agradável.
É quando a hipocrisia adora se manifestar: foi um prazer conversar contigo, telefone sempre. E ao mesmo tempo “não me encha mais o saco” é o que a gente pensa.
Se todos se dessem conta de suas insignificâncias, deixariam outros mais sossegados com suas próprias insignificâncias, já lhes sendo muitas as que possuem. Assim, o mundo poderia tornar-se mais agradável sem tanta futilidade –o alimento desta época.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » O Google te conta tudo
 » Tentando compreender o incompreensível
 » Mistério insolúvel
 » Os dias tem seus donos
 » A bagunça criada pela mídia e pela internet
 » Sacanagem esportiva
 » A guerra invisível
 » Sanidade prejudicada pela tecnologia
 » Desfez-se da sogra e ninguém se preocupou
 » Os brasileiros sempre foram bondosos
 » Antigamente o absurdo era inconcebível
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam

Voltar