20/12/05
Que vida dura

São Paulo, represa de Guarapiranga, quarta-feira, 12 de novembro de 2003.
Antes das doze horas, no tablado de um pequeno porto de um local chamado Sailing Center, o vento batia muito forte. Já colocado na água, o barco branco, a motor e à vela do Edson Prando, agitava-se muito por causa das ondas e do forte vento, “uma paulera”, conforme disseram funcionários daquele local. Antes de adentrarmo-nos ao barco, uma tristeza invadiu-me até o pingar de lágrimas.
Coitadas de todas as pessoas que conheço. Tão atarefadas em suas responsabilidades, preocupações, compromissos, trabalhos, dependências, escravidão aos deveres, dívidas, medo, desemprego.
Traidor dos costumes “nobres” de se viver ocupado, olhei para o céu e pedi perdão por aquela ociosidade aquática.
O início do funcionar do motor do barco foi agradável de se ouvir. Fiquei no leme e partimos contra o vento e as ondas. O subir e descer da proa n’água, provocava o borrifar de gotas da lagoa para o meu rosto e corpo. Seguindo assim até águas mais profundas, do meio da represa, lá, com o motor em marcha lenta, o Edson içou a vela de proa. A vela maior não pode ser içada, porque, seu mastro estava em reparos. Com o motor desligado, sòmente ao sabor do vento forte, o barco deslizava muito rápido.
Ouvia-se o atrito d’água barulhenteando pelo casco. Dentro da cabine e dentro de uma geladeira de isopor, tinhamos sanduíches e refrigerantes.
Que estranho é o vento! Às vezes, por dentro dele, ficamos isolados e imóveis numa calmaria.
Para sairmos dela mais depressa, o motor do barco tinha que ser religado.
A sensação do vai daqui, vai dali era formidável. Aproveitar o vento que “pega” de lado, perpendicular ao comprimento do barco, isso, imprime maior velocidade. Bandeirinhas afixadas nos cabos de sustentação do mastro da vela, acusavam a direção do vento. Fizemos muitas barbeiragens!
Numa das vezes, quase que o barco virou, por culpa minha, que, virei o leme ao contrário do que solicitou o Edson. É que, naquela ventania, havia dificuldade de ouvir e entender o que o outro falava.
Foi quando o capitão decidiu irmos para águas mais calmas e era fácil distinguí-las. Num outro extremo da represa, a água estava mais lisa, isenta de agitações. Significava que por lá não havia forte corrente de ar ou que o vento era brando, assim explicou-me o Pando.
Parecíamos estar sozinhos na represa, mas não! Ao passar por nós, uma lancha potente sacudiu-nos com as ondas que provocou. Atrelada a ela, uma garota estava esquiando. O Edson com as mãos ao redor da boca gritou-lhe: “Hei, ele aqui é artista de rádio!” Barbaridade! A mocinha de pernas bem torneadas ficou impressionada. Será que ficou mesmo? Ou teria sido ilusão de velho? O fato é que ela perdeu o equilíbrio, caiu e afundou nas águas fedorentas da Guarapiranga.
Pois é! Nas águas calmas deu tempo para percebermos minha falta de experiência e desleixo. Muito mais que o Edson, eu estava parecendo um camarão. Rosto, braços e pernas já eram arderem avermelhados pela falta de roupa apropriada. Daí a bronca do chefe: “Hei cara, nem boné você trouxe? Tome, vista este, bem apertado com a aba para trás, porque o vento, novamente vai estar para derrubar boné”. Ainda bem! Ficar na cabine, nem pensar... ... p. calor!

Quinze horas, início do nosso retorno pelas águas agitadas pelos ventos fortes. Numa troca de posição da vela, um acidente “lamentável.” O vento derrubou o boné do capitão Edson nas águas turbulentas que, semi-afundado, perdi-o de vista bem como, o local de sua queda. Isso aconteceu enquanto o Edson esteve preocupado com a aproximação das águas rasas que poderia atolar seu barco.
Eu, rindo sem parar, gritei: “O mestre ensinou ao discípulo e o discípulo superou o mestre. Eu não deixei cair meu boné! Foi quando o mestre virou macho e falou: --P.q.p. se fosse um homem você o teria perdido.
--E daí! Que se dane se fosse um homem. Tudo é tão rápido que confunde o raciocínio. Ainda mais voltar e localizar o teu boné! Até o leme parece que ficou louco... ... adeus boné.
Depois disso, a preocupação foi atracar o barco sem acidente, porque, próximo ao porto que antes estava livre, vários barcos estavam ancorados. Porém, entremeio a rajadas de vento e ondas parecidas com as do mar, o filho da Tica saiu-se bem. E assim terminou aquela aventura tão triste. Hoje ao relembrar o quanto nós sofremos naquela quarta-feira lá na Represa de Guarapiranga, dá vontade de chorar.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar